Entenda o que procuram os avaliadores da Poli no SIICUSP

O Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP reúne estudantes da graduação para a apresentação de seus projetos de IC e IT

Apresentar um projeto no Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP (SIICUSP) é uma oportunidade para os estudantes da Universidade mostrarem os resultados de suas pesquisas e ainda tentarem uma vaga em simpósios internacionais, que são realizados dentro e fora do país. Daí a importância de desenvolver um bom trabalho e uma boa apresentação, de forma a impressionar bem a comissão avaliadora dos projetos. As notas dos avaliadores podem significar uma viagem para um congresso internacional, uma vivência muito mais comum para estudantes de mestrado e doutorado do que para quem faz a graduação, e é uma importante experiência para quem deseja seguir a carreira de pesquisa ou docência.

Este ano, o Simpósio será realizado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) nos dias 19 a 22 de setembro. Nele, são expostos os trabalhos de pesquisa que têm relação com as Engenharias. O evento contará com mais de 200 avaliadores da Escola. Eles são docentes, pesquisadores, doutores, estudantes de doutorado e pós-doutorandos selecionados por representantes dos departamentos na Comissão de Pesquisa da Poli.

Todos os trabalhos apresentados são analisados por três avaliadores pré-designados. Essa análise acontece em duas etapas distintas: durante a leitura prévia dos resumos e na apresentação dos autores no evento. “Ler os resumos antes de avaliar é importante, pois já podemos formular algumas perguntas a serem feitas” relata Brenda Coelho Leite, avaliadora há 13 anos.

A avaliação deve obedecer aos critérios estabelecidos pela Pró-Reitoria de Pesquisa, que consideram a apreciação ética da pesquisa, seu conteúdo, a qualidade do pôster e clareza na arguição do apresentador. É importante garantir que os avaliadores não tenham envolvimento com os trabalhos e/ou autores, principalmente, porque é obrigatória a avaliação por parte dos docentes que são orientadores.

 Os estudantes da Poli apresentam sua pesquisa a avaliadores dos respectivos departamentos da Escola. Um projeto orientado por um docente da Engenharia Civil, por exemplo, será avaliado por um professor ou pesquisador desse departamento da Escola. Já quem não é da USP é avaliado por pesquisadores ou professores, de acordo com a área de conhecimento a qual pertence a pesquisa.

Entre os requisitos que os alunos devem preencher para obter uma boa nota estão: conhecer as perguntas e os objetivos do trabalho; saber das virtudes e limitações da metodologia da pesquisa e ponderar sobre a relevância de seu projeto. Eles também são avaliados pela qualidade dos resumos do projeto.

Brenda Coelho Leite diz levar em conta, na sua avaliação, “a originalidade da pesquisa, a qualidade do pôster e argumentação do aluno”. Segundo ela, o que mais prejudica o estudante durante a apresentação é a falta de preparo, pois isso pode deixar a pessoa nervosa. Contudo, para ela, a avaliação não deve ser vista como um grande inimigo. “O evento é uma oportunidade de o professor, conhecendo diversos trabalhos e, tendo uma visão diferente do orientador, dar sugestões enriquecedoras ao aluno”, lembra.

Amanda Martins é estudante de Engenharia de Petróleo da Escola e já participou do Simpósio. Ser sucinto, direto e demonstrar conhecimento sobre a pesquisa são características que, de acordo com ela, contam bastante para a nota. “Os avaliadores analisam vários trabalhos, então quanto mais objetiva e sucinta for a explicação sobre a metodologia empregada e os resultados, melhor será o desempenho do aluno, pois ele conseguirá prender a total atenção de quem o escuta”.

Alexandre Kawano, professor e avaliador há mais de 20 anos do SIICUSP, ajudou a organizar o evento em 2005, e ressalta a importância do evento como espaço para compartilhamento do conhecimento, tanto entre alunos quanto professores. “Podemos ter uma visão panorâmica do que a Poli e as outras faculdades estão produzindo, por isso é imprescindível que os docentes se mobilizem”, afirma. Ele ainda defende o caráter acessível do evento. “O nível não é tão específico quanto os congressos de pós-graduação, o que garante à sociedade a oportunidade de conhecer as produções da Universidade”.

Confira a página oficial do evento com a programação, a relação de trabalhos inscritos e as normas do SIICUSP aqui