Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Diretora da Escola Politécnica da USP

Liedi Legi Bariani Bernucci

Diretora na gestão 2018-2022

Formada em Engenharia Civil, professora abriu portas e busca servir
de exemplo para as mulheres que querem seguir carreira na área.

A mais nova diretora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Liedi Legi Bariani Bernucci é a primeira mulher a assumir o cargo máximo administrativo de uma das principais escolas de Engenharia do Brasil. Foi a primeira mulher a ocupar a vice-diretoria da Poli, de 2014 até janeiro deste ano, e chefiou o Departamento de Engenharia de Transportes, cargo que ocupou por sete anos, até março de 2014. Também foi a primeira mulher a ser escolhida como “Professor do Ano” pela Associação dos Engenheiros Politécnicos (AEP), homenagem recebida em 2016. E desde 1995, coordena o Laboratório de Tecnologia de Pavimentação (LTP) do Departamento de Engenharia de Transportes.

Profª Liedi, durante cerimônia de titulação de docentes, 22 fevereiro de 2018, EPUSP

Ser pioneira não foi um acaso, mas resultado de uma carreira planejada, desde o início da docência, e de muito estudo. “Eu sempre quis seguir a carreira acadêmica, me planejei e trabalhei para isso”, contou ela em um debate promovido ano passado pelo Centro Acadêmico Mecânica e Mecatrônica (CAM). Nascida em 11 de julho de 1958 na cidade de Jarinu, interior de São Paulo, a diretora da Poli sempre estudou em escola pública e ingressou na USP em 1976, no curso de Geologia, mas resolveu prestar novamente vestibular e entrou na Poli em 1977, tendo optado por Engenharia Civil no segundo ano e concluído a graduação em 1981.

“Na graduação da Poli eu descobri o prazer de estudar”, ela costuma dizer quando reflete sobre sua formação. Também nesse período ela passou a se interessar pelas atividades de gestão, quando, em 1980, compôs uma chapa que venceu as eleições do centro acadêmico de Engenharia Civil, o CEC.

Bernucci fez mestrado em Engenharia Geotécnica na Poli-USP, concluído em 1987. Parte da pesquisa foi desenvolvida em uma especialização feita no Institut Fuer Grundbau und Bodenmechanik - Eidgenoessische Technische Hochschule Zürich (ETHZ), na Suíça, onde permaneceu de 1984 a 1986. Na mesma instituição fez também um doutorado sanduíche. Esse período foi fundamental para sua formação, já que a ETHZ é considerada a Escola Politécnica-Mãe, um modelo para constituição da Poli. Finalizou seu doutorado em Engenharia de Transportes pela USP em 1995, sob orientação do professor Franco Balduzzi, da ETHZ, e coorientação pelo professor Jorge Pimentel Cintra, da Poli-USP.

Em 1986, tornou-se professora da Poli, depois de um convite do professor Antonio Galvão Novaes, então chefe do Departamento de Engenharia de Transportes. Ela realizou sua Livre-Docência em 2001, cujo título é “Desenvolvimentos e Aprimoramentos de Tecnologia de Utilização de Solos Tropicais e de Misturas Asfálticas em Pavimentação”. Em 2006, foi nomeada professora titular da Escola, atingindo o título máximo, que representa o topo da carreira docente, aos 48 anos.

Como professora, foi homenageada quatro vezes por alunos. Reformulou e introduziu disciplinas na graduação e na pós-graduação e recebeu dezenas de prêmios em razão de seus trabalhos publicados em periódicos e congressos nacionais e internacionais. É uma pesquisadora reconhecida, tanto pela academia como pelo setor produtivo, por sua competência na área de infraestrutura de transportes, que engloba estudos sobre vias urbanas, rodovias, aeroportos e ferrovias.

Autora de um livro que é referência para estudantes e profissionais, "Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros", juntamente com Laura M.G. Motta, Jorge A P Ceratti e Jorge B. Soares, publicou mais de 160 trabalhos. Docente da Poli há 32 anos, já lecionou para mais de 3.000 alunos de graduação e orientou cerca de 40 alunos de mestrado e doutorado. Coordena e orienta projetos de pesquisa financiados por órgãos de fomento, agências e por empresas públicas e privadas, nacionais e internacionais. Foi coordenadora da Comissão de Asfalto do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP). É pesquisadora com conceito Pq 1C do CNPq (Bolsista de Produtividade em Pesquisa nível 1C).