Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Noite de celebração para os novos professores titulares da Poli-USP

Noite de celebração para os novos professores titulares da Poli-USP

Egrégia Congregação da Escola recepcionou na noite desta quinta-feira (22/02) um grupo de dez docentes, em cerimônia que contou com o Coral da USP

Os dez novos professores titulares da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) foram homenageados na noite de ontem (22/02) em uma sessão solene da Egrégia Congregação. Marcada por momentos de emoção, descontração e bom humor, a cerimônia foi realizada no Auditório do Prédio da Administração da instituição, e terminou com uma apresentação do Coral da USP e um coquetel oferecido aos participantes, a maioria familiares e amigos. (Confira no álbum da Poli no Flickr as fotos do evento.)

Assumiram a posição de professor titular os seguintes docentes: Eduardo Aoun Tannuri, Fernando José Gomes Landgraf, Galo Antonio Carrillo Le Roux, João Francisco Justo Filho, José Tadeu Balbo, Marly Monteiro de Carvalho, Pedro de Alcântara Pessoa Filho, Raúl Gonzalez Lima, Roque Passos Piveli e Vanderley Moacyr John. Ocupar o cargo de professor titular significa alcançar o topo da carreira docente na universidade.

“Esses são os melhores entre os melhores. Parabéns”, cumprimentou o professor José Roberto Castilho Piqueira, diretor da Poli, ao abrir a cerimônia, logo após os homenageados terem sido conduzidos ao auditório pelo professor titular e decano da Congregação, Lucas Antonio Moscato. A seguir, a assistente Técnico Acadêmica da Poli-USP, Márcia Costa Pinto Barros, leu o Termo de Posse dos novos titulares.

Noite de bom humor e revelações – Em uma apresentação descontraída e bem humorada, a professora Liedi Legi Bariani Bernucci, escolhida pela Diretoria para fazer a saudação em nome da Congregação, ressaltou a trajetória profissional de cada um dos professores titulares. Antecipando que iria alterar um pouco o protocolo, ela comentou que não se aprofundaria muito nos dados curriculares. “Os méritos acadêmicos de cada um deles foram exaustivamente testados e comprovados ao longo do concurso para professor titular”, disse.

Ela, então, inverteu a ordem do discurso, “para fazer um suspense”, como ela mesma afirmou, brincando. Primeiro, Bernucci pontuou alguns fatos relevantes das carreiras, inserindo depois informações mais pessoais nas saudações feitas a cada um dos docentes. Só depois revelava os nomes, promovendo uma espécie de jogo de adivinhação.

Dessa forma, além de todos conhecerem mais detalhes das carreiras de cada um dos novos titulares, ficaram sabendo fatos curiosos a respeito dos professores. Ela contou, por exemplo, que o professor Roque Piveli era um grande torcedor do Paulistano de São Roque, time de futebol que desapareceu diante da falta de resultados; ele migrou sua simpatia para o São Bento de Sorocaba, uma influência direta do diretor da Poli, professor Piqueira, que é torcedor desse time.Ela também comentou que o professor José Tadeu Balbo tem como o hobby a arte da culinária, montou um estúdio em casa, por causa de sua paixão pela música, e gosta de admirar o céu com seu telescópio.

Ela leu ainda um trecho de uma reportagem da revista Superinteressante em que o professor Eduardo Tannuri, então na graduação da Poli, foi destacado por seu perfil de cientista e pela sua alta média na Escola. Outra revelação envolveu o professor Fernando Landgraf. Ele é um estudioso da História da Metalurgia e desenvolveu um interessante hobby: ‘caçar’ cercas e portões antigos para reunir material para sua pesquisa. Bernucci também leu um depoimento dado pelo reitor da USP e professor do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli, Vahan Agopyan, sobre o professor Vanderley John. Ambos são amigos há mais de 30 anos.

A professora terminou sua fala com uma observação que ouviu do diretor, professor Piqueira: “dos dez novos titulares, seis fizeram graduação fora da Poli. Ou seja, além de termos os melhores professores, a Poli coleta os melhores das demais Escolas [de Engenharia]”.

Uma reflexão sobre os alunos do futuro – A seguir, a professora Marly Monteiro de Carvalho, falou em nome dos novos titulares. Única representante do sexo feminino do grupo, fez um discurso emocionado e pontuado por uma reflexão sobre a evolução da inserção de mulheres, negros e pessoas vindas de classes de menor renda. “Quando entrei na Poli, 3.3% da turma era de mulheres, não havia negros e poucos eram de escola pública. Décadas depois, vejo o vídeo de nossas alunas que viralizou na internet e isso mostra que o cenário mudou pouco”, afirmou.

Ela pediu para que os professores imaginassem como seria a sala de aula de Engenharia do futuro. “Todos devem ter pensado que não podemos abrir mão do mérito, mas, além disso, gostaria de ver nessa sala um perfil de alunos bastante diversos. Gostaria de trazer a complexidade da diferenças para as mesas de projetos”, acrescentou.

Ela destacou também que o professor, nessa sala de aula do futuro, não terá o mesmo papel que exerce hoje. “Vejo mudanças vertiginosas no jeito de ensinar”, pontuou ela, enumerando as habilidades que deverão ser desenvolvidas pelos estudantes em salas de aula como a capacidade de se comunicar bem e trabalhar em grupo, de desenvolver o pensamento crítico e inovador e o comportamento empreededor. “Mas, sobretudo, vejo a sala do futuro povoada de alunos brilhantes”, afirmou.

Por fim, coube ao professor emérito Kokei Uehara, convidado a participar da mesa da solenidade, fazer a entrega da placa comemorativa a cada um dos titulares. A seguir, o Coral da USP apresentou um total de sete peças, que incluíram composições nacionais e internacionais, como “Chovendo na Roseira”, de Tom Jobim, e “Jesu, Meine Freunde”, de Johann Sebastian Bach.

Encerrando a celebração, o diretor da Poli ressaltou o brilhantismo dos professores titulares homenageados. “Temos aqui pessoas de áreas diversas: Engenharia de Alimentos, Termodinâmica, Saneamento, Bioengenharia, Transportes, Robótica e Simulação, Nanotecnologia, Metalurgia, Engenharia de odução Sustentabilidade. São as contribuições que a Escola Politécnica dá para a sociedade desde 1893. Ao longo de sua história, essa Escola sempre primou pela excelência do trabalho que se realiza aqui”, finalizou. 

Última atualização em Sex, 23 de Fevereiro de 2018 18:57