Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Contato com universidades melhora desempenho brasileiro em olimpíadas internacionais de física

Contato com universidades melhora desempenho brasileiro em olimpíadas internacionais de física

Apoio de  instituições de ensino superior tem ajudado na melhoria do desempenho da equipe de jovens que representam o Brasil nas competições

Todos os anos a Olimpíada Brasileira de Física inicia com aproximadamente 400 mil estudantes de Ensino Fundamental e Médio de todo o País. São realizadas três fases de provas, primeiramente nos estados de origem, e ao final em São Paulo, nas quais são selecionados os 14 estudantes que representarão o Brasil em três competições internacionais: a International Physics Olympiad (Ipho), a European Physics Olympiad (EuPhO) e a Olimpíada Ibero Americana de Física (OIbF).

Os 14 estudantes selecionados passam por treinamentos intensivos em instituições de pesquisas e ensino superior como a Escola Politécnica da USP (Poli-USP), os Institutos de Física da USP e da Unicamp, o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

O coordenador do Comitê de Seleção Olímpica Internacional da Sociedade Brasileira de Física, professor Munemasa Machida, do Instituto de Física da Unicamp, explica que as aulas dos ensinos fundamental e médio brasileiro não contemplam a prática de física experimental, e nas olimpíadas internacionais isto corresponde a 40% da nota total. Ele conta que, embora muitas das escolas de origem dos selecionados tenham esta parte como estudo paralelo, a prática experimental ainda é muito abaixo do nível esperado. “Os treinamentos intensivos têm ajudado muito na formação e competitividade dos nossos estudantes, obtendo nos dois últimos anos consecutivas melhorias de resultados em todas as participações do Brasil nas Olimpíadas Internacionais. E isto só foi possível com o apoio tão dedicado dos nossos professores das universidades e centros de pesquisa participantes”, ressalta. Toda essa cooperação entre as instituições tem dado resultados positivos. Nos últimos dois anos, a equipe brasileira conseguiu melhorar seu desempenho, trazendo três medalhas de ouro e duas de bronze da competição realizada na Indonésia.

Contribuições da Poli

A Poli tem sido o local de prova para os estudantes nos últimos dois anos, realizando a seletiva final ao longo de três dias. A prova experimental é idealizada, executada e corrigida por professores da Escola.

Os estudantes passam por treinamentos para ampliar os conhecimentos e técnicas em componentes e circuitos elétricos, e manuseio de equipamentos eletro-eletrônicos, relata o professor do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos, Antonio Carlos Seabra. Os treinamentos previstos deste ano na Escola Politécnica deverão ser entre os dias 26 a 29 de junho próximo.