Legado do professor André Riyuiti Hirakawa vai além da sala de aula

No dia 3 de dezembro último, a Poli perdeu o prof. André Riyuiti Hirakawa, depois de alguns anos de uma dura batalha contra o câncer. Aluno e depois docente do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais, ele recebeu justa homenagem na reunião da Congregação da Poli, em dezembro. 

Ele fará muita falta como engenheiro, como pesquisador, como professor, enfim como bom profissional que foi nesse tempo, que todos desejaríamos que fosse mais longo. Seu currículo fala por ele.

Mas quero escrever, aqui, sobre a figura humana que fará muita falta, posto que tinha um balanço fartamente positivo em seus traços de caráter. Começo pelo seu espírito alegre, sorridente, que se juntava ao seu jeito de ser empreendedor; “gente que faz” em vez de reclamar. Quanta diferença faz, ter alguém que está disposto a colaborar e a solucionar os problemas que são a realidade do nosso cotidiano!

Seu espírito trabalhador, lutador, manifestou-se ao extremo nestes últimos anos, na sua batalha por saúde, num primeiro momento, e depois por prolongar a vida junto aos seus entes queridos. Foi heroico, sem exagero, pois enfrentou com espírito elevado essa doença difícil.

André também era muito educado, no melhor estilo da sua cultura ancestral, e era respeitoso com todos, independentemente de sua posição ou cargo. Mas não era excessivamente formal, nem distante. Ao contrário, era uma pessoa presente, próxima, amiga e como já disse, sorridente. Testemunhei várias provas de como podia ser empático e compassivo.

Nestes tempos difíceis, não tenho dúvida em afirmar que, mais que tudo, é o ser humano André que fará falta.

Mas, se por um lado não o temos fisicamente mais conosco, ele deixa um legado que não se apaga da memória de quem conviveu com ele. Oxalá todos nós possamos, como ele, deixar um balanço assim positivo. 

Obrigado, André-san, por compartilhar conosco esses anos. Obrigado por esse legado!

Antonio Mauro Saraiva