Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte


Poli-USP realiza seminário sobre Gestão de Tecnologia da Informação

No dia 5 de setembro, o Departamento de Engenharia de Produção da Poli-USP realiza o 1º Seminário do Laboratório de Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação, do Conhecimento e da Inteligência Competitiva (LETICIC). Ocorrerão no evento palestras, debates e apresentações de projetos em andamento, com os objetivos de: promover a exposição das atividades e trabalhos de pesquisa e pós-graduação do LETICIC, estimular a participação do setor produtivo na discussão dos temas que movem a pesquisa acadêmica e envolver diferentes públicos, como alunos de pós-graduação, pesquisadores e profissionais do mercado, no debate sobre esta área do conhecimento. O LETICIC representa a linha de pesquisa “Gestão da Tecnologia da Informação” do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Poli-USP.

O evento é gratuito. Para realizar a inscrição, clique aqui. Mais informações, entrar em contato com Alvaro Marques Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

alt

 

Workshop discute a contribuição do biometano para aumentar a oferta de gás natural em São Paulo

Organizado pelo RCGI, evento reunirá representantes da academia, governo e empresas no dia 14 de setembro, em São Paulo

No dia 14 de setembro, o Centro de Pesquisa para Inovação em Gás Natural (“Research Centre for Gas Innovation” - RCGI na sigla em inglês) realizará, em São Paulo, um workshop para discutir as perspectivas de contribuição do biometano no aumento da oferta de gás natural no Estado de São Paulo. Estão previstas oito palestras seguidas de mesas-redondas, nas quais representantes da academia, governo e indústria discutirão desde produção, potencial de geração e aplicações, até marco regulatório.

Segundo a professora Suani Teixeira Coelho, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Bioenergia do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (GBIO/IEE/USP - www.iee.usp.br/gbio), o workshop integra as ações de uma pesquisa liderada por ela, referente ao projeto 27 do RCGI, intitulada “As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de gás natural em São Paulo”.

O projeto irá mapear a produção de biogás e biometano nos aterros sanitários, estações de tratamento de esgoto e de resíduos animais e agroindustriais em todo o Estado de São Paulo. Trata-se de um dos 29 projetos de pesquisa que vem sendo desenvolvidos no âmbito do RCGI – um centro de excelência que receberá R$ 100 milhões, da Fapesp e do BG-Shell, para desenvolver tecnologias, aplicações inovadoras e estudos sobre o emprego do gás natural. Saiba mais sobre a pesquisa neste link: http://bit.ly/2bJtzkZ

“O workshop será importante para trocarmos experiências e levantarmos os dados necessários mais rapidamente com o governo e a indústria”, afirma a professora. A proposta é finalizar o mapeamento dentro de um ano. “E partir disso, discutirmos a política de regulação e a parte econômica para a expansão do uso desta fonte de energia”.

Serviço: O workshop “As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de GN em SP” será realizado no dia 14 de setembro no Auditório do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da USP (Av. Professor Mello Moraes, 2463, Cidade Universitária, São Paulo). Inscrições limitadas pelo site: http://bit.ly/2bKhyfM. Veja abaixo a programação preliminar.

As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de GN em SP

8h30 - 09h00

Credenciamento

09h00 – 09h30 ABERTURA

Julio Meneghini (Diretor Acadêmico – RCGI – Escola Politécnica – Departamento de Engenharia Mecânica)

Suani Teixeira Coelho (Coordenadora do Projeto 27 RCGI – PPGE/IEE/USP)

Antônio Celso de Abreu Jr. (Sub Secretário de Energias Renováveis - Secretaria de Energia e Mineração de São Paulo) (tbc)

Ubirajara Sampaio de Campos (Sub Secretário de Petróleo e Gás - Secretaria de Energia e Mineração de São Paulo)

09h30 – 10h00

Carina Couto (Arsesp) – “Regulamentação Estadual para os usos finais do biometano” - (tbc)

10h00 – 10h30

Marcela Flores (ANP) – “Qualidade do biometano”

