Estude na Poli

Tudo o que você precisa saber para estudar aqui!

Conheça os cursos, a estrutura e todas as oportunidades 

oferecidas pela Universidade de São Paulo.

Pensando nas dúvidas mais comuns dos vestibulandos, a Escola Politécnica reuniu nesta página algumas informações importantes sobre vários aspectos da vida universitária na Poli.

Aqui você encontra informações sobre formas de ingresso (Fuvest, SISU e Transferência), os cursos oferecidos, as oportunidades, a estrutura universitária, como é a vivência universitária e o apoio à permanência.

Bem-vindo(a)!

Formas de ingresso

Para estudar na Escola Politécnica da USP, existem alguns caminhos que você pode seguir. Listamos aqui algumas informações sobre as principais formas de ingresso na Poli.

A Fuvest é o vestibular da USP, que seleciona alunos para vagas em todas as unidades da Universidade. A prova é composta por duas fases, a primeira em formato múltipla escolha e a segunda em formato dissertativo, na qual o candidato responde questões de língua portuguesa e de disciplinas específicas da área de conhecimento escolhida, além de produzir uma redação. 

Podem participar da prova pessoas que tenham concluído o Ensino Médio ou que estejam concluindo no ano em que realizam o vestibular, além de pessoas que já tenham diploma de curso superior. Além disso, alunos do primeiro e segundo ano do ensino médio podem realizar o exame na modalidade de treineiros, ou seja, para testar seus conhecimentos sem efetivamente concorrer pelo curso. As vagas são oferecidas em três modalidades, que podem ser escolhidas no momento da inscrição: Ampla Concorrência (AC); Escola Pública (EP) ou Pretos, Pardos e Indígenas (PPI). 

Podem concorrer em AC todos os candidatos, sem a necessidade de pré-requisitos; em EP, se encaixam estudantes que cursaram o Ensino Médio integralmente em escolas públicas brasileiras; e em PPI podem se inscrever alunos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas brasileiras. 

No vestibular 2021, a Escola Politécnica está oferecendo 783 vagas por meio da Fuvest, nas seguintes carreiras: 

  • Engenharia Ambiental; 
  • Engenharia Civil; 
  • Engenharia de Computação; 
  • Engenharia de Materiais, Engenharia Metalúrgica e Engenharia Nuclear; 
  • Engenharia de Minas; 
  • Engenharia de Petróleo; 
  • Engenharia de Produção;  
  • Engenharia Elétrica (Ênfases: Automação e Controle, Energia e Automação Elétricas, Eletrônica e Sistemas Computacionais, Telecomunicações); 
  • Engenharia Mecânica; 
  • Engenharia Mecatrônica; 
  • Engenharia Naval;
  • Engenharia Química. 

Para mais detalhes, acesse a página 24 do Manual do Candidato da Fuvest 2021.

A prova possui uma taxa de inscrição, mas os candidatos podem pedir isenção de acordo com os critérios socioeconômicos exigidos. Outros detalhes sobre a Fuvest podem ser encontrados no site da Fundação

O SISU é uma plataforma do Ministério da Educação por onde universidades públicas fazem seu processo seletivo por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Assim, o candidato se inscreve com sua nota do ENEM na carreira desejada, e os melhores classificados ficam com as vagas oferecidas.

Para participar da seleção via SISU, é necessário ter realizado o último ENEM e ter obtido nota de redação maior que zero. Além disso, estudantes que prestaram o exame na condição de treineiros não podem concorrer às vagas. As modalidades de Ampla Concorrência, Escola Pública e Pretos, Pardos e Indígenas se mantêm, assim como seus requisitos.

