Professores da Poli-USP apresentam o Projeto Inspire no terceiro dia da Semana de Recepção dos Ingressantes 2021

Na manhã da quarta-feira, 14 de abril de 2021, foi realizado o terceiro encontro da Semana de Recepção aos ingressantes 2021 da Escola Politécnica (Poli) da USP. A Semana de Recepção é um evento tradicional, realizado todos os anos nas unidades da USP para ajudar os ingressantes a se adaptarem ao ambiente universitário Em 2021, devido à pandemia de covid-19, a Semana de Recepção acontece totalmente online. Enquanto os eventos são transmitidos pelo canal da Poli no YouTube para o público, os novos alunos podem acompanhar as palestras e atividades pelo Zoom, em link recebido por e-mail. 

 

No primeiro momento da manhã, às 10h, foi apresentado o Projeto Inspire, um ventilador pulmonar de baixo custo e emergencial para combate à covid-19,  criado e desenvolvido pela Poli e fabricado pela Marinha do Brasil com apoio de outros Institutos e da iniciativa privada. Os coordenadores do Projeto Raul González Lima, chefe do Departamento de Engenharia Mecânica da Poli, e Marcelo Zuffo, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Poli, e o engenheiro Dario Gramorelli, presidente da Associação dos Engenheiros Politécnicos e ex-professor da Poli, abordaram a importância do projeto em âmbito nacional aos ingressantes. 

 

O professor Raul começou contando, saudosamente, de suas primeiras impressões como calouro da Poli. “Eu tive a sensação clara, e estava em uma alegria muito grande, porque eu seria apresentado para a crista da onda do conhecimento científico e essa sensação se manteve nos últimos 40 anos”. Sua apresentação relacionou sua trajetória e o Projeto Inspire. “A sociedade vai dando sinais do que ela precisa. O Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA) já previa uma falta de ventiladores no Brasil”. 

Ele relatou então, que no início da pandemia, a diretora da Poli convocou os professores a ajudarem no enfrentamento à covid-19. “Na minha cabeça eu vinha dizendo que não ia dar tempo, e surgiu uma questão ética muito forte. Até que um dos professores que vinha pedindo para desenvolver um ventilador, o professor Francisco Emilio Baccaro Nigro, junto com um doutor, o Silvio Figueiredo, me fizeram ver que as dificuldade que eu estava apontando, de regulamentação e tempo, eram irrisórias comparado ao drama que poderia acontecer no Brasil.” 

 

O docente e pesquisador, que já estuda problemas respiratórios há 20 anos, mostrou como foi projetado o ventilador pulmonar Inspire, e todo o processo de desenvolvimento do equipamento tecnológico que contou com a ajuda de muitos voluntários. Ele apresentou alguns dos desafios que tiveram que ser enfrentados para viabilizar a aprovação do equipamento pela Anvisa, em setembro de 2020. 

Sobre o desenvolvimento tecnológico no Brasil

O professor Raul contou que nesta foto ao lado, Tomógrafo que monitora o pulmão, que é uma tecnologia nacional que nasceu na USP, e hoje é exportada para toda a Europa, Estados Unidos e Ásia. “Todos os algoritmos de imagens básicas deste equipamento foram gerados na Escola Politécnica. Depois os médicos desenvolvem protocolos, e algumas aplicações em cima disso”.

Por fim, Raul deixou uma mensagem para os alunos que estão chegando na Poli, prestes a ter contato com a universidade e com o conhecimento:  “Montem cada um de vocês a sua própria ‘caixa de ferramentas”, da matemática, da física, dos laboratórios; Nomeiem os problemas que vocês tem pela frente: não é passar nas disciplinas, é aprender; Não colem! Para que este tipo de coisa aconteça [o projeto Inspire]. É necessário muita confiança entre os parceiros; Refinem sua percepção e nomeiem corretamente as coisas, isso faz parte da ética; Cultivem a credibilidade, sejam pessoas em quem as pessoas acreditem, para que elas possam nos ajudar. Isso é uma questão de ética; Conheça o tamanho de cada problema, o valor de cada bem, alguns abstratos e coletivos, como por exemplo a confiança na ciência e a importância da Universidade. Tudo isso são exercícios de ética que vamos cultivando ao longo da vida e que em algum momento as pessoas que cultivaram isso acabam podendo se ajudar”.

 

O também coordenador do Inspire, professor Marcelo Zuffo, pontuou que tem sido muito desafiador este projeto. “Passando uma mensagem de otimismo, é muito legal e divertido exercer a engenharia com ética, responsabilidade e compromisso social. É uma forma de devolver à sociedade o privilégio de estudar dentro de uma Universidade como a USP”. 

 

Ele contou que nunca tinha desenvolvido um ventilador, mas que no momento da urgência, o que restava era fazer dar certo mesmo com as questões regulatórias da Anvisa; todos os desafios técnicos, e principalmente, com a falta de recursos para desenvolver o equipamento. Cuja solução foi enfrentada com doações e a participação de inúmeros voluntários que se somaram ao Projeto. “A nossa caixa de ferramenta é muito forte, só precisamos de atitude, levem essa mensagem e façam muito mais pelo Brasil”, disse Zuffo entusiasmando os ingressantes para os próximos projetos que virão. 

 

Dario destacou a importância de fazer inovação e fazer o novo na Engenharia, como o Inspire. Enfatizou também o seu orgulho de poder participar do projeto e parabenizou os alunos pelo ingresso. O engenheiro detalhou que o projeto só se tornou possível com a participação de muitas pessoas, institutos e iniciativa privada.”Não tínhamos um caixa financeiro, e isso só foi possível por causa da colaboração de muitos atores e abertura de vaquinhas”.  

 

Gramorelli deixou como frase final e mais importante:  ”Ninguém faz nada sozinho. Esse projeto começou de forma singela com poucas pessoas. Mas foi se propagando e mais pessoas se juntaram. Na vida  profissional  somos interdependentes, e a interdependência significa colaboração” . 

 

Assista aqui o evento na íntegra e saiba mais sobre o Projeto Inspire aqui.