Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Pesquisa revela quais bairros da cidade são de fato mais afetados pela poluição de veículos de carga

Pesquisa revela quais bairros da cidade são de fato mais afetados pela poluição de veículos de carga

Realizada na Poli-USP, metodologia dá detalhes que os dados da Cetesb não fornecem. Também indica quais dias e horários há picos de poluição 

Os bairros de Santana e Freguesia do Ó (Zona Norte), o eixo da Avenida Jacu-Pêssego/Nova Trabalhadores (Zona Leste), o Ceagesp (Zona Oeste), o Parque Dom Pedro (Centro), a Marginal Tietê e o trecho sul do Rodoanel são as áreas que, de fato, concentram os maiores volumes de gases poluentes emitidos por veículos de carga na Capital. É o que mostra uma pesquisa feita pela geógrafa e mestre em Engenharia de Transportes Mariana Lage, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

É a primeira vez que uma pesquisa consegue determinar, pontualmente, quais bairros e vias são mais afetados pela poluição desses veículos. Hoje, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) faz medições em 16 grandes regiões da Capital, cujos resultados são extrapolados para as localidades vizinhas. “Enquanto que em uma sexta-feira o mapa da Cetesb apontava qualidade ruim para toda a região de Itaquera, minha pesquisa demonstrou que o pior índice se concentrava no eixo da Jacu-Pêssego/Avenida dos Trabalhadores e não em toda região”, exemplifica a pesquisadora (Veja mapas comparativos).

Para a pesquisa, Mariana Lage trabalhou com dados de trânsito referentes a um período de cinco dias úteis, de outubro de 2014. “Usando ferramentas específicas para as análises espaciais, localizei as edificações comerciais e identifiquei as áreas com maior ou menor frequência de caminhões para definir aquelas que teriam maior concentração de poluentes”, conta. A localização dos estabelecimentos comerciais de São Paulo foi levantada a partir de dados do Centro de Estudos da Metrópole (CEM). Já as informações sobre a circulação de caminhões vieram do sistema GPS usado pelo serviço MapLink.

O trabalho, que teve a orientação do professor José Alberto Quintanilha, do Departamento Engenharia de Transportes (PTR) da Poli, possibilitou a criação de uma metodologia capaz de pontuar não só os locais com maior concentração de poluentes, mas também determinar em quais dias e horários há picos de poluição. “Em uma terça-feira, por exemplo, constatei que o pico de poluição ocorria à noite e não de dia, provavelmente por se tratar de um período em que não há restrição para a entrada de caminhões na cidade”, explica.

Embora a metodologia não leve em consideração o tipo de poluente ou de caminhão, trata-se de uma ferramenta valiosa para o planejamento de políticas públicas que possam reduzir o impacto da poluição na saúde dos moradores e frequentadores dessas áreas. “Com base nesses dados, é possível fazer alterações de rotas e ajustes nos horários de permissão de trânsito para veículos de carga. Indo além, pode-se até fazer filtragem por tipo de comércio, horários e dias da semana que merecem intervenções”, finaliza.

***********************************

ATENDIMENTO À IMPRENSA

Acadêmica Agência de Comunicação – www.academica.jor.br

Érika Coradin – Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

(11) 5549-1863 / 5081-5237