Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Chef do Bar da Dona Onça discute a revitalização do centro de São Paulo em palestra na Poli-USP

Chef do Bar da Dona Onça discute a revitalização do centro de São Paulo em palestra na Poli-USP

No dia 14 de setembro, a proprietária do Bar da Dona Onça, Janaina Rueda, proferiu uma palestra para os alunos da disciplina “PRO3585 – Engenharia de Projetos Complexos do Desenvolvimento Brasileiro”, do curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, ministrada pelos professores Mauro Zilbovicius e Roberto Marx.

O objetivo da disciplina é desafiar os alunos a, em grupos, oferecer soluções para problemas multidimensionais que afetam cidades, o país ou alguma de suas regiões. Em anos anteriores a Mobilidade Urbana, o SUS, o HU (Hospital Universitário da USP) foram escolhidos como temas. Para 2018 o tema geral é “Revitalização do Centro da Cidade de SP”. Os grupos recebem diferentes desafios relacionados a este assunto e, através de metodologia ensinada no curso, apresentam, ao final, a uma banca de professores e profissionais, os seus resultados.

Nascida e criada no centro da cidade de São Paulo, Janaina Rueda conta que escolheu montar o seu restaurante nesta região, pois tem muito conhecimento sobre o local e tinha a intenção de promover melhorias e incentivar a revitalização de seu entorno.

Durante a palestra, questionada sobre a dificuldade de manter um estabelecimento em uma área comercialmente desvalorizada e com problemas relacionados à segurança, Janaina respondeu que o segredo é conhecer as dificuldades do local e saber conviver com elas, buscando sempre manter a identidade histórica do centro. Além disso, para a empreendedora, é importante atrair o público da região como também tentar despertar o interesse de outros que não frequentam aquela área.

Por fim, a chef relatou que o grande diferencial de seu restaurante é que os ingredientes utilizados para a preparação dos alimentos são todos frescos e comprados de pequenos produtores da região central. Ela acredita que esta é uma das formas que as pessoas têm de incentivar o desenvolvimento do centro de São Paulo e respeitar a sua essência.