Na edição de 2021, a Poli oferece 87 vagas no SISU, somando as três modalidades. Os cursos disponíveis na plataforma são: 

  • Engenharia Ambiental; 
  • Engenharia Civil; 
  • Engenharia de Computação; 
  • Engenharia de Materiais, Engenharia Metalúrgica e Engenharia Nuclear; 
  • Engenharia de Minas; 
  • Engenharia de Petróleo; 
  • Engenharia de Produção;  
  • Engenharia Elétrica (Ênfases: Automação e Controle, Energia e Automação Elétricas, Eletrônica e Sistemas Computacionais, Telecomunicações); 
  • Engenharia Mecânica; 
  • Engenharia Mecatrônica; 
  • Engenharia Naval;
  • Engenharia Química.

Para mais detalhes, acesse a planilha de vagas da USP 2021.

Outras informações sobre o processo seletivo estão no site do SISU.

A Escola Politécnica também oferece vagas por meio de transferência, tanto para alunos de outras instituições de ensino quanto da própria USP. Os cursos, semestres e vagas oferecidas variam de acordo com o ano, e podem ser consultadas no Manual de Transferência.

Podem participar do processo alunos regularmente matriculados, no ano da transferência, em cursos de graduação de qualquer instituição de ensino superior, inclusive da USP, exceto para graduandos de cursos sequenciais e de curta duração. Alunos com o curso trancado podem participar, mas caso aprovados, a matrícula deve estar regularizada para efetuar a transferência.

A prova é dividida em duas etapas: prova de pré-seleção, realizada pela Fuvest, e prova específica, conduzida pela unidade de ensino de destino do candidato. Assim como o vestibular, o processo de transferência possui um valor de inscrição, que pode ser isento de acordo com critérios socioeconômicos.

Outras informações estão no site da Fuvest

Cursos oferecidos

17

Habilitações em engenharia.

A Escola Politécnica da USP oferece 17 cursos de graduação em engenharia. Conheça aqui um pouco sobre cada um deles.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

O engenheiro ambiental trabalha para assegurar que a implantação, operação ou desativação de um empreendimento sejam realizadas em conformidade com a legislação ambiental. A procura pelo profissional é grande, principalmente por causa das exigências legais de proteção ao meio ambiente. Empreendimentos que exigem avaliações de impacto ambiental, como usinas termoelétricas e indústrias de base, e grandes obras de infraestrutura buscam cada vez mais esse especialista. No setor privado, o graduado pode atuar em departamentos de planejamento e gestão ambiental de grandes indústrias, em empresas de consultoria e auditoria ambiental, entre outros.

Veja a grade curricular do curso aqui

Modalidade: semestral Duração ideal: 10 semestres O curso de Engenharia Civil forma profissionais capazes de atuar em atividades de concepção, planejamento, projeto, construção, operação e manutenção de edificações e infraestruturas. A viabilização de empreendimentos, como grandes arranha-céus, conjuntos habitacionais, viadutos, rodovias, pontes, túneis, portos, aeroportos, entre outros, é parte do dia a dia deste profissional, que pode atuar também na indústria de materiais e componentes. Veja a grade curricular do curso aqui

Modalidade: quadrimestral

Duração ideal: 10 semestres


O curso de Engenharia de Computação forma profissionais especializados no desenvolvimento e análise de softwares, redes de computadores e sistemas digitais, capazes de desenvolver projetos de automação industrial das mais variadas complexidades. A graduação mescla atividades teóricas em sala de aula e práticas nos laboratórios de informática da Poli e em estágios monitorados em empresas conveniadas à Escola.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres 

Esse ramo da Engenharia é voltado para a pesquisa de novos materiais e usos industriais para os materiais já existentes, tais como resinas, plásticos, cerâmicas e ligas metálicas. Os estudantes do curso adquirem conhecimentos sobre matérias-primas, processamento, caracterização, propriedades, estruturas e aplicações de materiais, com ênfase nas relações entre a microestrutura, o processamento, as propriedades e o desempenho do material. Ao lado do estudo dos materiais, ele também aprende os fundamentos dos processos de produção e fabricação.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

O curso de Engenharia de Minas forma profissionais para atuarem em todos os segmentos da cadeia de produção mineral: prospecção, avaliação econômica, lavra, tratamento, recuperação, reaproveitamento de resíduos e recuperação ambiental da área explotada. O aluno também se torna apto para atuar em projetos e construções de túneis e escavações subterrâneas, tratamento e disposições de rejeitos industriais, prospecção e lavra de água, em colaboração com profissionais de outras áreas da Engenharia. Além de empresas de mineração, o profissional dessa área pode trabalhar em empresas de Engenharia e consultoria, institutos de pesquisa e órgãos do governo.

