Projeto da Poli evita perda de grãos no transporte rodoviário

Um produto inovador, desenvolvido na Escola Politécnica para evitar a perda de grãos no transporte rodoviário, conquistou o 5° Prêmio AEA de Meio Ambiente, na categoria Acadêmica. Promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), o prêmio foi entregue no 13º Jantar Anual de Meio Ambiente da AEA, no último dia 13, em São Paulo.

Um produto inovador, desenvolvido na Escola Politécnica para evitar a perda de grãos no transporte rodoviário, conquistou o 5° Prêmio AEA de Meio Ambiente, na categoria Acadêmica. Promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), o prêmio foi entregue no 13º Jantar Anual de Meio Ambiente da AEA, no último dia 13, em São Paulo.

O produto realiza de maneira automatizada todo o processo de enlonar e desenlonar, e foi desenvolvido pelos engenheiros Stergios Pericles Tsiloufas, Cesar Monzu Freire, Renato Ramirez Viana Neves e Paulo Carlos Kaminski, da Poli-USP, e Sérgio de Paula Pellegrini, da Universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda.

Os autores explicam que não há limitações relacionadas às dimensões da carroceria e nem com relação ao tipo de grão a ser transportado. Há ainda a possibilidade de aplicar o produto na vedação de vagões de trem, balsas graneleiras ou no transporte de produtos granulados não alimentícios. A invenção foi registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

O trabalho traz uma contribuição importante para o setor, uma vez que cerca de 10 milhões de toneladas de grãos são perdidos anualmente no transporte, ao custo de R$ 2,7 bilhões. O montante representa uma área superior a 2,6 milhões de hectares, equivalente ao Estado de Alagoas. Segundo o IBGE, 67% da carga agrícola brasileira é transportada pelo sistema rodoviário.