Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Alunos da Poli ficam em 2º lugar em competição internacional de carrinhos autoguiados

Alunos da Poli ficam em 2º lugar em competição internacional de carrinhos autoguiados

Freescale Cup reuniu estudantes vencedores de competições locais de países como México, Índia, China e Estados Unidos

Uma equipe de alunos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ficou em 2º lugar na competição mundial Freescale Cup Race, realizada entre 17 e 20 de junho de 2012, em San Antonio, TEXAS. A competição é realizada pela Freescale, empresa desenvolvedora de hardware e segunda maior fabricante de microcontroladores do mundo, e envolve estudantes de universidades de todo o mundo. As equipes devem desenvolver carrinhos autoguiados, ou seja, um carrinho capaz de seguir a linha que demarca a pista sem comandos externos durante a corrida. O carrinho que completar o circuito em menos tempo, sem comandos durante a corrida, vence a prova.

A equipe dos alunos Halph Macedo Fraulob, Marcos Cesar Voltoni e Daniel Cavallari Gonçalves, estudantes de Engenharia Elétrica com Ênfase em Sistemas Eletrônicos da Poli/USP, orientada pelo professor Marco Alayo, do departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Poli, com a colaboração do pesquisador Gustavo Rehder, e dos técnicos Luiz Medaglia e Adriano, ficou em 1º lugar na edição nacional da Freescale Cup, em 2011, e ganhou o direito de participar da edição mundial da competição, ficando então com a 2ª colocação.

Daniel Cavallari Gonçalves, 22 anos, comenta que a competição foi uma oportunidade sem igual. “Pudemos não só aprender muito com a confecção do projeto e com a competição em si, como tivemos contato com várias culturas diferentes através dos times e dos representantes da Freescale, como também tivemos contato com tecnologia de ponta na frente de eletrônica através da convenção na qual ocorreu a competição; somos muito sortudos de termos tido essa oportunidade”, ressalta o futuro engenheiro.

A participação da Escola Politécnica na competição foi motivada por uma competição interna, a PSI Race, entre alunos do 3º ano de Engenharia Elétrica com Ênfase em Sistemas Eletrônicos. Em uma disciplina oferecida pelo Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos, os estudantes utilizam seus conhecimentos para construir um carrinho autoguiado, capaz de seguir a linha da pista sem comandos externos. O objetivo da disciplina, criada em 2006, era trazer uma atividade prática para os alunos, como explica o Prof. Dr. Marco Alayo, coordenador do curso de graduação desta área: “Há cinco anos tentamos criar uma disciplina de projetos que envolvesse a montagem de um equipamento e a demonstração de seu funcionamento utilizando todos os conhecimentos adquiridos pelo aluno. Queríamos ter uma disciplina assim em todos os anos do curso, culminando no projeto de formatura. Para o 3º ano, optamos por propor o desenvolvimento de um carrinho autoguiado, com a grande vantagem de ser uma atividade competitiva, que incentivaria ainda mais os alunos a se envolverem e se esforçarem na produção do produto”.

 

Em 2010, o Departamento recebeu contato da Freescale, que desejava realizar a primeira competição universitária no Brasil, que contou com a participação de 40 equipes de diferentes universidades nacionais.

Marcos Cesar Voltolini, 24 anos, membro da equipe vice-campeã, destaca que este projeto os ajudou a ter uma visão do que é um projeto de engenharia. “No papel tudo é possível, os recursos são ilimitados. Mas quando iniciamos o processo de tornar real o que estava apenas no papel percebemos que nem tudo é possível. Limitações existem e se faz necessário lidar com situações que não havíamos nos preocupado. Percebemos que um projeto simples, mas com limitações conhecidas, e bem testado é muito mais confiável que um projeto complexo pouco testado e cujas limitações não são conhecidas. Percebi desta forma que um bom projeto de engenharia necessita de muitos testes e simulações, por mais simples que ele seja”, explicou Marcos.