Veja a grade curricular do curso aqui

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres 

O engenheiro de petróleo é capacitado para atuar em diversos segmentos da cadeia produtiva do petróleo, desde a pesquisa de novas jazidas até a produção de petróleo e gás natural. Ele é habilitado também para fazer análise econômica e avaliação de reservatórios e para auxiliar em projetos de construção de plataformas e poços de petróleo. O campo de trabalho para esse profissional abrange: empresas de extração, de engenharia, consultoria, institutos de pesquisa e órgãos do governo.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres 

O curso de Engenharia de Produção lida com a interação de pessoas, materiais, equipamentos e processos, encarando-os como recursos para a realização da atividade produtiva. O engenheiro de produção pode atuar tanto no setor industrial como no de serviços, realizando o planejamento, coordenação e controle dos processos produtivos. O curso dá ênfase às competências gerenciais, mas também trabalha as habilitações tecnológicas, de modo que o engenheiro possa atuar nos mais diversos níveis das organizações empresariais, desde o chão de fábrica até a administração. 

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

O engenheiro desta especialidade estuda teorias de controle avançado, controle de processos industriais, robótica e automação de manufatura, e modelos matemáticos aplicados a finanças, biologia e outras áreas. O curso fornece uma sólida formação na área de controle. O estudante aprende a pensar de forma sistêmica, definindo bem um problema, o que facilita a busca por soluções. Suas técnicas podem ser aplicadas em muitas áreas, como controle de processos industriais, geração e distribuição de energia elétrica, sistemas de transporte, automação predial, entre outras.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres 

O engenheiro desta especialidade atua nas atividades relacionadas à indústria de energia elétrica, desde a área de geração, transmissão e distribuição da energia elétrica, até sua aplicação em consumo industrial, comercial e residencial. Essa é uma área estratégica para o desenvolvimento nacional e apresenta um leque de participação em atividades interdisciplinares, envolvendo aspectos como impactos ambientais e socioeconômicos, transporte de massa, utilização de recursos energéticos, eletrificação do meio rural, entre outros. Os assuntos envolvidos nesta especialidade agrupam-se em quatro áreas: automação elétrica, eletrônica de potência, máquinas elétricas e eletrotécnica geral e energia elétrica.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

 

Algumas das áreas de atuação desse engenheiro são a concepção de circuitos integrados, aliada ao desenvolvimento de suas etapas de fabricação, o que envolve o conhecimento não apenas de circuitos eletrônicos, mas também dos fenômenos físicos; o desenvolvimento de computadores de alto desempenho, o que implica no projeto de arquiteturas computacionais mais poderosas; e o projeto sensores e atuadores em diversas aplicações. Outras áreas em que este engenheiro está capacitado a atuar referem-se ao processamento digital de sinais e à bioinformática, na qual a engenharia é utilizada para estudo e controle de atividades desempenhadas por seres vivos.

Veja a grade curricular do curso aqui

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

O engenheiro de telecomunicações formado pela Escola Politécnica adquire não apenas conhecimentos específicos dessa área, mas também das áreas de computação e de circuitos eletrônicos. Seus estudos abrangem eletromagnetismo, princípios de comunicações digitais, sistemas telefônicos, planejamento de sistemas de comunicações, redes de comunicação de alta velocidade e princípios de TV digital, entre outros. Esse profissional pode atuar nas mais diversas áreas da Engenharia, tais como planejamento, projeto, desenvolvimento e implantação de sistemas e redes de comunicação.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres

