Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Escola Avançada de Engenharia Mecatrônica da Poli conclui atividades de 2015

Escola Avançada de Engenharia Mecatrônica da Poli conclui atividades de 2015

Alunos do ensino médio de várias partes do País passaram uma semana na USP. Estudaram as matérias introdutórias e desenvolveram um carrinho autoguiado.

Os 24 alunos participantes da nona edição da Escola Avançada de Engenharia Mecatrônica (EAEM) concluíram neste domingo (12/07) as atividades programadas para o evento, no qual alunos do ensino médio passaram uma semana na Poli assistindo as aulas introdutórias de Engenharia Mecatrônica e desenvolveram um projeto para aplicar os novos conhecimentos. A EAEM é uma atividade organizada pelos alunos que integram o Programa de Educação Tutorial (PET – Mecatrônica) e por professores do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

Oito meninas e dez alunos de escolas públicas se inscreveram na EAEM 2015. Havia estudantes de São Paulo (capital e interior) e de outros Estados, como Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Os alunos foram divididos em cinco equipes para desenvolver um protótipo de um veículo autônomo capaz de completar um percurso sem interferência humana. No sábado (11/07), eles apresentaram os projetos de carrinho autoguiado que desenvolveram para uma banca composta pelos professores do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos Diolino José dos Santos Filho, tutor do PET Mecatrônica, e Rafael Traldi Moura, e por Rodrigo Pereira Abou Rejaili, um dos estudantes da Poli que participou da organização da EAEM 2015.

A equipe que fez a melhor apresentação e conquistou o troféu dessa edição foi a Equipe Rat Trick. No domingo (12/07), as equipes colocaram os carrinhos para competir. O protótipo que cumpriu o percurso no menor tempo possível e venceu a corrida foi feito também pela Equipe Rat Trick, que conseguiu desenvolver um excelente projeto.

Durante a semana da EAEM, os alunos tiveram aulas teóricas sobre o que é Engenharia; Desenho Técnico; Resistência de Materiais; Elementos de Máquinas; Processos de Fabricação; sobre o microcontrolador Arduíno e PACA - sistemas que centralizam as informações e fazem os protótipos funcionarem - Computação; Sensores, que captam informações do meio ambiente e as transformam em sinais para que o sistema entenda e o protótipo se comporte como programado. Os alunos fizeram, então, todo o protótipo, desde os desenhos do projeto inicial até a usinagem, montagem, inserção dos sensores e programação.

As aulas teóricas deram aos estudantes o conhecimento e mostraram as ferramentas com as quais eles tinham de lidar para construir o projeto. “Um dos papéis do PET é refletir sobre como será a Poli do amanhã. Então, desenvolvemos com sucesso um projeto pedagógico exclusivo para a EAEM deste ano, baseado no conceito Project Based Learning, tornando a EAEM um piloto para mostrarmos como é essencial na formação do Engenheiro unir o contexto teórico e a aplicação desse conhecimento com a visão de desenvolvimento de projetos para solucionar os problemas da sociedade”, explica o professor Santos Filho.

As atividades da EAEM convenceram Felipe da Silva Pereira, que está no terceiro ano do curso de Técnico em Mecânica, a seguir na área. Depois de receber uma dica de um amigo pelo Facebook, ele se inscreveu e veio do Espírito Santo para participar das atividades da Semana. “Eu estava em dúvida entre Engenharia da Computação, Engenharia Mecânica e Engenharia Química. Minha professora de Matemática recomendou Engenharia Mecatrônica porque abrange praticamente tudo o que eu queria em só uma área”, contou. Ele participou das Olimpíadas de Robótica do ano passado, na qual ficou em sexto entre 32 concorrentes no Estado.

“Foi sensacional a semana que passei aqui. Os professores e monitores tiraram minhas dúvidas, disseram muitas coisas que me motivaram ainda mais a seguir Mecatrônica”, destacou o aluno. “Eu quero entrar na Poli e participar da ThunderRatz”, sorriu, já planejando integrar o time de Robótica da Poli.

Já a estudante do Rio Grande do Sul, Augusta Victória Saraiva, que está no terceiro ano do curso técnico Informática para Internet, decidiu que quer ser jornalista. Ela está fazendo o curso técnico porque acredita que os conhecimentos das áreas de Humanas precisam estar atrelados ao conteúdo mais técnico das Exatas para executar bem suas tarefas. Seu plano é trabalhar com jornalismo colaborativo. “A EAEM me incentivou ainda mais a procurar sempre pelo conhecimento técnico. Pude viver mais a fundo o que eu aprendo no colégio, foi uma oportunidade única”, completou. “Além disso, pude conviver com pessoas de várias partes do País que tinham o mesmo foco que eu, e me relacionar com os professores, monitores. Foi uma experiência que levarei para a vida toda”, finalizou.