Poli na Mídia: Professor da Poli explica como se proteger dos megavazamentos

12/02/2021 – No ano passado, os CPFs de 223 milhões de pessoas vivas e falecidas vazaram. Neste mês, mais de 100 milhões de contas de celulares foram vazadas, entre elas estaria a do presidente Jair Bolsonaro. O especialista em segurança cibernética Marcos Simplicio, professor da Escola Politécnica (Poli) da USP, explica que megavazamentos de dados ocorrem, normalmente, de três formas: Invasão por um hacker do banco de dados de uma empresa; invasão do site usado pela empresa para o consumidor acessar dados pessoais e vazamento interno por funcionário que tem acesso a informações de clientes.

Acesse a matéria completa da BBC Brasil aqui.