Novo dispositivo para separação do CO2 do gás natural, na região do pré-sal, auxilia meio ambiente

Uma equipe de pesquisadores da Escola Politécnica (Poli) da USP desenvolveu um dispositivo para separação do dióxido de carbono presente no gás natural. A presença de CO2 no biogás extraído representa 50% do recurso obtido, sendo considerado peso morto. O grupo trabalha com uma técnica desenvolvida de reinjeção e armazenamento do peso morto na região do pré-sal. 

“Você devolve para o subsolo aquilo que já estava lá e que não está da nossa atmosfera”, explica o professor da Poli, José Roberto Simões Moreira, ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição. A técnica de separação e reinjeção de gases é comum no processo de extração de derivados do petróleo, geralmente ocorrendo nas plataformas como forma de aumentar o rendimento do processo. 

Leia a matéria do Jornal da USP na íntegra.