Engenheiro formado na Poli dá dicas de como se preparar para carreira acadêmica internacional

Rogério Bonatti cursou Engenharia Mecatrônica na Escola Politécnica da USP e atualmente é faz seu doutorado da Carnegie Mellon University

Rogério Bonatti ingressou na Escola Politécnica (Poli) da USP em 2011, no curso de Engenharia Mecatrônica. Desde o início do curso, Rogério apresentou interesse em desenvolver pesquisas científica e, no final do primeiro ano, realizou um projeto de iniciação científica  sob orientação do professor Henrique Takachi Moriya, do Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle da Poli. O projeto envolvia a utilização de hardwares e softwares para aprimorar equipamentos de ventilação mecânica de animais, e recebeu uma bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Bonatti comentou que participar da pesquisa complementou suas aulas e aumentou seu engajamento no curso da Poli.

No terceiro ano do curso, Rogério Bonatti fez um intercâmbio pelo extinto programa governamental “Ciência sem Fronteiras”. Ele passou um ano nos Estados Unidos  estudando na Cornell University, onde desenvolveu pesquisas sobre análise de energia eólica em ambientes urbanos. O doutorando conta que sua experiência na universidade americana foi muito enriquecedora, tanto pessoalmente, como por ter participado de disciplinas sobre tecnologias extremamente recentes.

Em 2014, Bonatti foi bolsista da Fundação Estudar, o que foi muito importante para que ele expandisse seu conhecimento para além da área acadêmica, já que a Fundação promoveu diversas palestras com membros de startups e do mercado financeiro. Rogério explicou que embora a bolsa da Fundação Estudar seja muito concorrida,  pelo menos, um aluno da Poli é selecionado todos os anos. Além disso, durante a graduação, o pesquisador também teve experiência com estágios fora da Engenharia, como no banco de investimentos Itaú BBA e na área de consultoria estratégica.

No seu último ano na Escola Politécnica, Rogério desenvolveu o seu trabalho de conclusão de curso sobre inteligência artificial e sua utilização por empresas para a comunicação com clientes. Segundo ele, essa experiência foi importante para sua decisão em seguir a carreira acadêmica.

Em 2016, Bonatti iniciou seu doutorado na Carnegie Mellon University. Atualmente, ele desenvolve estudos sobre veículos aéreos autônomos no Instituto de Robótica da Carnegie Mellon. Durante o doutorado, Rogério já estagiou no Departamento de Pesquisa da Microsoft e do Facebook, nos quais trabalhou com machine learning e inteligência artificial.

Oportunidade para outros alunos da Poli

No último verão americano, o aluno de Engenharia Mecatrônica Arthur Bucker estagiou na Carnegie Mellon University, porém do Brasil, em modalidade remota. No estágio, ele participou da pesquisa desenvolvida por Rogério e recomenda que os alunos da Poli participem de atividades extracurriculares tanto da USP, como em instituições do exterior e empresas.

Ao longo da entrevista, Rogério explicou que muitos alunos não sabem que é possível terminar a graduação e ir direto para o doutorado, como ele fez. Para isso, o aluno já deve ter tido uma vasta experiência com pesquisas ao decorrer da graduação. Segundo ele, possuir publicações em revistas científicas também auxilia no processo de aplicação para experiências no exterior. Ademais, Bonatti aconselha que os alunos que possuem interesse em se especializar no exterior devem começar a se planejar com antecedência, além de poderem antecipar disciplinas para se formarem no meio do ano e iniciarem seus estudos no exterior no início do ano letivo do hemisfério norte.

Para finalizar, Rogério e Arthur incentivam  que os alunos da Poli busquem experiências no exterior e destacam que os estudantes da Escola Politécnica possuem um nível muito semelhante ao dos alunos e profissionais do exterior.