Os alunos de Engenharia Mecânica recebem formação aprofundada em cinemática, dinâmica, materiais, termodinâmica, fluidos, energia, acústica, metodologia de projetos, entre outras. São capacitados para trabalhar no projeto e desenvolvimento de novos produtos, nos processos de fabricação e nas áreas de manutenção e assistência técnica. O engenheiro mecânico é essencial em setores industriais da área mecânica: montadoras automotivas, indústria de eletrodomésticos, indústria de construção de máquinas e equipamentos, naval e aeronáutica, entre outros.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral Duração ideal: 10 semestres O curso de Engenharia Mecatrônica procura explorar a sinergia entre mecânica, informática e eletrônica, capacitando os alunos a incorporar aos produtos, processos e sistemas mecânicos os recursos e facilidades proporcionados pelas três áreas. O profissional dessa área poderá aplicar seus conhecimentos na automação industrial e no desenvolvimento de sistemas mecânicos das diversas áreas da indústria ou ainda em áreas como medicina, bioengenharia, geração de energia, robótica e sistemas de manufatura. Veja a grade curricular do curso aqui

Modalidade: semestral

Duração ideal: 10 semestres 

A formação do engenheiro metalurgista cobre três campos: metalurgia extrativa, metalurgia de transformação e metalurgia física. São fundamentais para essa especialização a físico-química, os fenômenos de transporte de energia e massa e as relações entre processos de fabricação, microestrutura e propriedades, pontos enfatizados no curso da Escola Politécnica. O campo de atuação para o profissional da área estende-se da redução de minérios e produção primária de metais até o acabamento de peças e montagem de componentes. A atividade está ligada às indústrias de base e ao setor metal-mecânico, mas o engenheiro metalúrgico encontra espaço em qualquer setor industrial.

Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: semestral Duração ideal: 10 semestres O aluno de Engenharia Naval da Escola Politécnica recebe uma formação abrangente, envolvendo todas as áreas da Engenharia, com foco no desenvolvimento de projetos. Essa formação generalista e eclética vai torná-lo um profissional capaz de projetar desde o sistema de um navio até uma plataforma de petróleo ou uma cidade flutuante. Veja a grade curricular do curso aqui.

Modalidade: quadrimestral

Duração ideal: 10 semestres

 

O aluno de Engenharia Química é preparado para atuar nos campos de pesquisa, desenvolvimento e projeto. No curso, recebe noções avançadas de Química e desenvolve conhecimentos em processos e operações industriais, simulando situações ocorridas nas fábricas. Nas áreas de Engenharia de Alimentos e Química Industrial, realiza experiências com fertilizantes, celulose, papel, minérios não-metálicos e polímeros. O Engenheiro Químico pode atuar em diversos setores, entre eles o químico, o petroquímico e de alimentos.

Veja a grade curricular do curso aqui

Apoio à permanência

A Universidade de São Paulo possui projetos de apoio à permanência estudantil implementados em diferentes áreas da USP, como moradia, transporte e creches (veja a seção “Estrutura Universitária”). Dentre essas ações, a principal é o Programa de Apoio à Permanência e Formação Estudantil (PAPFE), administrado pela Superintendência de Assistência Social (SAS) e voltado para estudantes que possuem dificuldades socioeconômicas de se manter na universidade. 

O programa é composto, dentre outras coisas, por apoio moradia, sendo vaga em conjunto habitacional do campus e auxílio financeiro; auxílio alimentação e auxílio-livros. Os apoios e bolsas são destinados para alunos da graduação que se encaixem nos critérios socioeconômicos e estejam cursando sua primeira graduação.

Saiba outras informações na página do PAPFE. 

Outros projetos de apoio à permanência são desenvolvidos por uma organização de ex-alunos, a Associação dos Engenheiros Politécnicos, conheça o projeto Retribua: 

Praça do Relógio. 2018/09/19 Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Estrutura universitária

Os ingressantes na Poli contam com uma ampla infraestrutura universitária, que auxilia o dia a dia dos estudantes e contribui com uma melhora na qualidade de vida durante o período em que cursam a graduação.

Confira aqui alguns dos benefícios disponíveis para os alunos da  Poli.

