Edital 56/2014 – Doutor PMI – “Lavra de Minas”

ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS VISANDO O PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR DOUTOR, NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS E DE PETRÓLEO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Edital – EP/Concursos – 056/2014

 

O Diretor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo torna público a todos os interessados que, de acordo com o decidido pela Congregação em sessão de 25/06/2014, estarão abertas, pelo prazo de 90 (noventa) dias, no período de 02/07/2014 a 29/09/2014, de segunda a sexta feira, das 9 às 11 ou das 14 às 16 horas, exceto feriados e pontos facultativos as inscrições ao concurso público de títulos e provas para o provimento de um cargo/claro nº 1231081, de Professor Doutor, em RDIDP, referência MS-3.1, salário R$ 9.184,94 (nove mil, cento e oitenta e quatro reais, e noventa e quatro centavos), junto ao Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo, com base na especialidade “Lavra de Minas”, que se regerá pelos artigos 44 a 48, do Regimento Interno da Escola Politécnica.

INSCRIÇÕES E DOCUMENTOS

  1. As      inscrições serão feitas no Serviço de Órgãos Colegiados e Concursos da      Escola Politécnica da USP, Avenida Professor Luciano Gualberto, 380 –      Travessa 3 – Edifício Engenheiro Mário Covas Júnior – térreo, e no ato da      inscrição, o candidato assinará um requerimento dirigido ao Diretor da      Escola Politécnica (formulário preenchido pelo Serviço de Órgãos      Colegiados e Concursos), acompanhado dos seguintes documentos:

I – memorial circunstanciado, em dez cópias, no qual sejam comprovados os trabalhos publicados, as atividades realizadas pertinentes ao concurso e as demais informações que permitam avaliação de seus méritos;

a)                       Comprobatórios (UMA VIA):

a-1. Entregar a documentação comprobatória do memorial acondicionada em pastas ou caixas, devidamente etiquetadas, com nome do candidato, número do edital e uma lista dos documentos nela contida; essa documentação será devolvida aos candidatos após a realização do concurso;

a-2. No caso de diplomas, certificados e atestados, deverão ser entregues cópias autenticadas ou cópias simples (os originais deverão ser apresentados na realização do concurso);

   a-3. O candidato deverá retirar os materiais comprobatórios ao final do concurso. Caso o material não seja retirado em até 15 dias corridos subsequentes a realização do concurso, esse será incinerado. O mesmo não se aplica a candidatos inscritos em editais que utilizarão o mesmo material.

II – prova de quitação com o serviço militar para candidatos de sexo masculino (cópia autenticada);

 III – título de eleitor e comprovante de votação da última eleição, prova de pagamento da respectiva multa ou a devida justificativa (cópia autenticada);

IV – RG ou documento com foto (cópia autenticada);

 V – prova de que é portador do título de Doutor, outorgado pela USP, por ela reconhecido, ou de validade nacional (cópia autenticada). Não serão aceitos protocolos.

Parágrafo 1º – Os documentos referidos nos incisos II, III, IV e V devem ser autenticados em cartório. Aos candidatos que não pertencem ao quadro de funcionários da USP, no ato da inscrição, não serão aceitas cópias simples dos documentos.

Parágrafo 2º – Os docentes e funcionários técnicos e administrativos em exercício na USP serão dispensados das exigências referidas nos incisos II e III, desde que as tenham cumprido por ocasião de seu contrato inicial e poderão entregar cópia simples dos demais documentos.

Parágrafo 3º – Os candidatos estrangeiros serão dispensados das exigências dos incisos II, III e IV, devendo apresentar cópia das páginas de identificação do passaporte, ou outro documento previsto na legislação.

1.1. Inscrições realizadas por terceiros serão aceitas mediante apresentação de procuração assinada pelo candidato, com firma reconhecida em cartório acompanhada de RG do procurador e cópias autenticadas de todos os documentos do candidato.

1.2. Não serão recebidas inscrições pelo correio e internet;

2. As inscrições serão julgadas pela Congregação, em seu aspecto formal, publicando-se no Diário Oficial do Estado a decisão em edital.

