“Engenheiros podem ser agentes na construção de uma sociedade mais sustentável”, destaca professor da Poli

Os impactos da ação humana no planeta, como as mudanças climáticas, e as consequências na saúde humana, estão sendo estudados por uma nova perspectiva por cientistas da USP, no grupo interdisciplinar de Saúde Planetária, sediado no Instituto de Estudos Avançados (IEA) da universidade. O coordenador do grupo e professor da Escola Politécnica (Poli) da USP, Antonio Mauro Saraiva, explica que a Saúde Planetária é uma área abrangente, que envolve diversas áreas do conhecimento. “Fazem parte do tema os problemas atuais da sociedade, como desmatamento, saúde, produção de vacinas, equipamentos como o ventilador pulmonar desenvolvido na Poli. Tudo isso envolve engenharia”, destaca o docente. 

Saraiva explica que o papel do profissional de engenharia é fundamental nesta abordagem mais holística, em que a engenharia passa a ser uma provedora de soluções de sustentabilidade para a nossa sociedade, se tornando cada vez menos geradora de problemas. A engenharia é uma área que basicamente visa a resolução de problemas, e que se apoia em outras ciências e na própria ciência da engenharia para resolvê-los. Então o engenheiro se encaixa perfeitamente no tema, como um dos principais atores, no sentido de tornar possível uma mudança de comportamento e de processos para uma sociedade mais sustentável”.

Para outras informações sobre Saúde Planetária, acesse o site

Nos dias 26 e 30 de abril de 2021, a Universidade de São Paulo será palco do 4º Encontro Mundial de Saúde Planetária. Esse evento tem por tema “fazendo pontes entre comunidades para alcançar a grande mudança”, pois a busca por uma saúde planetária – ou seja, saúde e bem estar humano e do planeta – requer que todos estejam envolvidos na solução. A COVID mostrou como estamos ligados e como não haverá solução para um país apenas. 

Saiba mais sobre o evento aqui.

Além do professor Saraiva, o Grupo também conta com a participação dos professores da Poli, Tereza Cristina M.B. Carvalho e Bruno de Carvalho Albertini, e dos doutorandos em Engenharia de Computação da Poli, Fernando Xavier e Jailson Leocadio.