 
Cotidiano do Campus da Cidade Universitária no Butantã. Foto: Marcos Santos/USP.

A comunidade USP — docentes, funcionários, alunos de graduação e de pós-graduação —, assim como seus dependentes, podem fazer o cadastro no Hospital Universitário (HU) e utilizar os serviços médicos oferecidos por ele. O HU realiza consultas de clínica cirúrgica geral, dermatologia, ginecologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, pediatria, psiquiatria e pré natal, entre outros. Além disso, o hospital atende emergências médicas e realiza exames clínicos. 

Outros detalhes estão no site do HU.

A Universidade de São Paulo fornece à comunidade USP o transporte nos ônibus circulares por meio do Bilhete USP. Os ônibus que aceitam o cartão fazem a locomoção interna dentro do Campus, além de realizar o trajeto entre a universidade e o metrô, tendo como ponto inicial e final a estação Butantã, da linha amarela. O Bilhete USP é gratuito e pode ser solicitado nos sistemas USP pelos alunos e funcionários. 

 

Os estudantes também podem solicitar o passe escolar do bilhete único e do cartão BOM por meio da universidade, de forma a garantir o benefício integral ou parcial, dependendo da situação socioeconômica do solicitante.

Veja mais sobre o Bilhete USP no site da Prefeitura do Campus

O campus da Cidade Universitária conta com quatro restaurantes: o Central; o da Química; o da Física e o da Prefeitura do campus. Os restaurantes oferecem refeições de almoço e jantar a um preço de dois reais (valor no ano de 2020) para alunos de graduação e pós-graduação. Além disso, o Restaurante Central oferece  café da manhã, ao custo de  cinquenta centavos. O pagamento é feito por meio do RUCARD, ferramenta disponível na própria carteirinha da USP ou no QR Code dos alunos, e é recarregado tanto digitalmente quanto no guichê da Superintendência de Assistência Social (SAS) no campus. 

Saiba outras informações no site da SAS.

O Centro de Práticas Esportivas da USP (CEPE-USP) fica localizado no campus da Cidade Universitária e oferece aulas e treinamentos esportivos para a comunidade USP e dependentes, além de ser o local onde as Atléticas dos institutos promovem seus treinos. O CEPE possui uma variedade de atividades físicas e de lazer, e todos os alunos podem frequentá-lo gratuitamente. Para participar de aulas, é necessário fazer o pagamento de uma taxa, que pode ser consultada no site do CEPE, assim como outros detalhes. 

A  universidade também oferece vagas de creche para filhos e dependentes de docentes, funcionários e alunos. O processo de seleção das crianças é baseado em critérios socioeconômicos, organizado pela Superintendência de Assistência Social (SAS). O edital muda de acordo com o ano de oferecimento das vagas, logo é importante verificar o regulamento e demais informações no site da SAS.

Oportunidades

A Escola Politécnica da USP oferece aos seus alunos diversas oportunidades para além do curso de graduação. De pesquisa acadêmica ao mercado de trabalho, as possibilidades são inúmeras ainda durante o curso. 

Veja aqui algumas delas.

A Poli funciona como uma ponte entre as indústrias e os alunos, facilitando o processo de entrada no mercado. As empresas enviam diretamente para a Poli inúmeras vagas de estágio, que são encaminhadas semanalmente aos alunos via e-mail. Além disso, existem oportunidades em que a Escola atua mais intensamente no processo, como no caso de Feiras de Estágio, por exemplo. 

O Programa de Iniciação Científica (PIC) é um projeto que visa colocar os estudantes da graduação em contato com a pesquisa acadêmica durante sua formação. Ele permite que os alunos de engenharia desenvolvam projetos de pesquisa em parceria com docentes e pesquisadores da Escola. As atividades de pesquisa, científica e tecnológica, compreendem pesquisa bibliográfica, trabalhos de campo (coleta de dados), atividade em laboratório, análise de dados, redação de relatórios, reuniões com o orientador, participação em seminários, participação em reuniões de grupo de pesquisa, entre outros.

