Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias RCGI inaugura laboratório para diagnóstico óptico de combustão

RCGI inaugura laboratório para diagnóstico óptico de combustão

Concebido como um equipamento multiusuário, o local é uma das estruturas mais avançadas da América Latina para diagnóstico de combustão usando técnicas laser

Já está em operação o Laboratório de Diagnóstico Avançado de Combustão, no prédio da Engenharia Mecânica e Naval da Escola Politécnica da USP (Poli-USP). O laboratório é parte das instalações do Fapesp Shell Research Centre for Gas Innovation (RCGI). Trata-se de um equipamento multiusuário que funcionará nos moldes do programa EMU da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), e que pode ser compartilhado por pesquisadores de outras instituições de pesquisa, públicas ou privadas.

“É um laboratório de ponta para diagnóstico de combustão utilizando-se técnicas ópticas, um equipamento único no Brasil, em âmbito universitário, com essa configuração e esses padrões de segurança. A ideia é que essa estrutura esteja disponível para os interessados em estudar processos de combustão, não só da comunidade da USP, mas de outras universidades do Estado de São Paulo e de fora dele”, afirma o professor Guenther Carlos Krieger Filho, coordenador do laboratório.

Ele ressalta que é uma das estruturas mais avançadas da América Latina para diagnóstico de combustão usando técnicas de laser. “Nossos principais objetivos são com uso de técnicas de laser, caracterizar fluxos reativos e fornecer medições experimentais para validar simulações numéricas. Estamos aptos, por exemplo, a caracterizar injetores automotivos, queimadores industriais, a investigar a estabilidade de processos de combustão... E também a desenvolver sistemas de combustão mais eficientes, que emitam menos poluentes. Isso, é claro, em escala laboratorial.”

O local é abastecido com vários tipos de gás: metano, GLP, hidrogênio, oxigênio, dióxido de carbono e nitrogênio. Os cilindros de gases ficam isolados do lado de fora do laboratório, em estruturas de alvenaria protegidas por grades. De cada uma delas sai um duto que conduz o gás até a sala onde acontecem os experimentos. “Mais tarde, se quisermos, poderemos também ter linhas de combustíveis líquidos, como etanol e gasolina”, adianta Krieger.

Na sala, além de queimadores, há diferentes tipos de laser para mensurar variáveis como diâmetro e velocidade de gotas, velocidade de escoamento do combustível e formação de radicais OH. “Os equipamentos serão operados pelos alunos de pós-doutorado, mestrado e doutorado e com participação de alunos de graduação também. No momento, nossa equipe, ligada a um dos projetos ao projeto número 2 do RCGI, está elaborando protocolos padrão de segurança para a entrada em operação do laboratório, que conta com sistema automatizado da segurança e controle, incluindo quatro sensores, sendo três para detectar vazamentos de mistura combustível e um para controle dos níveis de oxigênio”, diz Krieger.  

De acordo com o professor, o laboratório terá condições de fornecer suporte para três outros projetos do RCGI: o de número 1 (Desenvolvimento de um Queimador Avançado de Gás Natural Usando o Conceito Oxy-chama); o projeto 3 (Sistemas Avançados de Combustão de Misturas Gasosas e Diesel para Motores de Combustão Interna que Minimizem Emissão de Metano) e o projeto 11 (Desenvolvimento de um Queimador Avançado de Gás Natural Utilizando-se o Conceito de Combustão Sem Chama).

Os pesquisadores interessados em utilizar o laboratório devem entrar em contato com Romi ou Lúcia, na secretaria do RCGI (55 11 3091-5646).

Sobre o RCGI: O RCGI – Fapesp-Shell Research Centre for Gas Innovation realiza pesquisas de classe mundial para desenvolver produtos e processos inovadores, e estudos que viabilizem a expansão do uso do gás no Brasil de forma sustentável. Atualmente, o RCGI reúne cerca de 150 pesquisadores que desenvolvem 29 projetos de pesquisa em três programas: Engenharia, Físico/Química e Políticas de Energia e Economia. Recentemente, foi aprovado um novo programa focado em captura e armazenamento de carbono. Sediado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, na capital paulista, o RCGI é financiado com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e da empresa Shell. Mais informações: http://www.rcgi.poli.usp.br/pt-br/

**********************

ATENDIMENTO A IMPRENSA

Acadêmica Agência de Comunicação

Angela Trabbold – Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

(11) 5549-1863 / 50815237