Quais áreas serão estudadas pelo Centro de Inteligência Artificial da USP?

Em 2020, a USP terá um centro de estudos em Inteligência Artificial, coordenado por um professor da Poli

Por Tainah Ramos 

No dia 19 de novembro, em evento realizado no Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, o professor Fábio Cozman, da Escola Politécnica (Poli), juntamente com Claudio Pinhanez, da IBM, apresentou ao público as expectativas com relação ao Centro de Inteligência Artificial, recentemente criado, que tem o objetivo de pesquisar e difundir conhecimentos na área. O evento foi mediado pelo também professor da Poli, Mario Salerno.

Para Pinhanez, a aproximação com a Universidade será benéfica para o desenvolvimento da Inteligência Artificial (IA) no Brasil. “Não é para acontecer dentro da USP, mas com a USP”. O novo laboratório foi proposto pela Pró-Reitoria de Pesquisa e selecionado por meio do edital de cooperação da Fapesp e da IBM, no programa de Centros de Pesquisa em Engenharia (CPE). Leia os detalhes sobre o acordo aqui

O professor Fábio Cozman comparou as áreas a serem pesquisadas a uma árvore cheia de ramificações e ressaltou a expansão da percepção pública da importância da IA: “Você abre qualquer jornal e está lá”. Os temas principais da tecnologia já são conhecidos, como machine learning e representação de conhecimento, e serão aprofundados. No Centro, os mecanismos serão aplicados à realidade e necessidades do Brasil hoje: óleo e gás, agronegócio e saúde.

Nesse sentido, será estudado o desenvolvimento de plataformas autônomas, dentro da indústria de óleo e gás; produção sustentável, dentro de agronegócio; e acidente vascular cerebral e seus prognósticos, dentro de saúde. Além disso, pretende-se pesquisar a interação da IA com a sociedade, por meio de temas que vão desde privacidade até o impacto no mercado de trabalho.

Crédito: LEONOR CALASANS/IEA-USP
Crédito: LEONOR CALASANS/IEA-USP
Crédito: LEONOR CALASANS/IEA-USP