Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Nível do Mar: Impactos da variação climática nas obras de engenharia portuária e costeira

Nível do Mar: Impactos da variação climática nas obras de engenharia portuária e costeira

Pesquisa da Poli/USP identifica os impactos da variação
climática nas obras de engenharia portuária e costeira.


Uma aceleração do aumento do nível médio do mar nas últimas décadas, com ondas maiores e aumento da frequência de tempestades. Essas foram as principais constatações de um extenso levantamento de dados das marés em 13 em localidades da costa brasileira, realizado pelo professor Paolo Alfredini, do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental (PHD), da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. O estudo também identificou os impactos desses fenômenos sobre as estruturas portuárias, costeiras e estuarinas. Entre os principais estão a redução de borda livre de cais (espaço entre o piso do cais e a superfície da água), aumento de inundações em pátios e vias portuárias, e aumento das dragagens.

Intitulado Impactos e adaptações das estruturas portuárias e costeiras num cenário de mudanças climáticas globais, o trabalho teve como objetivo identificar os impactos costeiros e estuarinos ligados à variabilidade do clima, de ondas e de marés, que vem ocorrendo nas últimas décadas e como eles afetam as obras de engenharia portuária e costeira. “Essa identificação possibilitará a indicação de obras de adaptação ou mitigação para o enfrentamento desta nova realidade”, explica Alfredini. “Deste modo, torna-se possível buscar a quantificação de cada processo na região de interesse, facilitando a conclusão das medidas de engenharia a serem planejadas no futuro próximo.” Entre essas medidas estão o aumento de largura de canais de acesso portuários e dos volumes de dragagem dos portos.

De acordo com ele, foi realizada uma extensiva coleta das bases de dados maregráficos de um longo período na costa brasileira, que em alguns casos vai desde 1940 até os dias atuais. “As informações foram colhidas em localidades das Costas Sul (Rio Grande do sul ao Rio de Janeiro), Leste (Espírito Santo ao Rio Grande do Norte) e Norte (Rio Grande do Norte ao Pará) do Brasil”, conta. “Depois elas foram organizadas e sistematizadas, visando a obtenção das taxas de elevação do nível do mar e sua tendência recente.

Quanto às ondas, os dados estão sendo utilizados para calibrar e validar modelos meteorológicos globais localmente, permitindo a verificação das tendências desde a década de 1960.

Os dados de marégrafos de Ubatuba (SP), no período de 1954 a 2005, Ilha Fiscal (RJ), de 1963 a 2009, Recife (PE), de 1947 a 1987, e Belém (PA), de 1948 a 1987, por exemplo, apontam para uma elevação do nível médio do mar de 35 cm a 65 cm neste século. Vitória, cujo estudo abrangeu o período de 1979 a 1981, é considerada a área mais crítica, pois o aumento do nível do mar também colocaria cerca de 600 mil pessoas em áreas de risco. Já a projeção para a Baixada Santista (SP) é de um aumento de meio metro em cem anos.

Avanços da pesquisa – O trabalho do pesquisador da Poli é pioneiro no Brasil. “Ele começou em 2004, com projeto de um ano realizado com recursos do Banco Mundial, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente”, informa Alfredini. “Depois, o estudo ganhou grande impulso a partir de 2010 com recursos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio do Projeto Rede Litoral, no qual contamos com a colaboração de professores do Politecnico di Torino (Itália).”

A pedido da Secretária de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, a pesquisa caminha agora para mapear as adaptações necessárias nos portos brasileiros frente às mudanças climáticas. Para esta etapa, o estudo conta com recursos Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).