Poli sediou competição internacional de planos de negócios (IBPC)

A Escola Politécnica (Poli) da USP recebeu, entre os dias 5 e 8 de janeiro, a primeira etapa da IBPC (International Business Plan Competition), uma competição internacional que conta com a participação da Universidade de Bayreuth – UBT (Alemanha), da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong – HKUST (Hong Kong), da Universidade de Illinóis em Urbana- Champaign – UIUC (Estados Unidos) e da USP.

A competição de 2020 é sediada pelo Brasil, sob coordenação dos professores Marcelo Becker (EESC-USP), e dos professores Larissa Driemeier e Rafael Traldi Moura, do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Poli. O tema escolhido foi “O uso de novas tecnologias para o aumento da mobilidade, independência e integração de pessoas com deficiência no Brasil”.

No primeiro dia pela manhã, os participantes receberam a ala inclusiva da Rosas de Ouro. “Ao levar figuras conhecidas dos desfiles nessa ala e pessoas que passam seus dias vivendo essa realidade, a escola de samba trouxe um pouco da realidade dessas pessoas para a mente dos participantes do IBPC 2020”, explicou a professora da Poli, Larissa Driemeier.

Para a competição são formados oito times mistos, de seis estudantes de diferentes nacionalidades e gênero, que devem criar, em apenas dez dias, um plano de negócios relacionado a um tema específico, definido pelo país sede. “Durante esse período, os alunos superam as barreiras de língua, cultura, além do desafio do tema”, explica a professora. A cada ano, uma das universidades hospeda o evento. De comum acordo, um tema é definido e a Universidade anfitriã é responsável pela organização de visitas técnicas e culturais. Também é responsabilidade da Universidade anfitriã definir os juízes para a competição final.

As equipes são formadas com uma distribuição igual de estudantes das quatro universidades, além do equilíbrio de gênero. “Isso permite a criação de um ambiente verdadeiramente multidisciplinar e multicultural para o desenvolvimento do trabalho em equipe”. A duração total do evento é de 10 dias, durante os quais, sob a orientação dos professores mentores, as equipes fazem uma extensa pesquisa sobre o tema, fazem análises de oportunidades de mercado e, em seguida, desenvolvem um plano de negócios viável. Como os sistemas curriculares do ensino de engenharia são variados em diferentes países, os colegas de equipe podem se complementar com base em suas habilidades e conhecimentos.