10h30 – 10h50

Break

10h50 – 11h20

Luis Costa (GIZ) – “Cenário regulatório do biometano na União Europeia”

11h20 - 12h20

Mesa-redonda: Arsesp; ANP e GIZ

12h20 - 14h00

Almoço

14h00 – 14h30

Plinio Nastari (DATAGRO) – “O Potencial de geração de biometano no setor sucroalcooleiro Paulista”

14h30 – 15h00

Jorge De Lucas Júnior (Unesp Jaboticabal) – “Aproveitamento energético do biogás/biometano no meio rural” - (tbc)

15h00 –15h30

Marcio Schittini (Ecometano) – “Biogás de aterro sanitário: Um case de sucesso”

15h30 – 16h00

Cristina Zuffo (SABESP) – “A importância do biogás de ETE no contexto do saneamento”

16h00 – 16h30

Pedro Paixão (Cabot) – “Processo de limpeza do biogás

16h30 – 16h50

Break

16h50 – 17h50

Mesa-redonda: DATAGRO,  Unesp, Ecometano, Sabesp e Cabot

17h50 – 18:00h

Encerramento

 

tbc: to be confirmed

 

Workshop discute a contribuição do biometano para aumentar a oferta de gás natural em São Paulo

Organizado pelo RCGI, evento reunirá representantes da academia, governo e empresas no dia 14 de setembro, em São Paulo

No dia 14 de setembro, o Centro de Pesquisa para Inovação em Gás Natural (“Research Centre for Gas Innovation” - RCGI na sigla em inglês) realizará, em São Paulo, um workshop para discutir as perspectivas de contribuição do biometano no aumento da oferta de gás natural no Estado de São Paulo. Estão previstas oito palestras seguidas de mesas-redondas, nas quais representantes da academia, governo e indústria discutirão desde produção, potencial de geração e aplicações, até marco regulatório.

Segundo a professora Suani Teixeira Coelho, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Bioenergia do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (GBIO/IEE/USP - www.iee.usp.br/gbio), o workshop integra as ações de uma pesquisa liderada por ela, referente ao projeto 27 do RCGI, intitulada “As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de gás natural em São Paulo”.

O projeto irá mapear a produção de biogás e biometano nos aterros sanitários, estações de tratamento de esgoto e de resíduos animais e agroindustriais em todo o Estado de São Paulo. Trata-se de um dos 29 projetos de pesquisa que vem sendo desenvolvidos no âmbito do RCGI – um centro de excelência que receberá R$ 100 milhões, da Fapesp e do BG-Shell, para desenvolver tecnologias, aplicações inovadoras e estudos sobre o emprego do gás natural. Saiba mais sobre a pesquisa neste link: http://bit.ly/2bJtzkZ

“O workshop será importante para trocarmos experiências e levantarmos os dados necessários mais rapidamente com o governo e a indústria”, afirma a professora. A proposta é finalizar o mapeamento dentro de um ano. “E partir disso, discutirmos a política de regulação e a parte econômica para a expansão do uso desta fonte de energia”.

Serviço: O workshop “As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de GN em SP” será realizado no dia 14 de setembro no Auditório do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da USP (Av. Professor Mello Moraes, 2463, Cidade Universitária, São Paulo). Inscrições limitadas pelo site: http://bit.ly/2bKhyfM. Veja abaixo a programação preliminar.

As perspectivas de contribuição do biometano para aumentar a oferta de GN em SP

8h30 - 09h00

Credenciamento

09h00 – 09h30 ABERTURA

Julio Meneghini (Diretor Acadêmico – RCGI – Escola Politécnica – Departamento de Engenharia Mecânica)

Suani Teixeira Coelho (Coordenadora do Projeto 27 RCGI – PPGE/IEE/USP)

Antônio Celso de Abreu Jr. (Sub Secretário de Energias Renováveis - Secretaria de Energia e Mineração de São Paulo) (tbc)

Ubirajara Sampaio de Campos (Sub Secretário de Petróleo e Gás - Secretaria de Energia e Mineração de São Paulo)

