Cientistas se unem para propor ações de combate à fome no Brasil 

Agravada pela pandemia, as condições de insegurança alimentar e fome condições voltaram a assombrar o país, que tem mais da metade dos lares atingidos: pelo menos 19 milhões de brasileiros e 55% dos domicílios vivem com a privação de alimentos. 

Muitos dos dados que estão no centro do debate público se devem à ciência e aos cientistas, que vêm gerando informações essenciais para o diagnóstico do problema da fome. Sabe-se, por exemplo, que o Brasil saiu do mapa da fome em 2014, mas, três anos depois, 46,5% dos domicílios rurais já apresentavam insegurança alimentar grave. Nas cidades, o estado da fome também evoca a ausência de soberania alimentar. 

O Grupo de Trabalho (GT) “Políticas Públicas de Combate à Insegurança Alimentar e à Fome”, criado pela Reitoria da USP para desenvolver pesquisas sobre insegurança alimentar, alimentação sustentável, subnutrição e combate à fome realizam iniciativas que visam propor políticas públicas e ações concretas para a melhoria da situação nutricional das populações mais vulneráveis e para a mitigação dos problemas sociais decorrentes desses problemas.

Uma das ações do grupo foi a realização do 1º Seminário USP de Combate à Insegurança Alimentar e à Fome. O evento on-line foi realizado na última quinta-feira, 2 de dezembro, das 8h30 às 13h, que apresentou as atividades do grupo de trabalho para a sociedade. O encontro está disponível neste link para quem não pôde acompanhar ao vivo.

1º Seminário USP de Combate à Insegurança Alimentar e à Fome

Data e horário: 2 de dezembro de 2021 (quinta-feira), das 8h30 às 13h.

A transmissão está disponível neste link.

O 1º Seminário foi dividido em quatro partes, com a Parte 4: Tecnologia e gestão para a mitigação da insegurança alimentar, contando com a participação do professor Antonio Mauro Saraiva, da Escola Politécnica (Poli) da USP, que debateu sobre o potencial da inteligência artificial na tomada de decisão em políticas públicas.

Leia a matéria do Jornal da USP na íntegra.