Engenharia da Computação da Poli-USP aproveita estágios para desenvolver competências

Com as novas diretrizes curriculares para engenharia, em vigor desde 2019, os coordenadores do curso de Engenharia de Computação criaram um novo modelo de estágio, orientado a competências, e não apenas no desenvolvimento técnico do futuro engenheiro

O estabelecimento de novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) para os cursos de engenharia em abril de 2019, trouxe mudanças nas prioridades exigidas das instituições de ensino da área, como a inclusão da formação baseada em competências, foco na prática, aprendizagem ativa e maior flexibilidade de currículo. Entre os aprimoramentos realizados na Escola Politécnica (Poli) da USP, a coordenação do curso de Engenharia da Computação remodelou o programa de estágio para que, tanto os alunos como os seus gestores observem o desenvolvimento de competências (conhecimento, hard e soft skills) .

O curso oferecido pelo Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais (PCS) da Escola já possui um formato diferenciado, no qual a partir do terceiro ano os alunos alternam períodos de aula com períodos de estágio, exclusivamente. A inovação, em 2020, ficou por conta do método de gestão  que prevê um acompanhamento em tempo real do aluno no estágio, com um sistema de mapeamento de competências, como colaboração, postura profissional, liderança e proatividade dos futuros engenheiros dentro das empresas. Os alunos que estão nesse período de estágio participam de monitorias, e têm um canal aberto para realizar perguntas para profissionais experientes. Todas essas ações,  ferramentas e o modelo visam oferecer ao estudante um rápido amadurecimento profissional. 

O professor do Departamento e coordenador de estágio do curso, Jorge Luis Risco Becerra, comenta que as mudanças das DCNs são uma oportunidade para trazer mais empresas e modernizar o programa de  estágio do PCS. E enfatiza: “O trabalho de formatar os estágios no novo padrão foi positivo porque descobrimos que  o aluno tinha habilidades (colaboração, postura profissional, liderança e proatividade) que devem ser monitoradas e medidas. Criamos um histórico do aluno nessas competências para que ao voltar para academia os professores saibam da evolução profissional e o aluno possa aprender mais e, posteriormente, aplicar no próximo estágio”.

Eles utilizam uma plataforma online que permite aos alunos acesso a encontros  individuais e orientações constantes com os responsáveis pelo estágio. No tocante a avaliação de competências, os alunos podem se autoavaliar, assim como podem solicitar uma avaliação do seu gestor . “A partir desta cultura de feedback que o politécnico pode avaliar e observar a sua postura corporativa e melhorá-la”. 

O coordenador ainda comenta que o estágio se insere de uma forma muito cinergética no retorno às atividades acadêmicas. Enquanto no estágio, o aluno tem a oportunidade de exercer as competências complementares (soft skills), e na faculdade ele exclusivamente aprende. Porém, ele frisa que incluir essas competências dentro do ensino não é uma tarefa fácil. Hoje um dos grandes dilemas entre os docentes é: como ensinar observando as competências dentro do curso.

“Por isso que o corpo docente da Poli está sempre preocupado em como ensinar frente a esses novos parâmetros denominados competências. Tendo o cuidado de mostrar para o aluno que ele não só deve aplicar seus conhecimentos técnicos, mas também deve ser um elemento colaborador dentro da corporação, sendo um fator humano”, afirma Jorge. 

O funcionário-administrativo Tarcísio Missiano Rodrigues, que auxilia nos processos de estágio, finaliza dizendo que o aluno tem a oportunidade de aprender com a empresa: “estamos pedindo para as empresas pequenas mentorias, em que as companhias falem sobre uma determinada habilidades comportamentais (soft skills) do glossário que temos, como adaptabilidade,  foco no cliente, entre outros. Então empresa e estagiário falam sobre isso e, dessa forma, o aluno pode ver como as empresas estão dando valor para essas habilidades comportamentais.