2.1. O candidato poderá acessar a informação de aceitação ou não de inscrição no Site do Diário Oficial do Estado de São Paulo www.imesp.com.br

PROVAS:

3. O concurso deverá ser realizado no prazo de trinta a cento e vinte dias, após a aprovação das inscrições. A contagem será a partir da publicação no Diário Oficial.

3.1. A agenda dos trabalhos será elaborada pela Comissão Julgadora no primeiro dia do certame e os candidatos receberão cópia da mesma.

3.2. O candidato que se apresentar depois do início dos trabalhos ou de qualquer prova do concurso, na primeira ou na segunda fase, estará automaticamente excluído do concurso público, não sendo admitida qualquer tolerância.

3.3. As provas constarão de:

I – Julgamento do memorial com prova pública de arguição;

II – Prova didática;

III – Prova escrita.

4. JULGAMENTO DO MEMORIAL

O julgamento do memorial, expresso mediante nota global, incluindo arguição e avaliação, deverá refletir o mérito do candidato.

Parágrafo 1º – No julgamento do memorial, a Comissão apreciará:

I – produção científica, literária, filosófica ou artística;

II – atividade didática universitária;

III – atividades relacionadas à prestação de serviços à comunidade;

IV – atividades profissionais;

V – diplomas e dignidades universitárias.

5. DIDÁTICA

A prova didática será pública, com a duração mínima de quarenta e máxima de sessenta minutos, e versará sobre o programa deste edital, nos termos do art. 137, do Regimento Geral da USP.

Parágrafo Primeiro – O sorteio do ponto será feito 24 horas antes da realização da prova didática.

Parágrafo Segundo – O candidato poderá utilizar o material didático que julgar necessário.

Parágrafo Terceiro – O candidato poderá propor substituição dos pontos, imediatamente após tomar conhecimento de seus enunciados, se entender que não pertencem ao programa do concurso, cabendo à comissão julgadora decidir, de plano, sobre a procedência da alegação.

Parágrafo Quarto – A aula deverá ser em nível de graduação.

6.   ESCRITA

A prova escrita, que versará sobre assunto de ordem geral e doutrinária, será realizada de acordo com o disposto no art. 139 e seu parágrafo único do Regimento Geral da USP.

I – a comissão organizará uma lista de dez pontos, com base no programa de concurso e dela dará conhecimento aos candidatos, vinte e quatro horas antes do sorteio do ponto;

II – sorteado o ponto, inicia-se o prazo improrrogável de cinco horas de duração da prova;

III – durante sessenta minutos, após o sorteio, será permitida a consulta a livros, periódicos e outros documentos bibliográficos;

IV – as anotações efetuadas durante o período de consulta poderão ser utilizadas no decorrer da prova, devendo ser feitas em papel rubricado pela comissão e anexadas ao texto final;

V – a prova, que será lida em sessão pública pelo candidato, deverá ser reproduzida em cópias que serão entregues aos membros da comissão julgadora, ao se abrir à sessão;

VI – cada prova será avaliada pelos membros da comissão julgadora, individualmente.

Parágrafo Único – O candidato poderá propor a substituição de pontos, imediatamente após tomar conhecimento de seus enunciados, se entender que não pertencem ao programa do concurso, cabendo à comissão julgadora decidir, de plano, sobre a procedência da alegação.

VII – O candidato poderá usar computador nesta prova, ficando a critério da Comissão Julgadora do Concurso. A CPU será verificada, conforme determina a Circ.SG/Co/70, de 5/09/2001, e documento aprovado pela Egrégia Congregação em 28/02/2002.

RESULTADO FINAL DO CONCURSO

 

6.    O resultado do concurso será imediatamente proclamado pela comissão julgadora, em sessão pública.

7.    Serão considerados habilitados os candidatos que obtiverem, da maioria dos examinadores, nota final mínima sete.

8.    Será proposto para nomeação o candidato que obtiver maior número de indicações da comissão julgadora.

9.    O empate de indicações será decidido pela Congregação, ao apreciar os relatórios da comissão julgadora, prevalecendo, sucessivamente, a média geral obtida, o maior título universitário e o maio tempo de serviço docente na USP.

