Liedi Bernucci é a primeira mulher a assumir a Diretoria da Escola Politécnica da USP

Formada em Engenharia Civil, professora abriu portas e busca servir de exemplo para as mulheres que querem seguir carreira na área.

A mais nova diretora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Liedi Legi Bariani Bernucci é a primeira mulher a assumir o cargo máximo administrativo de uma das principais escolas de Engenharia do Brasil. Foi a primeira mulher a ocupar a vice-diretoria da Poli, de 2014 até janeiro deste ano, e chefiou o Departamento de Engenharia de Transportes, cargo que ocupou por sete anos, até março de 2014. Também foi a primeira mulher a ser escolhida como “Professor do Ano” pela Associação dos Engenheiros Politécnicos (AEP), homenagem recebida em 2016. E desde 1995, coordena o Laboratório de Tecnologia de Pavimentação (LTP) do Departamento de Engenharia de Transportes.

Ser pioneira não foi um acaso, mas resultado de uma carreira planejada, desde o início da docência, e de muito estudo. “Eu sempre quis seguir a carreira acadêmica, me planejei e trabalhei para isso”, contou ela em um debate promovido ano passado pelo Centro Acadêmico Mecânica e Mecatrônica (CAM). Nascida em 11 de julho de 1958 na cidade de Jarinu, interior de São Paulo, a diretora da Poli sempre estudou em escola pública e ingressou na USP em 1976, no curso de Geologia, mas resolveu prestar novamente vestibular e entrou na Poli em 1977, tendo optado por Engenharia Civil no segundo ano e concluído a graduação em 1981.

“Na graduação da Poli eu descobri o prazer de estudar”, ela costuma dizer quando reflete sobre sua formação. Também nesse período ela passou a se interessar pelas atividades de gestão, quando, em 1980, compôs uma chapa que venceu as eleições do centro acadêmico de Engenharia Civil, o CEC.

Bernucci fez mestrado em Engenharia Geotécnica na Poli-USP, concluído em 1987. Parte da pesquisa foi desenvolvida em uma especialização feita no Institut Fuer Grundbau und Bodenmechanik – Eidgenoessische Technische Hochschule Zürich (ETHZ), na Suíça, onde permaneceu de 1984 a 1986. Na mesma instituição fez também um doutorado sanduíche. Esse período foi fundamental para sua formação, já que a ETHZ é considerada a Escola Politécnica-Mãe, um modelo para constituição da Poli. Finalizou seu doutorado em Engenharia de Transportes pela USP em 1995, sob orientação do professor Franco Balduzzi, da ETHZ, e coorientação pelo professor Jorge Pimentel Cintra, da Poli-USP.

Em 1986, tornou-se professora da Poli, depois de um convite do professor Antonio Galvão Novaes, então chefe do Departamento de Engenharia de Transportes. Ela realizou sua Livre-Docência em 2001, cujo título é “Desenvolvimentos e Aprimoramentos de Tecnologia de Utilização de Solos Tropicais e de Misturas Asfálticas em Pavimentação”. Em 2006, foi nomeada professora titular da Escola, atingindo o título máximo, que representa o topo da carreira docente, aos 48 anos.

Como professora, foi homenageada quatro vezes por alunos. Reformulou e introduziu disciplinas na graduação e na pós-graduação e recebeu dezenas de prêmios em razão de seus trabalhos publicados em periódicos e congressos nacionais e internacionais. É uma pesquisadora reconhecida, tanto pela academia como pelo setor produtivo, por sua competência na área de infraestrutura de transportes, que engloba estudos sobre vias urbanas, rodovias, aeroportos e ferrovias.

Autora de um livro que é referência para estudantes e profissionais, “Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros”, juntamente com Laura M.G. Motta, Jorge A P Ceratti e Jorge B. Soares, publicou mais de 160 trabalhos. Docente da Poli há 32 anos, já lecionou para mais de 3.000 alunos de graduação e orientou cerca de 40 alunos de mestrado e doutorado. Coordena e orienta projetos de pesquisa financiados por órgãos de fomento, agências e por empresas públicas e privadas, nacionais e internacionais. Foi coordenadora da Comissão de Asfalto do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP). É pesquisadora com conceito Pq 1C do CNPq (Bolsista de Produtividade em Pesquisa nível 1C).