Projeto Retribua oferece bolsas e mentoria para ingressantes da Escola Politécnica da USP

A partir da convivência com os jovens em situação de vulnerabilidade socioeconômica que estudam na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, uma associação de ex-alunos da centenária instituição passou a contribuir com bolsas para auxiliar em sua permanência. Desde 2004, já foram apoiados mais de 400 jovens e, a partir de 2017, o projeto passou a oferecer também mentoria aos bolsistas, ou seja, além do auxílio financeiro, os jovens têm contato direto com um mentor, um engenheiro que lhe dará suporte para os desafios enfrentados diariamente, sejam acadêmicos, pessoais ou sociais. Conheça o projeto no site http://retribua.org/

Como funciona? – Assim como a Superintendência de Assistência Social da Universidade de São Paulo (SAS-USP), que oferece auxílios de alimentação e moradia para alunos em situação de vulnerabilidade socioeconômica, a Associação de Engenheiros Politécnicos (AEP) lança anualmente um edital para conceder bolsas e mentoria a esse alunos por meio do projeto Retribua. O projeto capta recursos através de doações de pessoas físicas e jurídicas, e concede as bolsas . Os estudantes são orientados por politécnicos voluntários, sendo acompanhados em questões pessoais, acadêmicas e sociais.

Esse  apoio ao jovem ao longo da graduação leva à uma vantagem competitiva na conclusão do curso e no mercado de trabalho. Ao longo da  mentoria o aluno é encaminhado para estágio, Bolsa de Iniciação Científica e trabalhos em projetos da Escola, do terceiro ao quinto ano.

O projeto é conduzido por Marcos Rodrigues, Coordenador de Mentoria e Gestor, Fátima Duarte, psicóloga responsável pelas Relações Interpessoais, e Carlos Eduardo Cugnasca, Coordenador de Bolsas.

Depoimentos

Todos os anos, 870 dos melhores talentos do Brasil têm o privilégio de ingressar na Escola Politécnica da USP, reconhecida por formar lideranças para o nosso país. Alguns destes talentosos alunos enfrentam muitas dificuldades para concluir seu curso: suas famílias não dispõem dos recursos financeiros para mantê-los estudando. Em 2019, mais de 200 alunos estavam nesta situação…

O projeto Retribua existe desde 1985 para ajudar estes alunos mais carentes: oferece bolsas de estudo e mentoria (foram ao todo 123 em 2019) com engenheiros e professores da Escola. Sua contribuição é essencial para que estes talentos realizem seu potencial, tornando-se os engenheiros e líderes que nosso país tanto precisa!

Faça como o Alberto Rodrigues (turma Civil ’41, irmão, pai, tio e avô de politécnicos).

Participe também deste movimento. Doe para o Retribua! retribua.org/doacao/

 

Douglas nasceu em Catuji, na região do Vale do Mucuri em Minas Gerais. Cursou os 4 primeiros anos de ensino na zona rural e da 5º série ao 3º ano do ensino médio na escola estadual da cidade. Com ajuda de amigos, conseguiu fazer o vestibular para a USP em São Paulo, foi aprovado e veio estudar na Engenharia de Computação na Poli, passando a morar no Conjunto Residencial da USP (CRUSP). Ele foi bolsista Retribua/AEP nos 2 primeiros anos de curso e continua até hoje no programa de mentoria. No seu 5º ano, o ex-bolsista Retribua/AEP realizou estágio na Airbus, na Alemanha (ele aprendeu alemão sozinho, usando aplicativos, sites da internet e aproveitando o programa USP iFriends para se conectar e praticar a língua com estudantes de intercâmbio alemães). Durante esses anos de faculdade ele também encontrou tempo para ser voluntário do Retribua/AEP. Atualmente está cursando o 5º ano de graduação e faz parte do Programa de Pré-mestrado em Engenharia de Computação, sendo bolsista do Programa de Bolsas do Itaú. Faça parte de histórias como esta, apoie o Retribua!

retribua.org/doacao/