Áreas desmatadas por mineração ilegal na Amazônia aumentam em 90%

Desenvolvido por pesquisadores da Escola Politécnica (Poli) da USP, um estudo concluiu que houve um crescimento de mais de 90% no desmatamento nas áreas de mineração ilegal entre o período de 2017 a 2020. O aumento já revela grandes impactos florestais, por meio de degradação de florestas, poluição dos rios e de ecossistemas aquáticos, além de afetar na saúde e bem estar da população ribeirinha e das comunidades indígenas que têm sua demarcação violada e ocupada por garimpeiros.

“Temos um avanço das atividades frente à simplificação das legislações ambientais. Então, o que reforçamos é a necessidade justamente de revisitar essa tendência que estamos presenciando para o fortalecimento”, diz Juliana Siqueira, engenheira ambiental e pesquisadora da Poli-USP. 

Leia na íntegra no Jornal da USP