Processos do Poli USP Recicla

coletor-lampadas

1 – Gestão de Resíduos Perigosos

1.1 – Lâmpadas Fluorescentes
A Poli utiliza em torno de 3.000 lâmpadas fluorescentes/ano que, apesar de muito eficientes, são classificadas como “resíduo perigoso” pela NBR 1004/2004 e de acordo com a legislação precisam de tratamento específico e não podem ser dispostas como resíduo comum por possuírem componentes considerados perigosos à saúde.
Para elaborar o processo de gestão realizamos as seguintes atividades iniciais:
– Identificação de pontos de coletas,
– Treinamentos específicos para os envolvidos
– Pesquisa, análise e compra de coletores
– Pesquisa, análise e solicitação de contratação de serviço de coleta, descontaminação e destino final dos resíduos por empresa especializada.

 

coletor-lampadas

Coletores de Lâmpadas queimadas e quebradas instalados em pontos estratégicos

A coleta de lâmpadas abrange exclusivamente as que são utilizadas na Escola, em função da capacidade de armazenamento e do custo de destinação. Em 3 anos de projeto foram coletadas e enviadas para descontaminação 9.303 lâmpadas (média: 3.101/ano), e o mais importante é que foi atingido o objetivo desse processo: “zero” lâmpadas fluorescentes descartadas no lixo comum. Salientamos que o número de lâmpadas descontaminadas (9.303) é superior ao número de lâmpadas com baixa no almoxarifado (7.769), indicando que coletamos também 1.534 lâmpadas de outras
fontes, como projetos, por exemplo.

Fluxo: Coleta segregada nos prédios / Transferência mensal dos coletores dos prédios para os coletores do Serviço de Manutenção / Levantamento quantitativo / Retirada das lâmpadas pela empresa responsável pela descontaminação / Descontaminação e destinação afinal adequada dos resíduos / Documentação do processo.

1.2 – Pilhas e Baterias

Pilhas e baterias possuem componentes considerados perigosos à saúde e, assim como as lâmpadas fluorescentes não podem ser dispostas como resíduo comum. O Processo de implantação foi idêntico ao de lâmpadas fluorescentes com instalação de coletores em todos os prédios da Poli, após pesquisas, estudos e treinamentos.

coletor-pilha

 Coletores de pilhas e baterias de 40 e de 120 litros

Este é um serviço prestado a Comunidade Poli, já que na prática muitos membros da comunidade trazem pilhas e baterias usadas de suas residências.
    
Fluxo: Coleta segregada nos prédios / Transferência mensal dos coletores dos prédios para os coletores do Serviço de Manutenção / Pesagem / Transporte para empresa responsável pela re-processamento e destinação final / Documentação do processo.

1.3 – Resíduos Laboratoriais

A Escola Politécnica possui 96 laboratórios, sendo que muitos destes geram resíduos considerados perigosos.
Após treinamento específico dos “Monitores” do programa por parte da Drª Patrícia Busko Di Vitta do Instituto de Química da USP e da compra de EPIs, elaborou-se um diagnóstico, através de um inventário minucioso com 10 meses de duração em todos os laboratórios. Esse processo encontra-se em fase final de estruturação de um procedimento para a contratação de empresa especializada em destinar resíduos perigosos para tratamento e destino final ambientalmente seguro, atendendo todas as normas e legislações

2 – Gestão dos Resíduos Comuns

2.1 – Coleta Seletiva em edifícios

A implantação da “Coleta Seletiva” na Poli ocorreu de forma progressiva. O primeiro passo foi realizar um levantamento das necessidades de cada edifício, através de pesquisa de campo e análises presenciais, em seguida instalou-se um “Projeto Piloto”, no prédio da Produção e, após analise criteriosa, os pontos falhos foram corrigidos para a implantação
da coleta em outros prédios, inclusive no CTH.
  
coletor-interno
Coletores de “Recicláveis e “Não Recicláveis”
Sala de Estudo da Civil
coletor2500litros
Coletores de 2.500 litros para “Recicláveis” da Produção

 

2.2 – Coleta Seletiva aberta à comunidade

O Poli USP Recicla aderiu à ação do USP Recicla e instalou nos dois acessos ao bolsão de estacionamentos da Poli, quatro “Cicléias”, coletores verdes de 2.500 litros de propriedade da Limpurb, que realiza a coleta semanalmente em dias não especificados.

coletor-externo

Cicléia instalada no acesso ao estacionamento da Poli (av. Prof. Luciano Gualberto)
Não temos a informação exata do peso coletado já que o processo de coleta e destinação final é de responsabilidade da Limpurb que tem essa informação contabilizando toda a USP e não por unidade. A informação que temos para nosso controle é que esses quatro coletores fornecem 10 mil litros/semana de material para análise e destinação correta.