Para valorizar sua história, Escola Politécnica cria “Dia da Poli”

Portaria oficializa comemorações realizadas na data de fundação da Escola

A partir deste ano de 2017, a Escola Politécnica da USP passa a comemorar o “Dia da Poli” em todo dia 24 de agosto. A data marca a criação da tradicional escola de engenharia, que em 1893 foi oficializada pela publicação da lei nº 191, da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Após 124 anos, os docentes da Escola acreditam que a ação é um importante passo para que os alunos conheçam com mais detalhes a história e entendam os impactos das atividades de ensino e pesquisa executadas pela instituição no desenvolvimento tecnológico da cidade de São Paulo, do Estado e do País.

O professor José Roberto Castilho Piqueira ressalta que a Escola Politécnica oferece aos seus alunos uma formação de excelência, com condições técnicas para estes sejam engenheiros de primeira linha e ajudem a construir o país. “Formar esse engenheiro é a missão da Escola Politécnica, aliando a experiência de 124 anos de existência à modernidade que sempre fez parte de cada momento de sua história”.

A vice-diretora da Poli-USP, professora Liedi Légi Bariani Bernucci, enfatiza que “entender a história da Escola é entender também a nossa missão”. A docente, que se formou no curso de Engenharia Civil em 1981, explica que este tipo de ação não é uma questão de cultuar, mas sim de conhecer as memórias da Poli, de forma que o aluno identifique o momento histórico em que se deu a fundação da Escola, e com que propósito. “Ele precisa entender o que estava acontecendo, e qual foi o papel da Escola, para poder trazer para os dias atuais essa lição de que uma instituição universitária pode colaborar com a modificação da economia e da sociedade”.

Liedi frisa que estar na Poli é muito mais que apenas uma etapa na vida de um estudante, uma vez que, ao se formar, o politécnico tem também a missão de colaborar com o desenvolvimento da sociedade como um todo. “Hoje nós precisamos somar esse retorno social e econômico com sustentabilidade, por meio de processos otimizados que contemplem também os aspectos ambientais”, complementa.

O professor do Departamento de Engenharia Mecatrônica, Nicola Getschko, idealizou a portaria que estabelece as comemorações de 24 de agosto. O docente acredita que é necessário conhecer as conquistas para poder prestigiá-las. Ele se baseou em uma cultura comum existente em renomadas universidades pelo mundo, que trata de valorizar a história das instituições, praticando o hábito de enaltecer as conquistas alcançadas pelos alunos, ex-alunos e professores. “Além da comemoração da data [de aniversário de criação da Escola], a proposta visa estimular a participação de professores e alunos. Quem não conhece a história da Escola, não tem como valorizar a instituição”, comenta o professor, que considera ser esta uma maneira de valorizar os cursos da Poli, divulgando as contribuições que os politécnicos já fizeram para o Brasil.

Getschko, também um ex-aluno da Escola Politécnica, ressalta que é uma honra e uma responsabilidade fazer parte da história da instituição. “Temos a obrigação de continuar este legado. O politécnico tem essa possibilidade de se orgulhar, e a corresponsabilidade de continuar essa história”. Ele acredita que, por meio de ações que envolvam os docentes na disseminação de informações sobre a Escola, os alunos estarão motivados a enxergarem vários exemplos a serem seguidos. “Historicamente, o que construiu a Poli foram os alunos, com muita garra, conhecimento e dedicação. É necessário pavimentar o caminho para que essa história continue com os novos alunos”, defende o professor.

O Dia da Poli foi instituído pela portaria DIR 2111 pelo diretor da Escola Politécnica da USP, professor José Roberto Castilho Piqueira, após aprovação pela Congregação da Escola no dia 16 de fevereiro de 2017.