Poli-USP sedia inauguração de laboratório de pesquisa em energia e meio ambiente

pqi

Trata-se de uma rede de pesquisa focada em fontes de energia renováveis, 
que integrará pesquisadores do Brasil e da França.

Das instituições que integram a chamada rede de pesquisa 6+5, que reúne cientistas de algumas instituições francesas, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e de outras universidades brasileiras, nasceu o Laboratoire International Associé Franco Brésilien – Energie & Environnement (L.I.A.), que começa a operar oficialmente este mês. No dia 3 de maio, às 9h30, será realizada na Poli-USP a cerimônia de lançamento da iniciativa. A participação no evento é aberta para professores, pesquisadores e alunos da pós-graduação e é gratuita. Não precisa fazer inscrição prévia.

O L.I.A. é um ‘laboratório sem muros’ criado pelo governo francês para estruturar colaborações entre equipes de pesquisa e laboratórios da França com parceiros de outros países com quem já realizam algum tipo de trabalho conjunto. O diretor científico do Laboratório que está sendo estruturado agora no Brasil, pelo lado da França, é Nasser Darabiha, da Centrale Supélec. Já o diretor científico brasileiro é o professor José Pissolato, da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Unicamp. O grupo da Poli –USP é coordenado pelo professor Song Won Park, do PQI.

Depois do lançamento, os participantes poderão assistir uma sequência de palestras, a serem proferidas até o dia 4 de maio por especialistas que agora estão integrando o laboratório, que se configura como uma rede de pesquisa. Segundo Pissolato e Park, o objetivo do evento é apresentar para a comunidade acadêmica as oportunidades de pesquisa abertas com a criação da rede e agregar novos integrantes – pesquisadores, professores e alunos.

Atualmente o laboratório já integra em rede pesquisadores da Poli-USP, de algumas instituições francesas (CNRS, CentraleSupélec, Université Paris-Sud, Université de Lille, Centrale Lille, Ecole Nationale Supérieure de Chimie de Lille e Université d’Artois), e da Unicamp. 

A expectativa é que laboratório reforce a cooperação já existente entre os participantes da rede, estimule mais colaborações em pesquisa e aplicações práticas, e, consequentemente, amplie a produção científica e a visibilidade internacional. A rede vai atuar na pesquisa de fontes de energia renováveis, observando todas as suas facetas: a produção, o consumo, os impactos ambientais, a integração e interação com outras formas de energia, e as redes de distribuição.

As principais linhas de pesquisa serão: transformação da energia (focando em pesquisas sobre combustão, formação de poluentes, eficiência energética, por exemplo); redes de distribuição (integração, estocagem geração distribuída, proteção e qualidade dos serviços e outros); e meio ambiente (redução das emissões, fontes renováveis, otimização da rede de energia, gerenciamento de recursos hídricos e lixo).

“Trata-se de uma importante parceria entre Brasil e França, com o objetivo de construir uma sólida rede no campo da energia e meio ambiente, reforçando nossa relação com os franceses, com quem já estamos, inclusive, trabalhando para oferecer um curso inédito, o de Engenharia da Complexidade, que deve ser realizado em Santos”, lembra o diretor da Poli-USP, professor José Roberto Castilho Piqueira. “Essa iniciativa mostra a força do processo de internacionalização pelo qual passa a nossa Escola, já que nossos docentes estão cada vez mais ativos na busca por parcerias com pesquisadores de instituições estrangeiras de ponta”, destaca.

Histórico da iniciativa – Segundo um dos integrantes da rede, o professor do PMR, Alexandre Kawano, a origem do L.I.A. remonta as reuniões feitas entre docentes brasileiros e franceses para discutir as diferenças entre estilos de ensino e nos programas dos cursos de Engenharia, principalmente em matemática, nos anos de 2008 e 2009 no Rio de Janeiro.

“Dada força da ligação entre os parceiros do 6+5, começou-se a pensar em estender as discussões para as demais áreas da graduação e para a de pesquisa”, lembra Kawano. Em 2013, houve um encontro na Unicamp para o grupo começar a formular o L.I.A. Em 2015, foi feito um workshop na Poli que refinou a proposta discutida na Unicamp e delimitou as áreas de pesquisa que serão trabalhadas pela rede a partir deste ano.

Serviço:
Cerimônia de inauguração da instalação e palestras de apresentação do L.I.A – Laboratoire International Associé Franco Brésilien – Energie & Environnement.
Quando: 3 de maio, quarta-feira, às 9h30.
Local: Auditório Francisco Romeu Landi do prédio da Administração da Poli-USP (Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa 3, número 380 –Cidade Universitária – São Paulo).
Não é preciso fazer inscrição prévia.

(Janaína Simões)