Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Poli-USP abraça o desafio de melhorar a infraestrutura ferroviária brasileira

Poli-USP abraça o desafio de melhorar a infraestrutura ferroviária brasileira

A Escola Politécnica da USP realizou, na manha da sexta-feira, dia 15 de julho, o 1º Encontro Metroferroviário em Infraestrutura de Transportes, promovido pelo Laboratório de Tecnologia de Pavimentação da Escola com o apoio da Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) e da Vale. Ao longo da manhã, profissionais e acadêmicos apresentaram pesquisas e projetos desenvolvidos na área de transporte ferroviário. A vice-diretora da Poli-USP, professora Liedi Légi Bariani Bernucci, coordenou a mesa de abertura, que contou com a presença do presidente da Associação Brasileira de Indústria Ferroviária (ABIFER), Vicente Abate, e do engenheiro Plínio Assman, politécnico que entre outros importantes cargos foi Secretário de Transportes do Estado de São Paulo na gestão Mário Covas, e o primeiro presidente da Companhia do Metrô de São Paulo durante a construção e implantação da operação da primeira Linha de Metrô do Brasil.

A vice-diretora coordena o Laboratório de Tecnologia de Pavimentação há mais de 25 anos, e contou que a tecnologia ferroviária é um tema no qual seu grupo de pesquisa está se dedicando e assumiu o compromisso de desenvolver pesquisas na área de tecnologia ferroviária a convite de Plínio Assman, já que, para ele, a Escola Politécnica precisa reagir à necessidade de ferrovias no país. “A primeira maneira que encontramos é apresentar os trabalhos que temos feito nesta área, voltados às ferrovias, e procurar com essas pessoas e com vocês fazer um movimento nacional pela infraestrutura de transportes brasileiros no modo ferroviário”, explicou a professora ao público do evento, de mais de 60 pessoas. “Espero que se torne habitual apresentarmos para a comunidade o que temos feito, e trazer convidados”.

Plínio Assman classificou o desenvolvimento das tecnologias em transporte ferroviárias como uma enorme tarefa que o Brasil tem pela frente, e ressaltou ver com alegria esta primeira reunião promovida pela Poli. Segundo o engenheiro, o país é o quinto maior do mundo em território, e é o que menos o ocupou. “A condição de ocupar esse território no mundo globalizado atual é uma oportunidade gigantesca que o Brasil tem, e só o Brasil tem”. Ele lembrou que a FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura, estima que para 2050, 40% da alimentação do mundo virá do Brasil. “Quem ocupou o território no Brasil, e o único que o fez, foi Estado de São Paulo. No início do século XX, São Paulo tinha oito ferrovias e isso permitiu a ocupação do território e daí a riqueza do Estado”.

Assman afirmou que um desafio gigantesco se desenha, que será a ocupação da região norte do Brasil. O engenheiro explicou que devido ao clima tropical brasileiro, a produção agrícola intensa é capaz de alimentar o mundo, e que a Embrapa definiu que a área dos estados da Bahia, Tocantins, Maranhão e Piauí, tem solo e clima para o desenvolvimento do agronegócio em massa. “Essa é a questão que temos de resolver daqui para frente. O desafio é grande. O mundo está precisando desses alimentos”, concluiu. Para o engenheiro, é necessário que haja competência técnica para lidar com esses desafios.

O professor Jorge Pimentel Cintra, vice-chefe do Departamento de Engenharia de Transportes da Poli, ressaltou que sempre foi um desejo do departamento a dedicação aos estudos sobre tecnologias ferroviárias. Por fim, Liedi lembrou que a Escola Politécnica, fundada em 1893, contribuiu notavelmente, durante o transcorrer de sua história, para o desenvolvimento e consolidação da tecnologia nacional nessa área e que, seguindo os passos de seu fundador, o professor Antônio Francisco de Paula Sousa, que acreditava que a academia precisa apoiar a indústria e o desenvolvimento sustentável do estado e do país.