Professores celebram os resultados de curso de aperfeiçoamento didático

Além de considerarem o conteúdo excelente, os docentes que participaram da iniciativa destacaram a importância da troca de experiências e o espaço para reflexão sobre suas atividades didáticas

Na tarde desta quinta-feira, dia 12 de dezembro de 2019, ao final da última reunião do ano da Congregação da Escola Politécnica (Poli) da USP, os docentes que participaram do Curso de Formação para Docência Universitária ministrado pelo professor Marcos T. Masetto, renomado especialista em didática no ensino superior, receberam os seus certificados de conclusão do curso.

 

A iniciativa já ocorreu em anos anteriores e, segundo a diretoria da Poli, mais uma vez teve grande aproveitamento dos participantes. Ao longo de 11 semanas, cerca de 30 professores da Poli assistiram aulas nas noites de quarta-feira, um adicional às suas atividades como professores da USP. Uma das participantes, a professora Carina Ulsen, do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo, conta que, mesmo em um semestre com muita carga horária em disciplinas, fazer o curso do professor Masetto era momento muito agradável. “Nas quartas-feiras eu dava aula de manhã e de tarde, e fazia o curso à noite. Como eu já era leitora das obras dele, eu pensei: tenho que fazer esse curso de qualquer jeito. Eu já conhecia as obras, mas pessoalmente é muito melhor”, conta a docente, que se mostra uma verdadeira admiradora do professor Masetto. 

 

Carina conta que as propostas didáticas ensinadas foram aplicadas no próprio curso, como metodologias ativas, painéis e discussões, executando o que ele propõe que seus alunos ponham em prática em suas atividades docentes. Ela já está planejando uma disciplina de pós-graduação totalmente formatada nos moldes e técnicas aprendidas no curso.

 

O professor do Departamento de Engenharia de Transportes, Flávio Guilherme Vaz de Almeida conta que gostou bastante da oportunidade de ter participado do curso, que ofereceu uma atualização sobre diferentes abordagens das dinâmicas em sala e metodologias de avaliação. “Como resultado prático, consegui neste semestre aplicar uma técnica de avaliação, aprendida no curso, com resultado bastante favorável. Os alunos gostaram e a nova abordagem trouxe uma releitura das questões e respostas, o que contribuiu sobremaneira para a fixação do conteúdo”, destacou o professor Flávio. 

 

A professora Elsa Vásquez Alvarez, do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo , pratica a metodologia de ensino ativo desde início da carreira na USP, em 2014. Por isso, no primeiro dia de aula, chegou com poucas expectativas. “De manhã eu tinha dado aula no campus em Santos, e na viagem vim pensando no sacrifício que estava fazendo, será que vai valer a pena?  Depois de 20 minutos eu estava fascinada com o conteúdo e a maneira como o professor estava conduzindo o curso. As aulas do professor Marcos mudaram a minha forma de perceber como é ser um professor, que não se trata apenas de dar uma nota, e sim de saber acompanhar o processo de aprendizagem e de avaliação do aluno”.

 

Além disso, Elsa destaca que a aproximação com a prática foi um grande diferencial. “Sentimos na pele o que nossos alunos sentem. Inicialmente com muitas dúvidas e posteriormente super motivados. Ele também  nos indicou que é muito importante o acolhimento da primeira aula”.

 

O professor Gustavo Assi, professor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Poli, enfatizou a importância do momento de reflexão com os demais colegas sobre as práticas de aprendizagem exercitadas no ensino de Engenharia. “Percebi que, em muitas delas, um pequeno ajuste promoveria ganho significativo nos resultados. A experiência do professor Masetto enriqueceu demais essas discussões”.

 

Quem também destacou a experiência do professor Masseto foi André Gimenes, professor do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da Poli. “Achei o curso excelente. Ele, com seus 56 anos de experiência na área de ensino, nos mostrou, de forma aplicada em suas aulas, a importância da consideração do aspecto humano do aluno na formulação e aplicação de diferentes técnicas de aprendizagem. Também a mudança de foco do ensino (professor) para a aprendizagem (alunos) trouxe uma visão diferente sobre minhas aulas, material didático e mesmo sobre o processo de avaliação. Em 2020 já devo implantar mudanças em disciplinas com base no aprendizado que tive no curso”. 

 

André, como alguns colegas, contou que o curso se mostrou muito efetivo para criação de um ambiente profícuo de troca de experiências entre professores, e principalmente para o questionamento sobre a condução de minhas próprias disciplinas. Neste sentido, Flávio Vaz destacou que durante o curso os professores, no papel de alunos, puderam desfrutar da existência de um espaço para a discussão do processo de ensino e aprendizagem. “Acredito que o curso deva ser ministrado em novas turmas para mais professores da Escola, seja como reciclagem ou para novos docentes”.