Interdisciplinaridade favorece atividades de navegação e extração de petróleo

Atividade marítima requer previsão das condições oceânicas, e esta prática envolve múltiplas áreas do conhecimento

Por Tainah Ramos

Na última semana, a Escola Politécnica (Poli) da USP recebeu a visita do professor Ulrik Dam Nielsen, da Technical University of Denmark, para realizar a palestra “Estimação de ondas a partir de múltiplos navios”. Segundo o professor Eduardo Aoun Tannuri, do Departamento de Engenharia Mecatrônica da Poli e um dos coordenadores do laboratório Tanque de Provas Numérico, o tema vem sendo muito pesquisado no Brasil, principalmente na indústria petrolífera. “A medição das ondas do mar é muito importante para você fazer previsões, estudos ambientais, estudos de disponibilidade; há uma série de aplicações, e é muito difícil medir as ondas do mar. Utilizam-se satélites, boias, equipamentos caros, radares. [A palestra] tem muito a ver com a utilização dos dados que já existem hoje em alto mar e que estão relacionados aos movimentos dos navios e das plataformas.”

Tannuri ainda ressaltou que diversas tecnologias disponíveis enriquecem a indústria de navegação e de petróleo, sendo a interdisciplinaridade um ponto chave. “Algumas técnicas modernas estão sendo utilizadas para isso [medição de ondas marítimas], conceitos que englobam dinâmica inversa, engenharia naval, processamento de sinais, fusão sensorial e, hoje em dia, inteligência artificial. O professor Ulrik Dam Nielsen mostrou que tem muitas coisas sendo desenvolvidas nessa área”.

Sobre o Tanque de Provas Numérico

O Tanque de Provas Numéricos passou a fazer parte do International Towing Tank Conference (ITTC) em 2017, após ter seus trabalhos nas áreas de Experimentos em Tanque de Ondas e Simulações Navais reconhecidos pela comunidade científica internacional. O respeitado órgão, fundado em 1933, é uma associação independente de centros de pesquisa de hidrodinâmica, que oferece diretrizes para que os experimentos e simulações numéricas de embarcações sejam realizados dentro de um padrão de qualidade mundial.

TPN foi idealizado e é coordenado pelo professor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica (PNV), Kazuo Nishimoto. Trata-se de uma estrutura única no Brasil. Além do Calibrador Hidrodinâmico, onde está o tanque, propriamente dito, abriga o Centro de Simulações Náuticas e Portuárias, coordenado pelo professor Tannuri e composto por seis simuladores. “O ITTC reúne os principais laboratórios do mundo focados em desenvolvimento de tanques de prova e simuladores para engenharia e pesquisa. Ser credenciado nessa rede é um reconhecimento do alto nível dos trabalhos que executamos aqui”, destaca o docente. “Poucas instituições têm tanque e simulador credenciados no ITTC. Em geral, eles têm um ou outro. Essa ideia de juntar o numérico com o experimental, que foi concebida pelo professor Kazuo, nos torna únicos, pois são poucos os que têm ambas as capacitações”, acrescenta.

Inaugurado em 2010, o laboratório brasileiro é uma referência na área, e foi criado com o objetivo de auxiliar a Petrobras a solucionar os desafios tecnológicos na exploração de petróleo e gás na camada do pré-sal. Mais do que isso, hoje o TPN possui outras plataformas para testes, como o Simulador Marítimo Hidroviário, uma das facilities do Centro de Simulações do TPN que permite aos profissionais responsáveis pelas manobras de atracação em portos brasileiros realizar treinamentos de novas operações, por exemplo, e que também atende a diversos atores do setor, como órgãos de governo e empresas.

 

Navio Petroleiro – Foto: Pedro Bolle / USP Imagens[/caption]

Leia mais: O que é um Tanque de Provas Numérico