10 curiosidades sobre a Poli-USP que todo calouro deve saber

Uma das escolas de engenharia mais antigas do País, a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo é também uma das mais tradicionais instituições de ensino brasileiras, reunindo o prestígio de ter formado engenheiros que participaram de diversos momentos importantes da história do Brasil, à responsabilidade de sua missão: contribuir com o desenvolvimento tecnológico da sociedade que a mantém.

Assista aqui ao vídeo institucional da Escola Politécnica da USP, que apresenta as principais atividades nela desenvolvidas.

1. A Poli-USP completa 125 anos em 2018

Fundada em 24 de agosto de 1893, pela lei estadual nº 191, de 24 de agosto de 1893 e inaugurada em 15 de fevereiro de 1894, a Escola foi criada 40 anos antes da Universidade de São Paulo, o que se deu em um momento de desenvolvimento industrial e urbano, no qual a sociedade paulista necessitava de profissionais para dar sustentação à modernização do Estado.

Assista aqui ao vídeo comemorativo dos 120 anos da Escola, lançado em 2013, em versão extendida ou resumida.

A criação da Escola foi resultado de um conjunto de ações visionárias governamentais e de empreendedores paulistas para criar e estabelecer uma indústria forte do Estado de São Paulo, de modo a propiciar crescimento econômico não somente baseado na agricultura. A instituição surgiu, portanto, num momento fundamental da vida de São Paulo: foi um dos pilares de implantação da indústria e, mais tarde, propulsora do processo de modernização tecnológica, intervindo diretamente na vida econômica do Estado e contribuindo para transformá-lo no principal centro econômico do País.

2. A Poli já formou mais de 30 mil politécnicos

Os engenheiros formados na Poli-USP costumam se chamar como politécnicos. Entre 1885 e 2017, já haviam se graduado 30.885 politécnicos. Além da graduação, a Poli já formou mais de 10 mil pós-graduados, entre 7.124 títulos de mestrado e 3.278 de doutorado. Por aqui se formaram CEOs de empresas como TAM, Vale, Odebretch, Motorola, Buscapé, além de governadores, ministros, prefeitos, secretários…

3. A Poli foi fundada antes da USP. E a USP foi fundada por um politécnico

Assim como outras unidades de ensino, a Escola foi fundada antes da Universidade de São Paulo, criada em 1934. A criação da Poli integrou o esforço do governo em oferecer uma universidade pública à população que, além do ensino, incentivasse a atividade científica e promovesse a difusão do conhecimento.
A Universidade foi fundada em 25 de janeiro de 1934, pelo interventor federal no governo do Estado, Armando de Salles Oliveira, um politécnico articulador da Revolução de 32, cuja presença foi uma solução de conciliação entre o governo e as lideranças paulistas derrotadas. A Escola se beneficiou com a incorporação à nova instituição, pois o ensino de engenharia foi dinamizado com o estudo das ciências e, sobretudo, com as aulas de professores estrangeiros de alta qualificação, que vieram ministrar cursos na nova universidade.

4. A Poli tem mais de 6,5 mil alunos regularmente matriculados em cem disciplinas

Nos 17 cursos de graduação, que oferecem mais de cem disciplinas, em 2017 estavam matriculados regularmente nos cursos de graduação 5.241 estudantes em 2017. Na pós-graduação, havia 818 alunos de mestrado, e 636 de doutorado.

5. O tamanho da Escola equivale a 21 campos de futebol

Seguindo o padrão FIFA, que estabelece campos de 7.140 metros quadrados, a Escola Politécnica possui mais de 21 campos de futebol de área construída. São ao todo 152.525,26m², distribuídos em:

  • 22.412,00m² de laboratórios
  • 20.285,12m² de salas de aula
  • 5.029m² de bibliotecas (10 bibliotecas)
  • Poli Santos – SP 1.501m²
  • CEPEMA – Cubatão – SP – 2.439,58 m²

6. A Escola possui mais de 800 funcionários

Entre professores e funcionários, 841 profissionais atuam nas atividades acadêmicas e administrativas da Escola. São 445 docentes, sendo 80% deles doutores, e 396 funcionários, que majoritariamente ocupam cargos técnicos.

7. Os pesquisadores da Poli desenvolvem tecnologia para a indústria brasileira

A hidrelétrica Itaipu, o metrô de São Paulo, a exploração de petróleo na camada do pré-sal são alguns exemplos das transformações em que a Poli esteve à frente. Aqui, por exemplo, está um dos simuladores de operações marítimas mais avançados do mundo (TPN-USP), é desenvolvida uma tecnologia inovadora em nível mundial para reúso de água (CIRRA-USP), são estudadas tecnologias da indústria 4.0 (Inovalab), entre muitas outras aplicações fundamentais para a economia e a sociedade.

8. Com o intercâmbio, o estudante da Poli pode conseguir um diploma duplo internacional

Desde 1998, a Poli passou a oferecer oportunidades para os alunos poderem realizar parte de seu curso no exterior. A Escola possui um grande número de convênios com Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa em diversos países, o que possibilita ao aluno realizar intercâmbio aproveitando as disciplinas. Em programas mais concorridos, o estudante pode obter uma dupla titulação em universidades de renome de diversos países, como França e Itália.

9. A Poli forma os oficiais da Marinha em Engenharia

Há mais de 60 anos a Poli-USP tem uma parceria com a instituição militar e, por isso, o seu corpo de engenheiros é formado na Escola.

Assista aqui ao vídeo comemorativo dos 60 anos da parceria, celebrados em 2016.

10. O primeiro computador brasileiro foi construído na Poli

O Patinho Feio, primeiro computador brasileiro, foi construído na Poli e inaugurado em 1972, com a presença de autoridades da época. Essa história é relatada no vídeo.

Há inúmeras informações muito interessantes sobre a Poli que poderíamos elencar, mas esperamos que este seja uma boa maneira de iniciar sua vida acadêmica. Aproveite tudo que a Escola oferece e seja bem-vindo!