09h30 – 10h00

Carina Couto (Arsesp) – “Regulamentação Estadual para os usos finais do biometano” - (tbc)

10h00 – 10h30

Marcela Flores (ANP) – “Qualidade do biometano”

10h30 – 10h50

Break

10h50 – 11h20

Luis Costa (GIZ) – “Cenário regulatório do biometano na União Europeia”

11h20 - 12h20

Mesa-redonda: Arsesp; ANP e GIZ

12h20 - 14h00

Almoço

14h00 – 14h30

Plinio Nastari (DATAGRO) – “O Potencial de geração de biometano no setor sucroalcooleiro Paulista”

14h30 – 15h00

Jorge De Lucas Júnior (Unesp Jaboticabal) – “Aproveitamento energético do biogás/biometano no meio rural” - (tbc)

15h00 –15h30

Marcio Schittini (Ecometano) – “Biogás de aterro sanitário: Um case de sucesso”

15h30 – 16h00

Cristina Zuffo (SABESP) – “A importância do biogás de ETE no contexto do saneamento”

16h00 – 16h30

Pedro Paixão (Cabot) – “Processo de limpeza do biogás

16h30 – 16h50

Break

16h50 – 17h50

Mesa-redonda: DATAGRO,  Unesp, Ecometano, Sabesp e Cabot

17h50 – 18:00h

Encerramento

 

tbc: to be confirmed

 

Poli-USP divulga edital de processo seletivo para Pós-Graduação em Engenharia de Produção

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) abre inscrições, de 01/08 a 14/10/16, para o processo seletivo de ingresso nos cursos de Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Instituição. Com uma única área de concentração, o Programa possui cinco linhas de pesquisa: Economia da Produção e Engenharia Financeira (EPEF); Gestão de Operações e Logística (GOL); Gestão da Tecnologia da Informação (GTI); Qualidade e Engenharia do Produto (QEP); e Trabalho, Tecnologia e Organização (TTO).

O processo seletivo é dividido em duas fases eliminatórias. Na primeira, que acontecerá no dia 22 de outubro, os alunos serão submetidos a uma prova escrita, que será aplicada e avaliada pela Fundação Carlos Alberto Vanzolini (FCAV), sobre Engenharia de Produção. Os candidatos com melhor desempenho geral no exame participarão da segunda fase. Esta etapa, que ocorrerá no dia 16 de novembro, consiste em uma prova escrita e na avaliação do projeto de pesquisa dos candidatos pelos grupos de pesquisa do PPGEP.

A partir deste ano, poderá ser dispensado da primeira fase o candidato que apresentar o resultado obtido nos certificados internacionais Graduate Management Admission Test (GMAT) e Graduate Record Examination (GRE). Informações adicionais sobre os requisitos exigidos para a consideração da nota destes exames, outras formas de dispensa das provas do processo e participação de candidatos de fora do Brasil estão disponíveis no edital.

Os alunos aprovados no Programa poderão pleitear bolsas oferecidas por agências de fomento, dependendo da disponibilidade dessas.

O resultado final será divulgado no dia 30 de novembro, no site do PPGEP. As matrículas serão realizadas no início de 2017 (data a definir).

Datas das apresentações das linhas de pesquisa do PPGEP-USP 2016-17 e outras informações:http://ppgep.poli.usp.br/processo-seletivo

Edital: clique aqui

 

Sistema desenvolvido na Poli-USP aprimora análise de risco para investidores em energia renovável

Ao melhorar a aferição do risco, sistema mostra quando vale a pena investir na complementaridade entre usinas hídricas e eólicas

Um dos desafios do mercado de energia, especialmente as renováveis, é garantir que os investimentos sejam remunerados, diante da incerteza que é característica desse segmento, já que a produção está muito vinculada ao que acontece com o clima. Para ajudar no processo de tomada de decisão na compra e venda de usinas, e também na aquisição da energia em si, o engenheiro Luiz Armando Steinle Camargo desenvolveu, em seu doutorado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, um sistema que incorpora uma análise de risco mais precisa e possibilita que as empresas desenhem estratégias mais adequadas e garantam melhores retornos sobre suas operações comerciais e investimentos.

