Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Toma posse primeira vice-diretora da Escola Politécnica da USP

Toma posse primeira vice-diretora da Escola Politécnica da USP

Notícia recuperada de 29.4.2014

Professora Liedi Légi Bariani Bernucci atua na área de Infraestrutura de Transportes e é professora titular desde 2006

A professora Liedi Légi Bariani Bernucci tomou posse da vice-diretoria da Escola Politécnica da USP no dia 10 de abril de 2014, no auditório Professor Francisco Romeu Landi, no edifício Engenheiro Mário Covas Filho. Liedi Bernucci foi eleita em 28 de março de 2014 com expressivo número de votos, tendo recebido 118 votos de um colégio eleitoral de 220 pessoas no primeiro turno, e 148 votos de 196 votantes no segundo turno. A professora faz parte do corpo docente da Escola desde 1986, e atua na área de Infraestrutura de Transportes, como vias urbanas, rodovias, aeroportos e ferrovias.

Estiveram presentes na cerimônia autoridades, professores, alunos e funcionários da Escola, bem como os familiares da professora. Em seu discurso, Liedi ressaltou a importância de todas as contribuições da Escola para o desenvolvimento da sociedade ao longo dos seus 120 anos. “Nós, docentes, funcionários e alunos politécnicos, nos orgulhamos de nossa Escola. Da educação sólida que temos nessa instituição, das pesquisas científicas e tecnológicas, dos avanços de ponta e inovações para estendermos as fronteiras do conhecimento, das parcerias com empresas e indústria, onde damos uma contribuição importante, dos nossos acordos internacionais com destacadas instituições de ensino e pesquisa. Fazer parte desta instituição é uma honra. Fazer parte de sua diretoria uma distinção”, destacou a docente, que espera que a sua eleição represente uma abertura para uma maior participação feminina na vida da Escola.

O vice-reitor da USP e ex-diretor da Escola Politécnica, Vahan Agopyan, ressaltou a competência profissional da nova dirigente, lembrando que esta foi sua aluna inclusive no curso de graduação, em um período em que as mulheres ainda não tinham livre acesso aos canteiros de obra, como na construção do metrô, onde as visitas técnicas eram realizadas. Vahan Agopyan destacou a importância da presença feminina na Escola, e a superação deste tipo de preconceito, lembrando que, neste período, a construção da nova estrada Imigrantes, na década de 1990, foi liderada por uma engenheira. O vice-reitor da USP lembrou ainda que a universidade espera muito da gestão da Escola Politécnica, e, mais ainda, a USP precisa muito do apoio da Escola para cumprir esse novo desafio de rever a universidade, de discutir, remodelar e planejar uma nova universidade para o século XXI.

Sobre o futuro da Escola e de sua gestão, Liedi valorizou a tradição da Escola em educar alunos com uma formação teórica sólida e a modernidade em trabalhar com as mais atuais tecnologias. “Dentro deste espírito arrojado, a Escola esta trabalhando no detalhamento da nova estrutura curricular, mantendo sua sólida e histórica formação teórica, e permitindo amplificar as possibilidades e a liberdade de escolha de formação para os nossos alunos, de modo a ter um engenheiro que no futuro cumpra com o seu papel de buscar o bem da população, aumentar a riqueza da nação respeitando a natureza e colaborar com a diminuição das desigualdades sociais”.

O diretor da Escola Politécnica da USP, José Roberto Castilho Piqueira firmou em seu discurso o compromisso de trabalhar junto com a vice-diretora para enfrentar os desafios da Escola nos próximos quatro anos, como a busca por diferentes fontes de financiamento para as atividades acadêmicas e a revisão do estatuto da USP, da qual o diretor faz parte da comissão responsável. A professora Liedi Bernucci confirmou a importância da parceria. “Somos parceiros para enfrentar as dificuldades de recursos pelas quais a USP passa, para elevar seu nome pelo mérito. Vamos discutir e ajudar a traçar as diretrizes para governança da USP e a inclusão social”. 

Em um discurso emocionado, Liedi concluiu reconhecendo seus deveres e compromissos, bem como suas satisfações e privilégios. “De conviver com o conhecimento que sintetiza a beleza da criação, e de conviver com a juventude que retrata a alegria do cotidiano e a esperança das gerações futuras. Sozinho o homem pode fazer pouco. Conjuntamente, colegas e colaboradores, podemos fazer muito”. A professora encerrou seu discurso com poesia. “E com esta imagem e este sentimento finalizo minhas palavras tomando por empréstimo os dois versos finais de uma belíssima poesia, Inútil Paisagem, do grande maestro Antônio Carlos Jobim, ‘De que valem as flores que nascem pelos caminhos, se o meu caminho sozinho é nada, é nada’ ”.

A eleição

A eleição foi realizada em dois turnos. No primeiro, no qual participaram 220 pessoas de um colégio eleitoral de 271, a professora Liedi Légi Bariani Bernucci teve a votação mais expressiva, recebendo 118 votos. O professor Jorge Alberto Soares Tenório, chefe do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, recebeu 41 votos, e o professor Paulo Eigi Miyagi recebeu 38 votos. No segundo turno foram votados apenas os dois mais votados no primeiro. A professora Liedi Bernucci foi então a mais votada, tendo recebido 148 votos, de 196 votantes. O professor Jorge Alberto Soares Tenório, recebeu 43 votos. 

