Poli-Sharks fecha parceria com a consultoria Dynamine

Empresa vai apoiar o programa que ajuda estudantes de Engenharia de Minas da Poli-USP a desenvolver projetos com potencial de mercado. Com a parceria, os planos de negócios dos alunos serão apresentados a investidores

O programa Poli-Sharks contará com um reforço no ano que vem, a partir de uma parceria com a empresa de consultoria Dynamine, que atua no setor de mineração. O anúncio da parceria, que permitirá aos participantes do programa apresentar seus projetos para potenciais investidores, foi feito durante a cerimônia de entrega do Prêmio Dynamine 2017, realizada no auditório do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo (PMI) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo, no último dia 8.

O Poli-Sharks é uma iniciativa coordenada pelo chefe do PMI, o professor Giorgio de Tomi, e tem o objetivo de ajudar os alunos de Engenharia de Minas a criar um novo negócio a partir de projetos que desenvolvam na universidade. “No ano que vem, vamos trabalhar com a Dynamine para expandir o trabalho do Poli-Sharks, usando toda a experiência que tivemos com a conquista do Prêmio Dynamine de 2017”, disse ele, se referindo ao pesquisador da Poli-USP Edmo Rodovalho, vencedor da premiação na categoria “Projeto mais inovador de 2017”.

O prêmio é concedido a partir da análise e escolha de um grupo de engenheiros, pesquisadores de empresas e de instituições de ensino do Brasil e exterior. Rodovalho foi premiado pelo trabalho “Simulation of the impact of mine face geometry on the energy efficiency of short-distance haulage mining operations”. No dia da cerimônia de premiação também foi realizado um debate com especialistas sobre assuntos como inovação versus conservadorismo na indústria mineradora, dificuldades no estabelecimento de parcerias entre universidades e empresas; financiamento para P,D&I, pós-graduação para quem está no mercado de trabalho, entre outros.

O Poli-Sharks é um programa anual, dividido em três blocos: Instrução dos Alunos, Elaboração dos Planos de Negócio e Captação de Recursos. Os alunos passam por todas as etapas de criação de um novo negócio, da estruturação da ideia, plano do negócio, até o convencimento dos investidores para captação de recursos. Essa última fase será viabilizada a partir da parceria com a Dynamine. “Os planos de negócios serão avaliados por uma comissão do Prêmio Dynamine e quem passar nesse funil será colocado na frente de investidores para fazer um pitch e tentar levantar o dinheiro”, contou Tomi.

Também com foco na formação empreendedora, o PMI tem trabalhado com o conceito de minas experimental. Já foram feitos dois acordos com empresas no entorno de São Paulo que possibilitam aos alunos fazerem pesquisa e desenvolver trabalhos acadêmicos dentro da operação das companhias.

“Este ano, alunos do PMI desenvolveram um projeto encomendado pelo cliente. No dia da apresentação do trabalho final, eles defenderam o projeto diretamente para o cliente”, explicou. “Além de ganhar conhecimento com a gestão de projetos, os alunos tiveram de aprender a vender suas ideias. É esse tipo de mudança que estamos encorajando para que o Departamento acompanhe a evolução da indústria.”