Mercado de tecnologia espacial cresce com constelações de nanossatélites

O mercado de satélites vem crescendo significativamente devido a novidade dos nanossatélites, que existem há menos de 15 anos, em especial os do tipo CubeSat. Como o nome indica, são pequenos satélites (de um a dez quilogramas, ao invés de toneladas), relativamente baratos (menos de 500 mil, ao invés de valores que podem chegar até € 500 milhões) e de rápido desenvolvimento (estruturado em meses, ao invés de anos como os satélites mais comuns).

Segundo Fábio de Oliveira Fialho, professor da Escola Politécnica (Poli) da USP, essas unidades podem ser combinadas como peças de Lego, na quantidade necessária para a missão, formando satélites maiores. Segundo o pesquisador, os CubeSats foram uma surpresa positiva quanto à velocidade de desenvolvimento.

Leia a matéria da Folha de S. Paulo na íntegra.