 

 

Toma posse primeira vice-diretora da Escola Politécnica da USP

Professora Liedi Légi Bariani Bernucci atua na área de Infraestrutura de Transportes e é professora titular desde 2006

 

A professora Liedi Légi Bariani Bernucci tomou posse da vice-diretoria da Escola Politécnica da USP no dia 10 de abril de 2014, no auditório Professor Francisco Romeu Landi, no edifício Engenheiro Mário Covas Filho. Liedi Bernucci foi eleita em 28 de março de 2014 com expressivo número de votos, tendo recebido 118 votos de um colégio eleitoral de 220 pessoas no primeiro turno, e 148 votos de 196 votantes no segundo turno. A professora faz parte do corpo docente da Escola desde 1986, e atua na área de Infraestrutura de Transportes, como vias urbanas, rodovias, aeroportos e ferrovias.

 

Estiveram presentes na cerimônia autoridades, professores, alunos e funcionários da Escola, bem como os familiares da professora. Em seu discurso, Liedi ressaltou a importância de todas as contribuições da Escola para o desenvolvimento da sociedade ao longo dos seus 120 anos. “Nós, docentes, funcionários e alunos politécnicos, nos orgulhamos de nossa Escola. Da educação sólida que temos nessa instituição, das pesquisas científicas e tecnológicas, dos avanços de ponta e inovações para estendermos as fronteiras do conhecimento, das parcerias com empresas e indústria, onde damos uma contribuição importante, dos nossos acordos internacionais com destacadas instituições de ensino e pesquisa. Fazer parte desta instituição é uma honra. Fazer parte de sua diretoria uma distinção”, destacou a docente, que espera que a sua eleição represente uma abertura para uma maior participação feminina na vida da Escola.

 

O vice-reitor da USP e ex-diretor da Escola Politécnica, Vahan Agopyan, ressaltou a competência profissional da nova dirigente, lembrando que esta foi sua aluna inclusive no curso de graduação, em um período em que as mulheres ainda não tinham livre acesso aos canteiros de obra, como na construção do metrô, onde as visitas técnicas eram realizadas. Vahan Agopyan destacou a importância da presença feminina na Escola, e a superação deste tipo de preconceito, lembrando que, neste período, a construção da nova estrada Imigrantes, na década de 1990, foi liderada por uma engenheira. O vice-reitor da USP lembrou ainda que a universidade espera muito da gestão da Escola Politécnica, e, mais ainda, a USP precisa muito do apoio da Escola para cumprir esse novo desafio de rever a universidade, de discutir, remodelar e planejar uma nova universidade para o século XXI.

 

Sobre o futuro da Escola e de sua gestão, Liedi valorizou a tradição da Escola em educar alunos com uma formação teórica sólida e a modernidade em trabalhar com as mais atuais tecnologias. “Dentro deste espírito arrojado, a Escola esta trabalhando no detalhamento da nova estrutura curricular, mantendo sua sólida e histórica formação teórica, e permitindo amplificar as possibilidades e a liberdade de escolha de formação para os nossos alunos, de modo a ter um engenheiro que no futuro cumpra com o seu papel de buscar o bem da população, aumentar a riqueza da nação respeitando a natureza e colaborar com a diminuição das desigualdades sociais”.

 

O diretor da Escola Politécnica da USP, José Roberto Castilho Piqueira firmou em seu discurso o compromisso de trabalhar junto com a vice-diretora para enfrentar os desafios da Escola nos próximos quatro anos, como a busca por diferentes fontes de financiamento para as atividades acadêmicas e a revisão do estatuto da USP, da qual o diretor faz parte da comissão responsável. A professora Liedi Bernucci confirmou a importância da parceria. “Somos parceiros para enfrentar as dificuldades de recursos pelas quais a USP passa, para elevar seu nome pelo mérito. Vamos discutir e ajudar a traçar as diretrizes para governança da USP e a inclusão social”.

 

Em um discurso emocionado, Liedi concluiu reconhecendo seus deveres e compromissos, bem como suas satisfações e privilégios. “De conviver com o conhecimento que sintetiza a beleza da criação, e de conviver com a juventude que retrata a alegria do cotidiano e a esperança das gerações futuras. Sozinho o homem pode fazer pouco. Conjuntamente, colegas e colaboradores, podemos fazer muito”. A professora encerrou seu discurso com poesia. “E com esta imagem e este sentimento finalizo minhas palavras tomando por empréstimo os dois versos finais de uma belíssima poesia, Inútil Paisagem, do grande maestro Antônio Carlos Jobim, ‘De que valem as flores que nascem pelos caminhos, se o meu caminho sozinho é nada, é nada’ ”.

 

A eleição

A eleição foi realizada em dois turnos. No primeiro, no qual participaram 220 pessoas de um colégio eleitoral de 271, a professora Liedi Légi Bariani Bernucci teve a votação mais expressiva, recebendo 118 votos. O professor Jorge Alberto Soares Tenório, chefe do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, recebeu 41 votos, e o professor Paulo Eigi Miyagi recebeu 38 votos. No segundo turno foram votados apenas os dois mais votados no primeiro. A professora Liedi Bernucci foi então a mais votada, tendo recebido 148 votos, de 196 votantes. O professor Jorge Alberto Soares Tenório, recebeu 43 votos.