Os projetos de Iniciação Científica podem ser submetidos a programas de bolsa, com os alunos recebendo auxílio financeiro durante a realização da pesquisa.

Saiba outros detalhes no site da Poli

Os alunos da Escola Politécnica podem participar de programas de intercâmbio organizados tanto pela USP quanto pela Comissão de Relações Internacionais da Poli (CRINT). A Poli oferece diferentes modalidades de intercâmbio, incluindo duplo diploma, aproveitamento de estudos e intercâmbio aberto, que estão descritos em detalhes aqui. Os convênios internacionais da Poli incluem instituições de ensino em 25 países diferentes, somando mais de 70 universidades, que podem ser acessadas aqui

Além disso, a Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (AUCANI) promove programas de intercâmbio em instituições conveniadas com a Universidade e que podem ser aproveitados pelos estudantes da Poli. 

O Workshop Integrativo é um evento promovido pela Poli Júnior há mais de 30 anos e é a maior feira de recrutamento da América Latina. O evento promove a aproximação entre o mercado de trabalho e os estudantes universitários, com as empresas utilizando esse espaço para apresentar oportunidades aos alunos da Poli. Na edição de 2019, mais de 70 empresas participaram do evento, interagindo, ensinando e oferecendo programas de estágios aos participantes. Veja tudo sobre o WI neste link.

Laboratório de Pesquisa e Inovação em Processos Catalíticos (LaPCat) no Departamento Engenharia Química. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

Vivência universitária

A Escola Politécnica da USP oferece aos seus alunos diversas oportunidades para além do curso de graduação. De pesquisa acadêmica ao mercado de trabalho, as possibilidades são inúmeras ainda durante o curso. 

Veja aqui algumas delas.

A Poli funciona como uma ponte entre as indústrias e os alunos, facilitando o processo de entrada no mercado. As empresas enviam diretamente para a Poli inúmeras vagas de estágio, que são encaminhadas semanalmente aos alunos via e-mail. Além disso, existem oportunidades em que a Escola atua mais intensamente no processo, como no caso de Feiras de Estágio, por exemplo. 

O Programa de Iniciação Científica (PIC) é um projeto que visa colocar os estudantes da graduação em contato com a pesquisa acadêmica durante sua formação. Ele permite que os alunos de engenharia desenvolvam projetos de pesquisa em parceria com docentes e pesquisadores da Escola. As atividades de pesquisa, científica e tecnológica, compreendem pesquisa bibliográfica, trabalhos de campo (coleta de dados), atividade em laboratório, análise de dados, redação de relatórios, reuniões com o orientador, participação em seminários, participação em reuniões de grupo de pesquisa, entre outros.

Os projetos de Iniciação Científica podem ser submetidos a programas de bolsa, com os alunos recebendo auxílio financeiro durante a realização da pesquisa.

Saiba outros detalhes no site da Poli

Os alunos da Escola Politécnica podem participar de programas de intercâmbio organizados tanto pela USP quanto pela Comissão de Relações Internacionais da Poli (CRINT). A Poli oferece diferentes modalidades de intercâmbio, incluindo duplo diploma, aproveitamento de estudos e intercâmbio aberto, que estão descritos em detalhes aqui. Os convênios internacionais da Poli incluem instituições de ensino em 25 países diferentes, somando mais de 70 universidades, que podem ser acessadas aqui

Além disso, a Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (AUCANI) promove programas de intercâmbio em instituições conveniadas com a Universidade e que podem ser aproveitados pelos estudantes da Poli. 

O Workshop Integrativo é um evento promovido pela Poli Júnior há mais de 30 anos e é a maior feira de recrutamento da América Latina. O evento promove a aproximação entre o mercado de trabalho e os estudantes universitários, com as empresas utilizando esse espaço para apresentar oportunidades aos alunos da Poli. Na edição de 2019, mais de 70 empresas participaram do evento, interagindo, ensinando e oferecendo programas de estágios aos participantes. Veja tudo sobre o WI neste link.