10. A proposta de nomeação do candidato será encaminhada ao Reitor, nos dez dias subsequentes à homologação do concurso pela Congregação.

COMISSÃO JULGADORA

11. A Comissão Julgadora será constituída por cinco membros indicados pela Congregação, por proposta do Conselho do Departamento.

§ 1º – Os membros da comissão julgadora deverão possuir título acadêmico igual ou superior ao do candidato de maior titulação.

§ 2º – Dentre os membros da comissão, pelo menos um e no máximo dois deverão pertencer ao Departamento.

PROGRAMA

12. O programa do concurso é o seguinte:

1.    Perfuração mecânica das rochas: Fundamentos teóricos do fenômeno da penetração em rochas. Aplicação aos diversos tipos de rocha. Métodos não convencionais de penetração das rochas. Equipamentos utilizados a céu aberto e em sub-solo. Perfura­bilidade das rochas.

2.    Desmonte por explosivos. Teoria da detonação. Principais características dos Explosivos. Classificação dos explosivos comerciais. Acessórios e sua utilização. Correlação entre as características dos explosivos e das rochas a serem detonadas.

3.    Plano de fogo. Projeto de salvas em bancadas, e realces de produção para estimativa dos custos de perfuração e desmonte de rocha.

4.    Máquinas de carregamento. Comparação entre pá carregadora, ¬escavadora a cabo e escavadora hidráulica. Aspectos técnicos e econômicos. Escavadoras contínuas. Equipamentos auxiliares. Escarificação.

5.    Transporte de minério a céu aberto. Características das vias de transporte. Seleção do equipamento. Dimensiona ¬mento.

6.    Transporte em sub-solo. Escolha entre mina com ou sem trilhos. Cálculo da via permanente. Equipamentos sobre pneus para trabalhos subterrâneos. Alçamento do minério do sub-solo à superfície. Equipamento para poços verticais e inclinados. Alçamento do minério do sub-solo à superfície. Equipamento para poços verticais e inclinados. Transportadores contínuos.

7.    Manutenção de equipamentos pesados. Controle ambiental das atividades de manutenção. Controle de emissões atmosféricas nas operações de carregamento e transporte.

8.    Planejamento da lavra a céu aberto: gerenciamento e atualização de dados geológicos; perfis verticais, secções horizontais, modelos de blocos e sub-blocos. Estimativa dos teores, aplicações geoestatisticas, variograma, Krigagem e simulação geoestatística. Avaliação de reservas.

9.    Planejamento da lavra a céu aberto: Teores econômicos e suas relações funcionais com as quantidades de estéreis a remover. Otimização do benefício e teor de corte. Determinação do limite final da cava.

10. Modelagem e simulação da lavra. Programação de curto, médio e longo prazos. Sequenciamento de lavra. Integração com despacho e controle de frotas. Gestão de índices de produção. Reconciliação de lavra.

11. Lavra em bancadas em maciço rochoso. Desenho geral da mina, altura das bancadas, vias de acesso, etc. Escolha e conciliação do equipamento. Utilização de britadores dentro da cava e sistemas de transporte contínuo. Posicionamento e orientação de rampas na cava.

12. Lavra em tiras. Desenhos mais utilizados. Métodos e equipamentos para remoção e disposição de estéreis. Conciliação do equipamento. Recomposição da superfície.

13. Lavra em placeres – Aluviões submersas: dragagem. Aluviões não submersas: desmonte hidráulico e bombeamento de polpas hete­rogêneas.

14. Abertura e desenvolvimento de minas subterrâneas. Poços verticais, poços inclinados e rampas. Correlação com ­tipo e condições de jazimento, escala de produção e sistema de mineração escolhido.

