Graduação da Poli em engenharia de telecomunicações permite que profissional atue em diversas áreas, como 5G e indústria 4.0

O curso promove uma formação sólida e diversificada para que um engenheiro esteja apto a inovar, projetar, aprender continuamente e resolver diversos problemas ligados à área de telecomunicações, processamento e análise de sinais e da informação

O engenheiro eletricista graduado na Escola Politécnica (Poli) da USP com ênfase na área de telecomunicações está preparado para inovar, desenvolver e introduzir novas tecnologias que atendam à demanda exponencial do transporte de dados e a manipulação destes. Podemos citar, como exemplos bastante atuais: 5G, internet das coisas, indústria 4.0 e cidades inteligentes.

Além disso, devido à formação sólida e ampla contida no curso, este engenheiro está habilitado para atuar para além dessas atividades descritas acima, em áreas que envolvem modelagem, como no caso desta pesquisa, análise de risco e tratamento de dados multimídia, usando ferramentas modernas de aprendizado de máquina, estatística e processamento digital de sinais.

O curso de telecomunicações possui como base uma sólida formação, comum aos alunos de engenharia elétrica da Poli e obtida nos três primeiros anos, em matemática, programação (algoritmos e estruturas) e de conceitos gerais ligados à área.

No quarto ano, o curso oferece o ferramental e os conceitos mais relevantes para a formação nas três grandes subáreas ligadas às telecomunicações: sistemas e redes de comunicação (transmissão e recepção, modelagem, roteamento, organização de redes etc), eletromagnetismo aplicado (projeto de antenas, ocorrência de interferências, fenômenos de propagação etc) e processamento digital de sinais (estimação e detecção de sinais aleatórios, modelagem, classificação etc). A maioria das matérias são teóricas, mas contam com diversas atividades de simulação, e há uma disciplina de laboratório, em que se pratica e se complementa conceitos vistos nas demais disciplinas.

Já no quinto e último ano, o aluno da Poli deverá cursar um módulo de especialização. No curso de telecomunicações, é oferecido para seus alunos um módulo de “Aprofundamento em Telecomunicações” que, como o próprio nome diz, detalha e apresenta novos conceitos ligados à área.

Também é ofertado o Pré-mestrado em Telecomunicações, destinado aos alunos que visam pesquisa e pós-graduação. Para os demais cursos da Poli, são ofertados os módulos de “Processamento Digital de Sinais”, que foca no ferramental e problemas ligados à área de processamento de sinais e informação, e “Telecomunicações”, baseado no quarto ano do curso.

O curso de engenharia de telecomunicações tem como exigência um período de estágio supervisionado correspondente a 180 horas, e a realização de um projeto de formatura, em que o aluno deve demonstrar soluções inovadoras para problemas e desafios da área.

Em suma, a Escola Politécnica da USP tem como grande diferencial deste curso uma formação em uma área que é cada vez mais essencial à sociedade da Era da Informação: transmissão, processamento de sinais e tratamento da informação. Além disso, provê, com sua sólida e ampla base, a capacidade de que o profissional formado continue seu aprendizado e inove ao se deparar com novos problemas e demandas da sociedade.

Acesse aqui a grade curricular do curso de Engenharia Elétrica – Ênfase em Telecomunicações da Escola Politécnica (Poli) da USP aqui.

Fonte: Cristiano Panazio, professor doutor no Laboratório de Comunicações e Sinais da Faculdade de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.