Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Poli-USP recebe delegação coreana

Poli-USP recebe delegação coreana

Seguindo o acordo tecnológico assinado entre os dois países em 2015, a visita serviu para discutir Engenharia.

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) recebeu, na última quarta-feira (07/06), uma delegação coreana que incluía pesquisadores do Korea Research Institute for Vocational Education and Training (KRIVET), representantes do Ministério do Trabalho e do Serviço de Recursos Humanos da Coreia e assessores do consulado coreano no Brasil. A delegação foi recepcionada pelo professor e diretor da Poli, José Roberto Castilho Piqueira, e participou de uma reunião com o presidente da Comissão de Relações Internacionais (CRInt), professor Henrique Lindenberg Neto, a representante da Escola no Conselho Regional de Engenharia (CREA), professora Anna Luiza Marques Ayres da Silva, e o docente do Departamento de Engenharia Química (PQI), Song Won Park.

A reunião, realizada Prédio da Administração Central da Poli, teve como principal objetivo discutir a atual situação da Engenharia em ambos os países, atividade prevista no Memorando de Entendimento (MOU) assinado em 2015 entre os governos brasileiro e coreano. O Memorando trata de um acordo de cooperação e colaboração baseado na troca de conhecimento, ideias e atividades Brasil/Coreia, com o intuito de fomentar o diálogo e parcerias em diversos setores tecnológicos.

Tendo isso em vista, a delegação contatou a Escola para saber mais sobre a grade curricular dos cursos da Poli, os panoramas do mercado de trabalho para engenheiros no Brasil e as possibilidades que o país possui em mobilidade internacional de estudantes e profissionais, além de mostrar aos brasileiros como funciona a formação de um engenheiro na Coreia.

O evento se iniciou com breves apresentações dos presentes na mesa. Após isso, o professor Lindenberg falou sobre a história da Universidade, a estrutura da Poli, de seus cursos e dos acordos que a Escola possui com outras universidades ao redor do mundo. Nessa parte do encontro, ele lembrou a dificuldade que alguns estrangeiros encontram quando fazem o intercâmbio na USP, uma vez que a maioria das aulas é ministrada em português. Porém, destacou que a Poli possui programas de mobilidade em pesquisas oferecidas a esses alunos, em que as atividades desenvolvidas são em inglês.

O KRIVET também fez uma apresentação focada no intuito do encontro – a coleta de informações para os estudos da instituição a respeito de possíveis acordos na área de Engenharia entre os países –, e sobre como funciona o ensino na Coreia. Nesse país, os cursos de Engenharia possuem quatro anos de duração e, já com o diploma em mãos, os recém-formados devem se submeter a um teste teórico sobre Engenharia. Não é necessário passar na prova para exercer a profissão, mas eles garantem que esse é um grande diferencial para o currículo.

A professora Ayres esclareceu as dúvidas dos convidados a respeito do CREA. Ela explicou que o Conselho serve para reconhecer e qualificar os profissionais da área, e que, quando o aluno conclui a graduação em Engenharia, deve solicitar a permissão legal do órgão para exercer a profissão. Já Park se encarregou de traçar o panorama sobre o mercado de trabalho para Engenharia no país. Ele afirmou que, apesar de o país passar por uma crise econômica e financeira, os formados pela Escola são muito requisitados por uma demanda crescente de mão de obra qualificada no Brasil. A visita terminou com agradecimentos de ambos os lados.

(Amanda Panteri)