Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Comunicação Notícias Arquivo de notícias Aluno da Poli propõe novo método para medir carbonatação, no controle de qualidade do concreto

Aluno da Poli propõe novo método para medir carbonatação, no controle de qualidade do concreto

O trabalho de iniciação científica recebeu o Prêmio Brasil de Engenharia 2010,
na categoria Graduação – área temática Construção Sustentável

Um trabalho de iniciação científica, realizado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), resultou num novo método para o controle da qualidade do concreto, por meio da análise de imagens. O autor é o aluno Dyetry Amaral de Miranda, do 3º ano do curso de Engenharia Civil da Poli. Intitulado “Monitoração de propriedades físicas de concretos estruturais em envelhecimento acelerado”, o estudo está integrado à dissertação de mestrado da engenheira Daniele Maria Pilla Junqueira Cafange, orientada pela professora Sílvia Maria de Souza Selmo, do Departamento de Engenharia Civil.

O que Dyetry e Daniele fizeram foi monitorar a evolução da carbonatação dos concretos por meio da análise de imagens, em três métodos acelerados de envelhecimento, e verificar as diferenças de correlação com as demais propriedades físicas, em relação ao método tradicional. De acordo com Sílvia Selmo, o projeto do estudante mostrou que é possível evoluir em medidas de controle de uma das alterações químicas do concreto, a carbonatação, que mais interferem na sua capacidade de proteger as armaduras de aço. Trata-se de um fenômeno que resulta de uma reação química com o dióxido de carbono do ar e dissolvido nos poros do concreto e que afeta o pH deste material e pode reduzir a durabilidade do aço comum nas estruturas, na presença simultânea de umidade.

Ainda segundo Sílvia Selmo, as pesquisas de Dyetry e Daniele estão inseridas em um projeto mais amplo, iniciado em 2008 por outro mestrado inovador, o do engenheiro Antônio Nereu Cavalcanti Filho; todos com o objetivo de aprimorar e investigar novos procedimentos de controle de produção do concreto estrutural. “O trabalho deles atende simultaneamente à carência experimental, no que diz respeito à predição e controle do comportamento físico do concreto, à contínua oferta de novos materiais para a sua fabricação e ao grande volume de produção mundial deste material”, diz ela.

No campo, em conjunto com os pesquisadores e técnicos envolvidos, Dyetry acompanhou a produção e a amostragem de um lote de concreto estrutural. Depois, pesquisou e testou procedimentos inéditos de análise de imagem, para monitorar a sua carbonatação no mesmo volume padrão do material que é hoje adotado para o controle da sua resistência mecânica.

Em sua pesquisa, Dyetry propôs e testou tanto o uso de um programa de análise de imagem de acesso livre na internet, quanto outro restrito e mais sofisticado, para o qual foi treinado por cooperação e supervisão direta do professor Henrique Khan, do Laboratório de Caracterização Tecnológica do Departamento de Engenharia de Minas e Petróleo da Poli. “A adequação da metodologia ficou evidente tanto pelas correlações obtidas com outras propriedades físicas e mecânicas das amostras, quanto por algumas análises estatísticas complementares”, diz Sílvia Selmo.

O trabalho de Dyetry vai além das análises e poderá ter aplicações práticas, pois envolveu estudo simultâneo de aceleração da hidratação do concreto, em temperatura amena, por método em estudo pela professora a partir de norma americana. Segundo a engenheira Daniele Cafange, o resultado dessas pesquisas é de grande interesse para tecnologistas de concreto, centrais dosadoras e laboratórios de controle tecnológico. “Para os tecnologistas, a nova metodologia trará maior confiabilidade na composição do concreto, com antecipação de problemas com resistência, por exemplo”, explica.

Para as centrais dosadoras, diz Daniele, melhorará a sua sustentabilidade e competitividade, pois irá aperfeiçoar a composição de seus concretos e ter maior velocidade em seus estudos e predição de problemas. Por fim, para os laboratórios de controle tecnológico permitirá que ofereçam um serviço diferenciado a seus clientes a curto prazo, já que terão respostas mais rápidas quanto às propriedades físicas e mecânicas do concreto.

Com seu trabalho de iniciação científica, Dyetry foi o vencedor do Prêmio Brasil de Engenharia 2010, na categoria Graduação – área temática Construção Sustentável. O que para ele servirá de estímulo. “O reconhecimento sempre é importante, por que é incentivo para dar continuidade ao projeto”, diz o aluno.  “Além disso, é bom para os estudantes como eu ver que podem realizar avanços importantes para a engenharia e a sociedade do País.”

PremioBrasilEngenharia2010

 

A equipe da pesquisa:

Da esq. para dir., Nalso, auxiliar de Serviços; os alunos de graduação Dyetry Miranda e Marcelo Mattar; o engenheiro Nereu Cavalcanti Filho, então aluno de pós-graduação; a engenheira Daniele Cafange, também mestranda na época; e a professora Silvia Selmo.