Sob orientação do professor Dorel Soares Ramos, do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétrica (PEA) da Poli, Camargo criou um sistema que pode ser usado por empresas que geram, comercializam ou consomem energia, especialmente para aquelas que operam no chamado mercado livre. Baseado em modelos matemáticos de otimização desenvolvidos para situações incertas, o sistema considera cenários de preços e geração, com probabilidades de ocorrência associadas a cada um desses cenários, avaliando o risco da operação, o elemento que impacta na decisão sobre quanto vai vender ou comprar de energia ou em qual empreendimento e quanto vai se investir.

“O mercado, hoje, costuma fazer avaliações com base no cálculo de probabilidade de cenários, tomando as decisões de investimento com base em uma média ou com simplificações em relação as incertezas sobre preço e geração”, explica. “Nosso sistema contempla os efeitos integrados dessas incertezas e seus impactos sobre as estratégias comerciais e consegue mostrar para o tomador de decisão até onde ele pode chegar, quanto de risco ele pode aceitar, ou permite o contrário: diante de um cenário de risco, o qual o investidor está disposto a correr, qual a melhor estratégia a ser adotada. ”

A inovação no sistema se encontra na adoção da Conditional Value-at-Risk (CVaR) como metodologia para avaliação de risco, utilizada como metodologia para estudos energéticos e formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), indicador semanal usado para valorar a energia comercializada no mercado de curto prazo de energia. “O CVaR permite uma melhor aferição de risco por representar a média dos piores cenários de resultados. Com esse diferencial, conseguimos desenvolver um sistema mais robusto de análise de operações comerciais e investimento”, aponta.

O modelo tem uma base geral, mas é customizado para cada caso. Dessa forma, pode ser utilizado pelas empresas por meio da contratação de serviços de consultoria ou por meio de projetos de pesquisa e desenvolvimento – as empresas de energia precisam investir um percentual de sua receita em P&D, segundo define a lei de concessão de exploração do setor.

Nesse caso, envolve atividades de pesquisa que aprimorem o sistema já existente, e a empresa pode absorver o modelo para seu sistema de análise de investimento e usá-lo no cotidiano de suas operações. “As versões customizadas dos modelos apresentados na tese tiveram aplicações em casos reais para grandes players do mercado, tanto geradores, quanto comercializadores e consumidores, mostrando grande aderência com a realidade do setor e contribuindo para tomada de decisões com maior assertividade”, ressalta.

Um dos focos do doutorado é a energia eólica, que tem recebido maior atenção no Brasil, e gera mais energia entre junho e novembro. Assim, atua de forma complementar à hidráulica, que gera mais energia entre os meses de dezembro e abril, época chuvosa. Camargo simulou o uso do sistema, ao analisar a associação entre um gerador hidráulico do Sudeste com três hipotéticas usinas eólicas nacionais: Morro do Chapéu (interior da Bahia); Coxilha Negra (interior do Rio Grande do Sul), e Macau (litoral do Rio Grande do Norte). Concluída a análise, usando seu sistema, ele apontou que a combinação ideal, em termos de resultados financeiros e geração de energia, é a associação entre a hidráulica e a usina de Morro do Chapéu e Coxilha Negra. A usina Macau apresentou menor complementaridade e maior risco no case apresentado.

Ao tornar o sistema de análise de risco mais preciso, consegue-se um efeito positivo não só para investidores, mas para a sociedade, que é tornar os investimentos em energia eólica mais atrativos, incentivando, assim a expansão de outro tipo de geração de energia sustentável. “Nosso sistema mostra que é possível desenvolver as eólicas em ambiente livre. Hoje, a grande maioria das eólicas que está sendo implantada no Brasil opera no mercado regulado”, afirma.

“Nesse mercado os riscos são menores para o investidor, mas é um ambiente mais competitivo, dos projetos habilitados no leilão, menos de 10% se viabilizam. E os demais?”, questiona “Com a pesquisa, apresento estratégias de negócios, de investimento, de negociação, de comercialização, de forma a mostrar que a eólica também é viável no mercado livre, o que é um incentivo a mais para o mercado investir nessa modalidade”, destaca.

