Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Notícias Suco de laranja de caixinha igual ao da fruta fresca

Suco de laranja de caixinha igual ao da fruta fresca

Processo desenvolvido pela Escola Politécnica/USP é uma
alternativa de investimento para produtores e cooperativas.

Suco de laranja pasteurizado com quase o mesmo sabor, aroma e aparência do suco fresco. É o que a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP) conseguiu obter a partir de uma pesquisa que aperfeiçoou o processo de pasteurização HTST (High Temperature Short Time) – método mais empregado pela indústria nacional de sucos. A inovação vai ao encontro de uma tendência mundial de consumo, caracterizada pelo aumento da procura por produtos prontos, mais saudáveis e naturais, e de vida longa.

No Brasil, o consumo de suco de laranja per capita é de 20 litros por ano, mas só pouco mais de 1 litro é referente ao suco pasteurizado. A maior parte do consumo ainda é de suco natural fresco. O consumidor brasileiro tende a rejeitar as alterações das características sensoriais causadas pelo processo de pasteurização.

Desenvolvido pelo Laboratório de Engenharia de Alimentos do Departamento de Engenharia Química da Poli, o suco de laranja minimamente processado – como é tecnicamente chamado – tem a vantagem de preservar 50% das características originais do suco por cerca de 34 dias sob refrigeração. A autora da pesquisa, a engenheira de alimentos Tatiana Beatris Tribess, explica que no processo de pasteurização do suco de laranja busca-se eliminar parcialmente os microrganismos e inativar uma enzima chamada pectinesterase, que seria responsável pela alteração do sabor, aroma e aparência do suco de laranja.

A pectinesterase tem resistência térmica maior que os microorganismos deteriorantes presentes no suco de laranja. Portanto, sua inativação é utilizada como parâmetro para se definir o tempo e a temperatura do processo de pasteurização. O problema é que quanto maior o tempo e a temperatura do processo, maiores serão as perdas sensoriais e nutricionais.

“Na pesquisa, contatamos que o pH do suco tem uma influência grande na inativação da pectinesterase”, afirma. “Quanto mais ácido o pH do suco, maior o efeito da temperatura na inativação da enzima”, completa. Outra constatação importante foi que após 15 segundos, não importa qual a temperatura, há uma fração de pectinesterase que nunca é inativada. Essas descobertas possibilitaram diminuir a temperatura e o tempo de pasteurização conforme o pH do suco, sem implicar em grandes perdas sensoriais, como mostraram os teste feitos com consumidores.

Mercado potencial - Segundo a coordenadora da pesquisa, a engenheira de alimentos Carmen Cecília Tadini, e docente da POLI, o suco de laranja minimamente processado pode ser uma alternativa vantajosa para a indústria exportadora. O Brasil produz 53% do suco de laranja consumido no mundo, sendo que 70% das 360 milhões de caixas de laranjas produzidas aqui são usadas na fabricação de suco concentrado congelado – quase totalmente voltado para exportação. O problema é que a demanda do suco concentrado está em queda e a do suco pasteurizado, em alta. “O Brasil contribui minimamente com o total de suco pasteurizado exportado no mundo, o que mostra que há um bom mercado a ser explorado”, afirma a pesquisadora.

Com relação ao mercado interno, o suco minimamente processado pode conquistar uma parcela de consumidores que não é atendida por nenhum fabricante. “O produto atende às expectativas do consumidor mais exigente, que rejeita as características sensoriais dos sucos de laranja existentes no mercado”, afirma.

Na sua avaliação, o suco de laranja minimamente processado também pode ser visto como um novo ramo de investimento para produtores de laranja ou pequenos investidores, já que o custo dos equipamentos e de sua implantação é baixo, quando comparado com o suco de laranja concentrado.

 

Siga a Poli no Facebook Siga a Poli no Flickr Siga a Poli no Twitter