Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Brasil se mobiliza para formar cadeia produtiva de terras raras

Brasil se mobiliza para formar cadeia produtiva de terras raras

Evento da Poli-USP reunirá os players deste mercado para discutir a exploração, o processamento e a aplicação desses minérios.

 Apesar de o Brasil deter 17% das reservas mundiais de terras raras do mundo, perdendo apenas para a China, que possui 44%, o País não se destaca na produção desses minerais. Os chineses lideram esse mercado, com 85% da produção de óxidos de terras raras. O desafio de estruturar a cadeia produtiva no Brasil para explorar as reservas nacionais é tema do IV Seminário Brasileiro de Terras Raras, que será realizado nos dias 17 e 18 de outubro pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

Os dados sobre reservas e produção são da última edição do Sumário Mineral Brasileiro, produzido em 2015 pelo Departamento Nacional de Produção Mineral do Ministério de Minas e Energia (DNPM-MME). “Hoje participamos desse mercado como consumidores, mas agora estamos próximos de atuarmos como produtores, inicialmente no mercado interno”, aponta Fernando Landgraf, professor da Poli-USP e diretor do IPT, um dos principais pesquisadores brasileiros no tema.

Segundo Landgraf, o Brasil não explorou suas reservas até agora porque não conseguiu estruturar uma cadeia de produção completa, ‘da mina ao imã’. “Temos a competição da China, que, no momento, detém o monopólio desse mercado e controla os preços internacionais”, diz. O seminário pretende estreitar as relações de cooperação entre as instituições e as empresas para enfrentar esse desafio.

Terras raras compõem um grupo de 17 elementos químicos da série dos Lantanídeos, começando por lantânio (La) e terminando por lutécio (Lu), acrescidos do escândio (Sc) e do ítrio (Y), que apresentam comportamentos químicos similares. Estão presentes em mais de 250 espécies minerais conhecidas, mas somente em algumas delas ocorrem em concentração suficiente para justificar sua exploração.

Eles são utilizados na fabricação de imãs para motores miniaturizados e superimãs para turbinas para energia eólica, composição e polimentos de vidros e lentes especiais, catalisadores de automóveis, refino de petróleo, telas planas de televisores e monitores de computadores, ressonância magnética nuclear, cristais geradores de laser, e armas de precisão, entre outros. Embora haja muita pesquisa de novos materiais, não há substitutos eficientes para os diversos usos de terras raras.

Mobilização – Entre os destaques do seminário estão os relatos de empresas que já têm projetos de exploração de minas no Brasil, como CBMM, Mineração Serra Verde, Mineração Taboca e CMOC International. A CBMM, por exemplo, detém a mina com maior potencial para fornecer terras raras para o mercado local e internacional no curto prazo, pois já tem capacidade para produzir três mil toneladas anuais de concentrado.

Outras três companhias vão tratar da aplicação desses minérios: Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Fábrica Carioca de Catalisadores (FCC) e a Brats – empresa especializada na produção de pós metálicos por atomização a água e conformação de pós metálicos voltados para produtos porosos.

O seminário mostrará ainda as experiências de articulação entre os setores empresarial, acadêmico e governamental com foco na produção de terras raras no Brasil. Uma grande iniciativa nesse campo é o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) PATRIA – Processamento e Aplicações de Ímãs de Terras Raras para Indústria de Alta Tecnologia. Também está sendo constituído o Projeto Regina, que vai unir sete instituições alemãs e sete brasileiras para promover projetos de pesquisa que desenvolvam os vários aspectos da tecnologia em terras raras.

Já as estratégias de mercado em terras raras e de seus produtos serão apresentadas por pesquisadores de universidades federais como a Fluminense (UFF). Representantes do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), ABDI, CNPq e Fundação Certi, de Santa Catarina, vão discutir as oportunidades em relação a integração da cadeia produtiva.

Avanços tecnológicos – Também será possível conhecer projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tocados por entidades como o Centro de Tecnologia Mineral (Cetem), o Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), a Poli-USP, o IPT, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Instituto Nacional de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).

O IPT, por exemplo, com apoio da Embrapii, CBMM, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), está desenvolvendo tecnologia para transformar o óxido de neodímio em metal neodímio. “É uma etapa na fabricação desse metal, de fundamental importância para a produção de superimã, utilizado, por exemplo, nas turbinas eólicas”, conta Landgraf.

A USP também tem um projeto em que estuda o controle de solidificação da liga de neodímio-ferro-boro, importante para viabilizar economicamente a produção de imãs. A UFSC e o IPT estão colaborando em um projeto de pesquisa sobre proteção contra corrosão.

Serviço: O IV Seminário Brasileiro de Terras Raras será realizado nos dias 17 e 18 de outubro, das 8h às 17h, no auditório Francisco Romeu Landi do prédio da Administração da Poli-USP (Av. Professor Luciano Gualberto, travessa 3, nº 380 – Cidade Universitária – Butantã – São Paulo). Confira a programação neste link: http://www.ipt.br/eventos/194-iv_seminario_brasileiro_de_terras_raras.htm

*******************************************

 

ATENDIMENTO À IMPRENSA:

Acadêmica Agência de Comunicação

Janaína Simões – Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Ângela Trabbold – Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Tel. (11) 5549-1863