Privação de sono crônica ou aguda afeta controle da caminhada

Em análise publicada no periódico científico Science Reports, conduzida pelo Laboratório de Biomecatrônica da Escola Politécnica (Poli) da USP e coordenada pelo professor Arturo Forner-Cordero, os padrões de sono de 30 estudantes universitários foram monitorados. Após serem submetidos a um teste de coordenação motora, o estudo constatou que a privação de sono afetou o controle de marcha, importante para o equilíbrio das pessoas durante a caminhada. Os resultados podem orientar a atuação da prática clínica em Fisioterapia e na identificação dos sintomas de fadiga e a necessidade de outras intervenções médicas. 

“Quem sabe, no futuro, seja possível desenvolver sistemas para monitorar os padrões de caminhada das pessoas e usar isso para identificar indivíduos sofrendo com fadiga, algo relevante na segurança de trabalho, entre outros contextos”, explica Guilherme Umemura, primeiro autor do artigo.

 

Leia a matéria do Jornal da USP na íntegra.