Escola Politécnica lança portal Memória

Site abriga documentos valiosos da época da fundação da instituição de ensino de Engenharia, como atas, revistas e anuários.

A Escola Politécnica da USP lançou nesta quinta-feira (17/12) o portal “Memória da Escola Politécnica da USP”, que disponibiliza 2.000 arquivos, a maioria documentos institucionais, relacionados à instituição. O trabalho de digitalização resultou em cerca de 15 mil páginas na web. O acervo histórico traz informações valiosas sobre a própria Poli, o ensino, a cidade e o desenvolvimento da Engenharia.

O projeto foi coordenado pelo professor Jorge Pimentel Cintra, do Departamento de Engenharia de Transportes da Poli (PTR). O site http://memoria.poli.usp.br/ foi apresentado por ele para os membros da Congregação, na reunião realizada nesta quinta-feira no Auditório Professor Francisco Romeu Landi, no prédio da Administração.

Estão disponíveis no site Memória edições da Revista Politécnica, Atas da Congregação, Relatórios, Anuários e Programas de Disciplinas. Os documentos foram produzidos entre os anos de 1894 e 1938. No site consta, por exemplo, a ata manuscrita de instalação da Poli de 1894. O documento é assinado por vários dos participantes do evento de instalação da Escola, como o então presidente do Estado de São Paulo, Bernardino de Campos, e os professores Francisco de Paula Souza e Luiz Inácio de Anhaia Mello, além de diversas autoridades, incluindo os cônsules da França, Inglaterra, Alemanha, Itália e Portugal, entre outras.

Outro exemplo de conteúdo: uma das edições da Revista Politécnica digitalizada e disponível no site conta sobre uma grande novidade técnica, o vidro armado, material que foi exposto em uma casa comercial paulista e era, na época, uma inovação em materiais de construção civil na América do Norte e Europa.

Além da digitalização de parte do acervo, foram feitos os trabalhos de limpeza, higienização e acondicionamento desses documentos. O mecanismo de busca do site permite a pesquisa por autor, assunto, data de publicação e coleção. “Fizemos o trabalho de indexação de cada documento manuscrito, de modo que é possível identificar seu conteúdo por algumas palavras-chave. Se estiver procurando por Paula Souza no conjunto de atas manuscritas do nosso acervo histórico, será possível encontrar, nos documentos digitalizados, aqueles em que constam seu nome”, explica o coordenador.

O diretor da Poli, professor José Roberto Castilho Piqueira, parabenizou a equipe envolvida no projeto. “É um trabalho precioso e importante para a memória não só da nossa Escola, mas da Engenharia no Brasil”, destacou.

A equipe do projeto foi composta por 14 pessoas, entre funcionários da equipe da Biblioteca Central da Poli, do Serviço Técnico de Informática e estagiários. Contou com o apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, por meio do Programa Memória Institucional, e da Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo (FUSP).