15. Método de lavra por pilar e salão. Dimensionamento de pilares. Recuperação de pilares.

16. Lavra em sub-níveis com perfurações longas. Dimensionamento de salões e leques de perfuração.

17. Métodos de armazenamento,  de corte e aterro e de realces emadeirados.

18. Lavra por desabamento – desabamento de blocos e painéis, desabamento em sub-níveis. Método por frentes Longas.

19. Seleção do método de lavra – condições de jazimento, escala de produção, produtividade e segurança.

20. Engenharia ambiental em minas. Conceitos de segurança e higiene ocupacional. Agentes físicos (ruídos, vibrações, iluminação, conforto termo-corporal), agentes químicos (gases, aerosois). Noção de ergonomia. Equipamento de proteção individual. Sistema de controle de perdas e danos.

21. Ventilação de minas. Ventilação natural, forçada, geral diluidora e local exaustora. Vazão de ar. Redes de ventilação. Solução numérica de redes: Métodos empírico e por programação linear. Seleção de ventiladores. Esquemas de ventilação.

22. Controle e planejamento ambiental. Princípios e objetivos da avaliação de impacto ambiental. Aspectos legais. Diagnóstico ambiental, técnicas de previsão de efeitos e impactos, análise de riscos. Conteúdo de Estudos e Relatórios de Impacto ambiental (EIA/RIMA). Medidas controladoras e mitigadoras.

23. Drenagem de minas. Hidrologia e sistemas de bombeamento de minas a céu aberto e subterrâneas.

24. Métodos não convencionais de lavra. Lavra de depósitos por sondagens profundas. Métodos de drenagem e dissolução. Lavra extra-terrestre. Lavra de meteoritos.Sistemas “hot dry rock”.

25. Governança corporativa no ciclo de planejamento de lavra: integridade dos dados e dos processos de planejamento; termos de referência; atribuição de responsabilidades; códigos internacionais de recursos e reservas minerais; relação com a Lei Sarbannes-Oxley; gerenciamento de cenários de lavra.

Disciplinas utilizadas no programa

PMI2741 – Escavação Mecânica e Transporte em Mineração

PMI2944 – Planejamento na Lavra de Minas

PMI2945 – Lavra de Minas: Mineração a Céu-aberto

PMI2946 – Lavra de Minas : Mineração Subterrânea

PMI2948 – Planejamento na Lavra de Minas

PMI2862 – Aplicação de Microcomputador na Mineração

PMI2995 – Introdução à Mineração

PMI2049 – Projeto de Engenharia de Minas II

PMI2891 – Trabalho Prático de Campo I : Estágio Supervisionado

PMI5014 – Projeto de Planejamento e Sequenciamento de Lavra

PMI5019 – Simulação Condicional Aplicada ao Planejamento de Lavra

PMI5020 – Aplicação de Sistemas ERP na Mineração

PMI5774 – Gerenciamento de Projetos de Mineração

PMI5843 – Análise de Sistemas Mineiros

PMI5896 – Aplicação Avançadas de Software de Mineração ao Planejamento de Lavra I

PMI5893 – Extração e Beneficiamento de Rochas Ornamentais

ADMISSÃO

13. A admissão do candidato aprovado no RDIDP – Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa dependerá de aprovação prévia da CERT.

14. O candidato indicado pela Comissão Julgadora deverá comparecer ao Serviço de Pessoal da Escola Politécnica da USP, para dar andamento a sua contratação.

15. A posse do candidato indicado ficará sujeita à aprovação em exame médico realizado pelo Departamento de Perícias Médicas do Estado – DPME, nos termos do art. 47, VI da Lei nº 10.261/68.

16. O candidato estrangeiro aprovado no concurso e indicado para o preenchimento do cargo só poderá tomar posse se apresentar visto temporário ou permanente, que faculte o exercício de atividade remunerada no Brasil.

17. O concurso terá validade imediata, exaurindo-se com a nomeação dos candidatos aprovados.

Informações e normas pertinentes ao concurso acesse o site www.usp.br/normas (Regimento Geral da USP);

Informações dos editais publicados acesse o site www.imesp.com.br

Contatos: e-mail: svorcc@poli.usp.br