Declaração sobre saúde planetária pede “mudança fundamental na forma como vivemos”

Na última terça-feira, dia 5 de outubro de 2021, mais de 250 organizações do setor público e privado, de mais de 40 países, publicaram uma declaração internacional, a qual aponta que o planeta Terra está doente, devido a poluição, mudanças climáticas, desmatamento, degradação ambiental, extinção de espécies e outras comorbidades diversas induzidas pelo homem. Segundo a declaração, ser humano é a razão desse problema, mas também é a solução, para isso é preciso agir rápido e em conjunto para reverter esse diagnóstico.

“Não precisamos somente de novas leis, mas de novos comportamentos”, ressalta o professor Antonio Mauro Saraiva, da Escola Politécnica (Poli) da USP, um dos organizadores da declaração e autor da carta na Lancet. A pandemia de covid-19 deu uma demonstração clara disso, segundo ele: não basta as autoridades publicarem leis exigindo o uso de máscaras e o distanciamento social, se as pessoas não mudarem seu comportamento. Por isso, completa o pesquisador, é importante que o movimento de transição rumo à saúde planetária ocorra “de baixo para cima”, liderado pela sociedade civil. “Precisamos trazer mais gente para essa conversa.”

Leia a matéria do Jornal da USP na íntegra.