Pesquisa da Escola Politécnica busca alternativas de aproveitamento mais eficiente de resíduo de laranja

Uma pesquisa de mestrado realizada na Escola Politécnica (Poli) da USP procurou explorar outras possibilidades de utilização dos resíduos da laranja, como cascas e bagaços que costumeiramente vão para o lixo. Cerca de 50% a 60% da massa original da fruta é descartada durante os processos que o transformam em suco, e a escolha do que é feito com tais resíduos possui impactos importantes, pensando em descarte em aterro ou uso em rações animais.

A engenheira química Lorrayne Suzuki e seu orientador do mestrado, o professor Moisés Teles, do Departamento de Engenharia Química da Poli, utilizaram dados da literatura científica prévia para desenvolver um modelo computacional que simulou um sistema de aproveitamento das cascas para gerar quatro subprodutos (D-limoneno, pectina, combustível biometano e energia elétrica).

“Novas formas de valorização de resíduos e novas rotas de produção de químicos e energia podem acrescentar ainda mais valor a esse importante setor, e modelos computacionais que avaliem os impactos ambientais e identifiquem oportunidades econômicas destas novas rotas podem ser úteis na tomada de decisão”, comenta o professor Moisés Teles, orientador da pesquisa.

Leia a matéria do Jornal da USP na íntegra.