Escritório USP MULHERES elabora mapeamento para rede de atendimento às mulheres que estão inseridas no ciclo da violência doméstica

Escritório USP Mulheres para dar maior visibilidade ao aumento da violência doméstica reportado em diversos países desde o início da pandemia de covid-19, elaborou um mapeamento atualizado dos recursos de informação, orientação, acolhimento e atendimento (psicológico, jurídico, social e de saúde) para mulheres vítimas de violência disponíveis nas nove cidades em que a USP possui campus ou unidades: São Paulo, Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto, Santos, São Carlos e São Sebastião. 

 

Os serviços foram divididos em quatro categorias, de acordo com a categorização do documento Rede de Enfrentamento à Violência contra as mulheres, a saber:

 

Serviço especializado de atendimento à mulher: Serviços que atendem exclusivamente mulheres e que possuem expertise no tema da violência contra as mulheres, atuando no fornecimento de assistência jurídica, psicológica e social, de forma especializada.  

 

Serviço de atendimento geral: Serviços não-especializados de atendimento à mulher (ou seja, que não atendem exclusivamente a mulheres, nem que necessariamente possuem atendimento direcionado a vítimas de violência) e que, em geral, constituem portas-de-entrada para a mulher na rede de atendimento – realizando o encaminhamento aos serviços especializados. 

 

Órgãos de Informação, Orientação e Políticas Públicas: Órgãos responsáveis pela formulação, execução e controle de políticas públicas para as mulheres e serviços de orientação e informação às mulheres em situação de violência. Esses órgãos geralmente não oferecem atendimento jurídico, psicológico e social especializado às vítimas de violência, apenas informam e orientam como esta mulher pode proceder. 

 

Serviços de segurança e defesa social: Serviços de Segurança Pública, como os serviços de polícia, que podem ser acionados em situações de perigo ou emergência. E também órgãos de garantia dos direitos, como Ministério Público, que atuam sem que a vítima precise requisitar (e nisso se diferem dos órgãos de garantia de direitos que estão em “Serviço especializado de atendimento à mulher”), em caso de violência doméstica.

 

Rede de Atendimento