Além dessa abordagem sobre fontes complementares, a tese também apresenta análises de precificação de contratos e estratégias comerciais para geradores e consumidores, tomando como racional a análise do risco envolvido nas operações. “Importante ressaltar que são apresentadas metodologias, com suporte do sistema desenvolvido, que permite a análise robusta de situações usuais do setor”, finaliza.

***********************************

ATENDIMENTO À IMPRENSA

Acadêmica Agência de Comunicação – www.academica.jor.br

Érika Coradin – Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

(11) 5549-1863 / 5081-5237

 

Alunos da Poli-USP realizam semana temática sem custos para a Escola

Evento voltado à área de Engenharia Civil e Ambiental foi financiado inteiramente por patrocinadores

O Centro Acadêmico de Engenharia Civil e Ambiental da Escola Politécnica da USP está realizando, de 15 a 19 de agosto, a VI Semana Temática de Engenharia Civil e Ambiental - SeTEC, este ano com o tema "A Transposição de Limites na Engenharia". Durante a cerimônia de abertura, que contou com a presença do Vice-reitor da USP, Vahan Agopyan, o diretor da Poli, professor José Roberto Castilho Piqueira, ressaltou que é um orgulho para a sociedade ter alunos como os da Escola, especialmente os da comissão organizadora da SeTEC, que viabilizaram a realização do evento por meio de parcerias com empresas privadas, e por isso puderam abrir mão do apoio financeiro da diretoria. “Isso é um atestado de competência e honestidade. Aos jovens competentes e honestos que a Escola está formando, meus parabéns. Esta é uma atitude que revela o verdadeiro Espírito Politécnico. Num momento de crise de valores que o nosso país passa, nós temos aqui na Escola os valores preservados. Me orgulho profundamente de dirigir uma Escola de jovens tão sérios, competentes e honestos”.

A programação da semana proporciona aos alunos o contato com empresas e profissionais experientes por meio de visitas técnicas e palestras. A VI SeTEC iniciou com uma palestra sobre perspectivas para economia brasileira, ministrada por Maílson da Nobrega, ex-ministro da Fazenda no Governo Sarney. Já na terça-feira, o renomado arquiteto Ruy Ohtake falou, junto a outros convidados, sobre os desafios arquitetônicos como um estímulo à inovação.

Para outras informações, acesse o site pelo link http://www.setecpoli.com.br/programacao

 

Poli recebe delegação de universidade húngara

A direção da Escola Politécnica da USP recebeu, no dia 9 de agosto, representantes da Budapest University of Technology and Economics (BME). A delegação, composta pelo atual Reitor da BME, professor János Józsa, e pelo representante no Brasil da Hungarian Rectors' Conference, Dr. Balázs Vince Nagy, foi recebida pelo professor da Poli-USP e coordenador do Convênio de Cooperação BME-EPUSP, Paul Jean Etienne Jeszensky, e pelo diretor da Poli-USP, professor José Roberto Castilho Piqueira. O diretor falou aos visitantes sobre as áreas da engenharia em que Escola desenvolve pesquisas, e citou alguns projetos desenvolvidos pelos grupos da instituição.

O objetivo da visita foi a assinatura de um acordo, no âmbito da USP, que prevê inicialmente a possibilidade de intercâmbio de alunos de graduação, mas já aberto a outras formas de cooperação. “Estive na BME, à convite, em 2001, ministrando uma série de seminários para professores e alunos de pós-graduação. A ideia é estender a relação entre a BME e a EPUSP. Começamos com intercâmbio de alunos de graduação, pretendemos estender aos pós-graduação e também aos professores (visando pesquisas conjuntas), assim como, no futuro, propiciar uma dupla diplomação na graduação”, detalhou o professor Jeszensky. “O acordo está em vigor e já enviamos alunos para lá. Agora é trabalhar para atingir objetivos maiores”, concluiu.

Fotos da reunião.

 


Página 1 de 11